Connect with us

Uma das primeiras tentativas dos Guardiões do Universo para a construção de uma força de paz interestelar deu terrivelmente errado quando sua polícia de androides conhecida como Caçadores Cósmicos massacrou todo o Setor 666. Os únicos sobreviventes do massacre formaram um grupo terrorista dedicado a destruir os Guardiões, conhecido como Cinco Inversões.

O planeta Ysmaullt, lar do Império das Lágrimas, após sua população original ser completamente dizimada pelos Caçadores, passou a ser usado como a prisão do grupo de terrorista após estes tentarem destruir Krona, o Guardião do Universo renegado e responsável por ordenar o massacre do Setor 666. Atrócitus, um dos Cinco, tornou-se tão consumido pelo ódio que assassinou seus companheiros, derramando o sangue destes em um poço conhecido como Lago de Sangue e os usou como sacrifício para completar um ritual que lhe permitiu forjar um anel vermelho, uma lanterna de energia e uma grande bateria energética. Assim, livre de seu planeta-prisão ele poderia finalmente se vingar do (até então) “maior” dos Lanternas Verdes e responsável pelo seu aprisionamento em Ysmaullt: Sinestro.

1 – Ysmaullt agora é a base de operações de Atrócitus e sua tropa.

2 – Com o reboot da DC em 2011, um dos títulos dos “Novos 52” que foram lançados pela editora foram os Lanternas Vermelhos. Foi a primeira série dos Lanternas Vermelhos(que por sinal é muito boa, recomendo..), embora o grupo já tenha atuado em várias publicações do Lanterna Verde. A série é escrita por Peter Milligan (mais conhecido por seu trabalho na Vertigo da DC) e desenhada por Ed Benes.

3 – O anel dos Lanternas Vermelhos usa o sangue dos mesmos como sua principal arma. O seu sangue, sobrecarregado pela luz vermelha do ódio, funciona mais ou menos como napalm, porém em um nível muito mais poderoso. Como o anel dos Lanternas Verdes, o anel vermelho é capaz de criar objetos de energia. Mas muitos dos usuários não percebem que podem. O estado mental enfurecido dos Lanternas Vermelhos tendem a deixá-los focados em ataques físicos ao invés do uso da energia.

Redlaterns

4 – A maior fraqueza dos Lanternas Vermelhos é a dependência de seus anéis de poder para sobreviverem. Ao tornar-se um Lanterna Vermelho, os anéis de poder tornam-se efetivamente seu sistema de suporte à vida, e eles morrem caso percam seus anéis. A morte pode ser evitada por meio de cuidados médicos imediatos ou a intervenção de um Lanterna Azul, mas o risco de morte é muito real.

5 – Depois dos eventos de Krypton Returns, um anel vermelho escolheu Kara. Ela tem demonstrado ser capaz de recarregar o anel esgotado com sua própria raiva. No entanto, ela é mais propensa à explosões de violência e tem dificuldade em controlar o anel.

6 – A Tropa dos Lanternas Vermelhos foi criada por Geoff Johns e Shane Davis, que fez os designs de muitos dos membros da tropa. Foi uma das primeiras tropas a serem introduzidas após a Tropa Sinestro, estreando quase ao mesmo tempo que a Tropa das Safiras Estrelas e junto com a Tropas dos Lanternas Azuis. Geoff Johns disse que os Lanternas Vermelhos são os mais violentos.

7 – Sinestro, enquanto ainda era um Lanterna Verde, foi o responsável por aprisionar os Guardiões das Cinco Inversões em Ysmault. Com o fim da guerra, os Lanternas Verde escoltaram Sinestro de volta a OA. O comboio que levava ele foi atacado por membros da Tropa Sinestro que tentam libertar seu líder. Enquanto a Tropa dos Lanternas Verdes enfrenta a Tropa Sinestro, ambos são atacados por agressores desconhecidos que usam anéis vermelhos. Os Lanternas Vermelhos, desejado a morte de Sinestro trazem-no de volta para Ysmault, onde Atrocitus o crucificou com a intenção de adicionar o seu sangue ao Lago de Sangue, principal fonte de energia para os Lanternas Vermelhos.

8 – A tropa dos Lanternas Vermelhos apareceu na séria animada do Lanterna Verde que estreou em 2011. Para deixar a série mais leve, focando no publico infantil, a produção decidiu alterar o juramento dos Lanternas Vermelhos, deixando-o um pouco mas amigável. Em tradução literal fica assim: “Com sangue e ira do vermelho ardente; Enchemos as almas dos homens com o mais escuro pavor; E transformamos suas mentes em dor e ódio; Queimaremos a todos– Eis o destino final!”

9 – Nos eventos mais recentes, Guy Gardner conseguiu derrotar com sucesso o Atrocitus em um teste de fúria. Ele foi capaz de tirar o anel do poder vermelho e invocá-lo, enquanto Atrocitus estava tentando pegá-lo. Ele, então, entregou a liderança da Tropa para Bleez, Raknorr e Supergirl para que eles orientem a próxima geração de Lanternas Vermelhos.

10 – Rankorr foi o primeiro e único Lanterna Vermelho da Terra.

Postado originalmente no site DC Brasil Club

Advertisement
Comments

HQs

8 pi – Nova HQ com deuses indígenas desbanca heróis convencionais

Avatar

Published

on

O último lançamento do autor Danyael Lopes de 2019 foi o quadrinho (Oito pi) e nós do Cabana do Leitor iremos contar um pouquinho dessa HQ. Lógico, sem spoilers.

8 pi conta a história a história de Magé, uma estudante indígena da Escola Avançada para Jovens Prodígios, que recebe a inesperada noticia da morte de seu avó. Porém, Magé descobre da pior forma que talvez não tenha acontecido apenas isso.

Nessa história, você verá a exploração e o massacre que os índios sofreram desde as construções de pontes até a criação da usina de Belo Monte e a volta dos deuses Tupi-guarani.

Esse quadrinho é um prato cheio para quem gosta de histórias de herói, mas devo avisá-lo que 8 pi ultrapassa a qualidade de enredos convencionais. É rico, violento e revoltante. Todos no bom sentido. A leitura é tão fluída que o gostinho de quero mais permanece no final. Histórias como essa fazem falta no mercado atual.

A arte é bem colorida e repleta de traços marcantes, o que funciona tanto em momentos mais sérios, como na cronologia.

A edição também conta com os esboços do Danyael e a história do Manpinguari, o pé grande dos Caiapós. No total, a HQ tem 64 páginas e possui capa dura.

Sobre o autor

Danyael Lopes nasceu em São Paulo e iniciou sua carreira em 1994 como ilustrador para peças publicitárias. Desde então, já atuou como designer, ilustrador e animador 2D e 3D. Sua carreira de quadrinista começou quando publicou suas primeiras histórias em quadrinhos na extinta editora Vidente, na década de 1990.

8pi foi um dos quadrinhos contemplados no Programa de Ação Cultural (ProAC), da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Em 2015, a ProAC também apoiou outro quadrinho de Danyael, o chamado Cidadão N, publicada pela editora Veneta.

Continue Reading

HQs

Disney pode proibir uso do símbolo do Justiceiro por forças policiais

Disney pode estar incomodada com o uso do símbolo por forças policiais.

Avatar

Published

on

By

O símbolo do anti-herói da Marvel, O Justiceiro, é usada por forças policiais no mundo inteiro e até mesmo no Brasil, mas por conta do assassinato de um cidadão negro por um policial branco nos Estados Unidos pode ser contornos diferentes ao uso do símbolo do personagem. 

O Justiceiro é talvez um dos heróis mais controversos da Marvel. Ele foi criado como um antagonista do Homem-Aranha para The Amazing Spider-Man # 129 ou O Espetacular Homem Aranha

O personagem é notável por usar força letal e, ao contrário de muitos de seus contemporâneos, carece de superpoderes, confiando em seu treinamento militar e habilidades com armas. Nos últimos meses, no entanto, policiais têm se apropriado do crânio do Justiceiro nos EUA o que já ocorre com frequência no Brasil.

Recentemente George Floyd foi morto enquanto estava sob custódia policial. Isso provocou protestos nos Estados Unidos, com policiais se comportando de uma maneira que muitos consideraram desnecessariamente brutal. 

Muitos policiais nesses protestos foram vistos vestindo o icônico crânio do Justiceiro em seus uniformes, levando os fãs a perguntar por que a Marvel e a Disney não estão fazendo nada sobre isso.

Enquanto conversava com o Gizmodo, a Marvel finalmente respondeu ao uso contínuo do crânio do Justiceiro. Infelizmente, o porta-voz da Marvel Comics não revelou muito, mas disse que a empresa estava “levando a sério” o uso não autorizado do crânio. Atualmente, não se sabe se isso evoluirá para uma ação legal.

Os protestos contra a força policial imposta a população negra tem provocado a ira de milhares de pessoas pelo mundo, com protestos registrados até no Brasil.

Continue Reading

HQs

Divulgado pela DC Comics as primeiras imagens de Núbia: Real One

Publicação estará à venda a partir de fevereiro de 2021.

Avatar

Published

on

Em fevereiro de 2021, a autora L.L. McKinney e a artista Robyn Smith colocarão um novo e contemporâneo toque na personagem Núbia — irmã gêmea da Mulher Maravilha — apresentando vozes autênticas para ela em Núbia: Real One (Núbia: Aquela Verdadeira, em tradução livre).

A Graphic Novel Núbia: Real One (Núbia: Aquela Verdadeira, em tradução livre) marcará como sendo o primeiro trabalho de McKinney, autora de vários trabalhos aclamados, incluindo a trilogia A Blade So Black (Uma Lâmina tão Preta, em tradução livre), com a DC Comics.

Defensora da igualdade e inclusão na publicação, ela disse “Fui convidada para lançar outra coisa, mas tomei a decisão ao escrever o próprio lançamento para adicionar em Núbia. Sou fã desde o nascimento, e a vi se mudar e aparecer em várias iterações, nenhuma delas me tocando da mesma forma que a original dela. Quero dizer, esta era a irmã gêmea da Mulher Maravilha, tão forte, tão rápida, se não mais forte e mais rápida. E ela era NEGRA! Então, eu a adicionei ao meu discurso para o outro projeto. Acho que algo sobre ela ficou com a equipe porque me enviaram um e-mail e essencialmente pediram um discurso sobre Núbia.”.

Continuando, McKinney relata: “Quando a caça da artista começou, eu sabia que queria outra mulher negra neste projeto. A DC estava a bordo desde o início e sugeriu Robyn, cuja arte eu imediatamente me apaixonei. Robyn deu vida a esta história e a esses personagens, e não seria tão poderosa sem ela. Todo mundo ama Núbia, todos queremos fazer o certo por ela, pelos leitores que têm procurado por ela da mesma forma que eu. Espero que os fãs se afastem dessa história sabendo disso antes de tudo.”.

Smith é uma cartunista jamaicana, que se encontra atualmente em Nova York, sendo mais conhecida por seu “mini quadrinho” The Saddest Angriest Black Girl in Town (A garota negra mais triste da cidade, em tradução livre) e por ilustrar o dia cômico de Jamila Rowser. A Graphic Novel Nubia: Real One também será seu primeiro projeto com a DC Comics.

“Como artista afro-caribenho, sempre me esforcei para centralizar a comunidade negra nos quadrinhos que faço então ser contratado para ilustrar Núbia foi um sonho“, disse Smith.

“Quando soube que L. L. McKinney era a escritora, fiquei ainda mais animada. Trabalhar juntos tem sido ótimo, especialmente porque nossos objetivos artísticos parecem ser os mesmos: tudo preto. Na Núbia, eu queria focar minhas ilustrações em criar algo leve e emocionalmente ressonante. A maior parte do meu trabalho é fortemente influenciada pelo Archie de Harry Lucey, então encontrar uma maneira de incorporar esse charme e sentimento alegre em uma história centrada em questões mais sérias era importante para mim. Espero que os fãs que lêem Núbia e sintam o mesmo tipo de emoção que senti ilustrando os personagens e suas lindas histórias trabalhadas.”

Sinopse

“Você pode ser um herói… se a sociedade não te vê como uma pessoa?”

Núbia sempre foi um pouco… diferente. Quando bebê, ela mostrou a força de uma amazona empurrando uma árvore para resgatar o gato do vizinho. Mas, apesar de suas habilidades similares, o mundo não tem problema em dizer a ela que ela não é a Mulher Maravilha. E mesmo que ela fosse eles não a iriam querer. Toda vez que ela vem para o resgate, ela se lembra de como as pessoas a vê: uma ameaça. As mães dela fazem o possível para mantê-la segura, mas Núbia não pode negar o fogo dentro de si, mesmo que ela seja um pouco estranha às vezes. Mesmo que signifique que as pessoas assumam o pior.

Quando a melhor amiga de Núbia, Quisha, for ameaçada por um garoto que acha que é dono da cidade, Núbia arriscará tudo – sua segurança, sua casa e sua paixão  – para se tornar a heroína que a sociedade diz que ela não é.

Com escrita de L. L. McKinney e artes de Robyn Smith, Núbia: Real One (Núbia: Verdadeira, em tradução livre) estará a venda em 2 de Fevereiro de 2021.

Continue Reading