Connect with us

cinema

Crítica | O Touro Ferdinando

LOJA DC 4

O livro infantil “Ferdinando – O Touro”, escrito pelo autor americano Munro Leaf, em 1935, conta a história do Touro Ferdinando que prefere viver no campo em paz e cheirar flores do que se envolver em qualquer tipo de conflito ou lutar em touradas.

A publicação foi proibida na Espanha durante a ditadura de Franco, na Alemanha nazista e países com regimes totalitários por o considerarem político e com teor pacifista.

Em 1938, a história foi adaptada para o cinema pela primeira vez como curta metragem pelo diretor Dick Rickard. A Disney ganhou no ano seguinte o Oscar de melhor curta metragem de animação.

Oitenta anos depois, o livro ganha uma nova versão para os cinemas, em longa metragem, dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha (“A Era do Gelo” e “Rio”).

No longa, Ferdinando é um simpático bezerro que vive numa casa de touros. Desde pequeno, ele sabe que o seu destino, quando se tornar adulto, é converter-se num touro de luta, nas arenas espanholas. Só que ele não tem a menor vocação para brigar.

O Touro Ferdinando acaba por fugir e é resgatado por Nina (dublada pela atriz e apresentadora Maysa Silva), que se torna a sua melhor amiga. Na fazenda, ele cresce e se torna num touro gigante, amável e com um grande coração.

Após se envolver numa confusão e ser confundido com um animal perigoso, Ferdinando é devolvido para a casa de touros. Erroneamente, ele acaba o escolhido para disputar a última tourada de um famoso toureiro.

Ferdinando terá duas escolhas: Resignar-se ao seu destino ou encontrar um modo de voltar para casa antes que seja tarde demais. Ferdinando, ao lado de seus novos amigos, provará que não se pode julgar pela aparência.

“O Touro Ferdinando” é uma parábola infantil que traz diversas mensagens como desafiar o próprio destino, manter-se fiel à sua essência diante da natureza humana e o respeito pelas diferenças.

LOJA DC 4

Estudante de Jornalismo. Foi na infância que se apaixonou por filmes. Acredito mais do que a sétima arte, o cinema foi feito para sonhar.

Click to comment