Connect with us

séries

Após estreia de “13 Reasons Why”, a busca por ajuda aumenta em 100%

LOJA DC 4

A série lançada oficialmente dia 31 de março na Netflix está fazendo todo mundo discutir assuntos importantes, sérios e antes ignorados, como bullying, depressão e suicídio. E o levantamento destas questões já está tendo bons resultados.

Logo que os episódios foram liberados, os fãs geraram uma campanha espontânea no twitter utilizando a hashtag “#NaoSejaUmPorque”, para conscientizar as pessoas de suas ações, para que não acabem sendo o motivo do sofrimento de alguém ou até mesmo do término de uma vida.

O “Huffington Post Brasil” fez uma matéria intitulada “Como ’13 Reasons Why’ nos alerta das metáforas do desespero adolescente“, e tem como fonte o Centro de Valorização da Vida, uma associação sem fins lucrativos que previne o suicídio há 53 anos.

Segundo o CVV, desde a estréia da série, os pedidos por ajuda e mensagens aumentaram em 100% com 25 dos casos tendo mencionado “13 Reasons Why”.

Falar sobre o suicídio é importante para que haja a prevenção. No Brasil, cerca de 32 pessoas se matam a cada dia. E com a prevenção é possível impedir 9 em cada 10 casos. Pessoas que pensam em suicídio podem mudar de ideia.

A produção da Netflix consegue transmitir essa mensagens com personagens relacionáveis, que podem ser reconhecidos em quaisquer escolas do país. Apesar de ser uma série adolescente de suspense, com uma pegada dramática e de comédia às vezes, “13 Reasons Why” não deixa de incomodar os espectadores com o assunto sério. Durante a narrativa de Hannah e até o momento do suicídio em si, a série nos leva a encarar a decisão, o fato, a dor e o fim que vem com ele.

Juntamente com a série, a Netflix disponibilizou um site com informações para quem precisa de ajuda. No Brasil, o contato divulgado é o do CVV, que oferece apoio 24h gratuito e sigiloso por telefone (141), email, chat e Skype.

Estudante de Jornalismo, apaixonada por escrever, maratonar séries e ouvir música. Caçadora de monstros com Sam e Dean nas horas vagas.

Comments