Connect with us

cinema

Tudo, ou quase isso, que você precisa saber sobre Capitão América – PARTE 2

Continuando aqui o nosso compilado de informações sobre o Bandeiroso, vamos a uma parte da história dele que muita gente não entende.

Acima de qualquer coisa, o Capitão América é um SÍMBOLO e, afinal de contas, quantas pessoas já vestiram este manto que traduz o sentimento de liberdade de um povo?

O primeiro a vestir o manto foi o soldado negro, Isaiah Bradley.
capitao

Steve Rogers era tido como o primeiro e “desapareceu” ainda com a guerra em curso. Isso motivou a convocação de um outro herói da época, William Naslund o Independente, também chamado de “O Espírito de 76”, para trocar de uniforme, assim como um novo Bucky – um jovem ex-jogador de base ball chamado Fred Davis

Steven_Rogers_(William_Burnside)_(Earth-616)_Circa_1953

Willian morre nas mãos de um androide chamado “Adam II”, sendo imediatamente substituído por Jeff Mace que, na época, era o herói conhecido como Patriota e assumiu o uniforme até se aposentar.

patriotsa2

Na virada dos anos 1950 para 60 surgiu o quarto Capitão América, um professor que sem querer encontrou a fórmula para o “soro do supersoldado”, injetou em si mesmo e se tornou o Capitão.
Ps: Antes da saga dos quatro Capitães Américas, a cronologia desconsiderava a fase desse Capitão, que teve algumas histórias editadas na década de 1950.

O manto foi assumido pela quinta vez durante algum tempo por John Walker, quando Steve Rogers foi impedido de usar o Escudo e o uniforme tradicional pelo Governo. Rogers continuou suas aventuras, assumindo o nome de “O Capitão” e uma roupa com predominância da cor preta. Walker assumiu o manto do Capitão América, mas seu extremismo e violência eram uma afronta ao código de honra do herói.

psychowalker

Na década de 1970, desiludido com o governo, Steve Rogers abandona o manto do Capitão e torna-se o “Nômade“. O seu amigo Falcão treina então um jovem de nome Roscoe para assumir a identidade do Capitão. Mas antes que a parceria entrasse de fato em ação o rapaz foi assassinado, vestido de Capitão América, pelas mãos do Caveira Vermelha.

cap182_roscoe

Após a posterior morte de Steve aos acontecimentos de Guerra Civil, em 11 de Outubro de 2007, foi anunciado que outra pessoa iria vestir o manto do Bandeiroso, sendo ninguém menos que Bucky Barnes, o antigo Soldado Invernal e side-kick de Steve na Segunda Guerra Mundial.

captain-america-50-cover-by-steve-epting

E para fechar essa extensa lista de personalidades que já vestiram o manto do Bandeiroso, temos seu amigo e braço esquerdo, Falcão! Isso mesmo, e para a surpresa, ou não, de muita gente, tivemos uma forte represália da crítica americana, pois aqui temos um Capitão negro e muito mais envolvido com assuntos sociais. REPRESENTATIVIDADE IMPORTA GALERA!

fto_ft1_33442

Melhores histórias:

Para início de conversa, gostaria de deixar claro aqui o quão difícil é escolher um compilado de melhores HQs deste fantástico personagem com mais de 70 anos de caminhada. Aqui reuni alguns de seus arcos solo e não levarei em conta as suas histórias com os Vingadores ou Universo Marvel. Ah, e vale também a pena lembrar, que este é um compilado baseado em minhas experiências com a leitura deste personagem, não remetendo à opinião como verdade absoluta ou do site Cabana do Leitor.

O nosso Bandeiroso possui forte apelo político e moral, felizes foram os escritores que conseguiram escrever sobre isso em sua essência…

O HOMEM FORA DE SEU TEMPO

Captain America: The Man Out of Time 01 a 05, de 2010 e 2011, por Mark Waid e Jorge Molina.

Quando Stan Lee reinseriu o Capitão América dentro do Universo Marvel Moderno, em 1964, teve uma ideia genial: tratar o personagem como um homem fora de seu tempo. Alguém que pertence a outra época e se vê perdido em nosso presente, com outros valores, outra tecnologia, outra política. Essa temática foi explorada de modo esporádico nas aventuras do personagem no fim dos anos 1960, mas nunca de uma maneira concisa.

É o que o aclamado escritor Mark faz nesta belíssima minissérie. Waid explora as entrelinhas das primeiras edições dos Vingadores e das aventuras solo do Capitão América, dando maior profundidade e dinamicidade às velhas questões lançadas por Lee. O resultado é um belo conto, cheio de nostalgia e questionamentos existencialistas de um dos grandes escritores dos últimos tempos.

A MORTE DO SONHO

Captain America (vol 05) 25-30, de 2007, por Ed Brubaker e Steve Epting.

Os escritor Ed Brubaker passou 8 anos à frente da revista do Capitão América e produziu uma de suas melhores fases em todos os tempos.

Brubaker explora as consequências de uma trama dos Vingadores: a minissérie Guerra Civil, escrita por Mark Millar e desenhada por Steve McNiven. Em Guerra Civil, o Governo dos EUA decreta um ato que obriga a todos os super humanos a revelarem suas identidades secretas e trabalharem para o governo. O Homem de Ferro apoia a medida; mas o Capitão América não. Steve Rogers anuncia publicamente que a medida fere os Direitos Civis, mas como o Ato é uma lei, se transforma em um fora da lei, perseguido pela polícia, pela SHIELD e até pelos Vingadores. Tony Stark, organiza uma nova equipe apenas com heróis que aprovam a medida. Formam-se, então, dois times distintos de Vingadores: o de Stark, oficial; e o fora da lei do Capitão América. Após uma batalha devastadora entre as duas facções, o time do Capitão América é derrotado e o Sentinela da Liberdade se entrega à justiça.

É aí que começa a trama de A Morte do Sonho. Preso, Steve Rogers é levado a julgamento na Suprema Corte e é baleado por Ossos Cruzados nas escadarias do tribunal. O herói morre nos braços de Sharon Carter e o país entra em choque. A opinião pública, cuja boa parte reprovava a ação do herói na Guerra Civil, termina por reverenciar seu papel como herói. Ao mesmo tempo, todo o elenco secundário do personagem – Sharon, o Falcão, Bucky Barnes, Nick Fury e Tony Stark – precisam lidar com o fardo da ausência do maior de todos os heróis. A trama é belíssima e levanta o questionamento: Os Estados Unidos da América conseguirá ficar sem o Capitão América?

NUNCA MAIS!

Captain America 332-350, de 1987 a 1989, por Mark Gruenwald, Tom Morgan e Kieron Dwyer.

Na trama, vemos a volta do Superpatriota, um herói violento que já tinha confrontado o Capitão América pouco tempo antes; agora, ganhando notoriedade nacional após impedir um ataque terrorista em Washington, DC. Ao mesmo tempo, vemos o Capitão América sendo questionado pela Comissão de Assuntos Superhumanos do Governo dos EUA. A comissão questiona o papel de Steve Rogers como o herói patriótico, afinal, ele foi criado por um projeto governamental, mas desde que despertou, depois de passar décadas congelado desde o fim da II Guerra Mundial, o herói agia independentemente. O veredito da Comissão é claro: ou Steve Rogers volta a agir para o Governo ou devolve o escudo e o uniforme. Após refletir, Rogers devolve o uniforme, já que percebe que será usado como instrumento bélico dos EUA. Steve Rogers, então, assume uma nova identidade, chamado apenas de Capitão, usando um uniforme negro

IMPÉRIO SECRETO

Captain America 169-176, de 1974, por Steve Englehart, Mike Friedick (textos) eSal Buscema (arte). Capas: John Romita

Enquanto as agências da lei e da ordem passam a criticar e até persegui-lo quase como  um criminoso, o Capitão América descobre uma grande conspiração abalando todo o país: o Império Secreto! Ao lado da SHIELD, de Sharon Carter, Falcão e do Pantera Negra, o herói patriótico persegue seus inimigos e chega cada vez mais próximo de… Washington, DC, a capital do país!

Império Secreto é uma fantástica metáfora e um marco dos quadrinhos dos anos 1970, época em que a Marvel Comics produziu histórias de tirar o fôlego. É uma grande história política e um bom retrato do período.

AS BATALHAS DO BICENTENÁRIO

Captain America: The Bicentennial Battles, de 1976, por Jack Kirby.

Em 1976, o escritor e desenhista Jack Kirby retornou às aventuras do Capitão América exatamente no período de celebração dos 200 anos de Independência dos Estados Unidos. Por isso, além da revista, Kirby produziu essa edição especial mostrando o Capitão América como um tipo de espírito do país, viajando pelo tempo e participando de eventos importantes da história dos EUA.

E vocês aí achando que o Bandeiroso é um pau mandado do governo, né? SABEM DE NADA INOCENTES!

Mídias externas

Filmes:

  • Capitão América  (1991)
  • Capitão América: O Primeiro Vingador (2011)
  • Os Vingadores (2012)
  • Capitão América: O Soldado Invernal (2014)
  • Os Vingadores: A Era de Ultron (2015)
  • Capitão América: Guerra Civil (Abril de 2016)

816dbc_b42f07a149c14c2d98f7b7ce5bd3cc40

Televisão:

  • Em 1979, foram lançados dois telefilmes na emissora CBS, Captain America (19 de Janeiro) e Captain America II: Death Too Soon (23 de Novembro)
  • Capitão América foi uma das séries adaptadas no desenho animado The Marvel Super Heroes
  • Aparições em Spider Man: The Animated Series, X-Men e X-Men Evolution, em flashbacks do Wolverine na Segunda Guerra Mundial.
  • Protagonista de The Super Hero Squad ShowThe Avengers: Earth’s Mightiest Heroes e Avengers Assemble.

87dc4332dbab075ecbd6aa7a90bab29c

Capitão América é um personagem rodeado de simbolismo e que representa toda uma visão de valores para nossa sociedade, que venham mais 76 anos de belíssimas histórias!

Revisado por: Bruna Vieira.

Prazer, Diego. Sou, apreciador de uma boa cerveja, eletricista em horário comercial e salvo o mundo como Calvo Vigilante depois das 20hrs. Vamos desbravar a nona arte juntos?

Continue Reading
Click to comment

Basta usar o cupom CDLLOJADCCOMICS

O CDL é hospedado pela DreamHost

Copyright © 2018 Cabana do Leitor.