Connect with us

cinema

Lynda Carter fala sobre polêmica envolvendo a Mulher-Maravilha na ONU

LOJA DC 4

Lynda Carter foi a primeira Mulher-Maravilha e ao site The Daily Telegraph ela falou um pouco sobre a polêmica envolvendo a Mulher-Maravilha na ONU (falando assim parece até que é uma pessoa de verdade).

Carter rebateu as manchetes do ano passado quando ela foi convidada para representar a Mulher-Maravilha — juntamente com Gal Gadot, a estrela de reinicialização do próximo filme — como Embaixadora Honorária das Nações Unidas. Se pretendia que ela como um símbolo do poder feminino e “a lutar pela igualdade de género”. Nada controverso, você pode ter pensado? Bem, pense novamente.

A nomeação de um personagem animado era considerada insulto por 44.000 pessoas que assinaram uma petição informando que a fictícia Mulher-Maravilha não poderia representar todas as mulheres como ela é “abertamente sexualiaada”. 

Os manifestantes, muitos deles funcionários da ONU, escreveram que “Cintilante, coxa desnuda e com uma bandeira americana e até o joelho de botas” a Mulher-Maravilha significa usá-la como um modelo global.

“Acho que [o protesto] foi mais sobre eles não escolher uma mulher para esta na ONU; era mais sobre isso do que sobre um personagem fictício”. Sobre a Mulher-Maravilha ser uma personagem branca ela disse, “Eu sou meio hispânica e a outra garota [Gadot] é israelense”.

 “O Superman tem um enchimento na sua virilha  , assim faz o Homem-Aranha e o Lanterna Verde e seus músculos — ninguém tem um problema com isso,” diz Carter, mãe de dois filhos adultos.

“Se eles têm um problema com uma mulher que é forte, perderam o sentido; é o derradeiro sexismo para dizer porque ela tem seios grandes e uma fantasia, o importante é o que você acha que representa ela e o quem ela é… As mulheres têm seios e mulheres podem se defender e contra-atacar. A Mulher-Maravilha é sobre contar a verdade.”

Concordam com ela?

LOJA DC 4