Connect with us
Fernanda Fernandes

Published

on

Inevitavelmente 13 Reasons Why não é uma série para pessoas que sofrem de algum transtorno mental. O foco é propor um diálogo com as pessoas que desmerecem e desprezam estes transtornos e é justamente nisso que a proposta crua e dolorosa apresentada pela série da Netfflix se encaixa.

Recentemente o ciclo de 13 Reasons Why foi encerrado com a quarta temporada, que, embora confusa, ainda cumpre bem a sua proposta. Para compreender a história como um todo, é preciso resgatar seis personagens que possuem uma importância crucial: Hannah Baker (Katherine Langford), Tyler Down (Devin Druid), Bryce Walker (Justin Prentice), Montgomery de la Cruz (Timothy Granaderos), Clay Jensen (Dylan Minnette) e Justin Foley (Brandon Flynn). Existe um fator em comum entre todos estes personagens.

Começando por Hannah Baker, ela é a protagonista, ao lado de Clay, na primeira temporada. O que se torna mais intrigante sobre a personagem é como a história dela, exceto pela peculiaridade das fitas, é bastante comum. Podemos reparar que após uma série de abusos psicológicos, até mesmo sexuais, ela desmorona. E mesmo ao buscar ajuda, Hannah é silenciada pela obrigação de dizer quem foi a pessoa que fez aquilo com ela. Cedo ou tarde, seria necessário que ela dissesse, mas, isso não significa que ela precisava dizer naquele momento. Clay permeia todos os arcos dos personagens que falarei, e neste aqui, é no qual ele começa a ficar lentamente doente ao se culpar por não ter conseguido impedir a Hannah de cometer suicídio.

Já na segunda temporada, Tyler Down é o personagem que se torna o foco, mostrando uma reação diferente da apresentada pela personagem citada anteriormente. No caso, embora boa parte das situações vivenciadas por ele se assemelhem as situações da Hannah, ele pensa em vingança. Vale lembrar que Clay, já perturbado, é visto como uma das causas do personagem, justamente porque Jensen também queria vingar a Hannah e Tyler tinha feito algo ruim a ela. O personagem vivido por Devin Druid compra armas clandestinamente e ameaça abrir fogo no baile da escola, até que Clay o convence a não fazer isso.

Neste momento, chegamos ao personagem mais emblemático da série: Bryce Walker. Antes de comentar sobre ele, é essencial recordar-se de que Walker não é uma vítima de nenhum dos atos que cometeu, seja o estupro da Hannah, da Jessica Davis (Alisha Boe). Assim como, Montgomery de la Cruz, também não é vítima do que fez com o Tyler e sido um bully na Liberty High School. Eles são a representação do que pode haver de pior dentro de uma escola, mas algo em comum os une: o comportamento conservador e extremamente agressivo. Chegando ao nível em que Monty reprime e esconde a sua homossexualidade porque se sente em conflito com isso. No entanto, Bryce e Monty são a soma do que aprenderam em casa e do que o mundo prega como correto, a única coisa que os separa dos outros, fora os crimes que cometeram, é que eles acataram essa realidade como correta e saem impunes do que fizeram porque possuem suporte para isso.

Outro fator interessante do arco destes personagens é que eles desmistificam a ideia de que o estuprador é um desconhecido distante da vítima e não alguém que as pessoas gostam e veem todos os dias. Em cerca de 70% dos casos de estupro no Brasil, o agressor conhece a vítima, seja ele parente, namorado, amigo ou somente um conhecido, segundo uma pesquisa elaborada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 2018.


Por fim, o último arco é o de Clay Jensen e Justin sobrenome, já vivendo como irmãos desde a terceira temporada. Durante toda a última temporada, Clay já tem diversas crises de pânico (advindas de todas as suas experiências na escola) e tenta incansavelmente ajudar todos os seus amigos. Enquanto Justin se esforça para se manter sóbrio e melhorar. Definitivamente Justin não era o personagem que merecia morrer nesta temporada. Mas o contexto em que ele vive junto de Clay e todos os amigos o leva a voltar as drogas. A sensação é de que Clay se sente importunado por perder o posto de ‘bom filho’ para Justin perante os pais que não sabem muito bem como o ajudar.

Qual o denominador comum entre todas estas histórias? A vivência escolar tóxica. Um ambiente que se tornou um laboratório experimental em menor escala do que fizemos da sociedade como um todo. Contudo, os efeitos colaterais de um lugar que deveria abrigar o aprendizado e ser refúgio, mas se tornou um pesadelo são inúmeros e um mais assustador que o outro.

13 Reasons Why acaba se tornando uma série sobre o ambiente tóxico da escola, e não só o suicídio.

Esse sistema está matando jovens todos os dias e é preciso começar um diálogo frequente sobre isso.

Advertisement
Comments

cinema

Zack Snyder vs Hipocrisia

As mesmas pessoas que dizem pregar VIDAS NEGRAS IMPORTAM, parecem não se importar muito com a carreira de Ray Fisher, jovem, talentoso e negro.

Avatar

Published

on

By

Afinal, o que faz com que um grande numero de influenciadores, jornalistas e colunistas em diferentes lugares do mundo, fiquem tão chateados com o dinheiro de uma empresa privada sendo gasto de uma forma que por algum motivo eles não aprovam, a impressão que dá e que parece que 70 milhões de dólares esta saindo do bolso deles.

Esses milhões é o custo para que a sonhada pelos fãs e a não desejada por outros, Snyder Cut Liga da Justiça, seja finalizada, diretor original do longa, filme que está com o nome até o momento de Zack Snyder’s Justice League. Parece até que voltamos no tempo e estamos vendo a mídia criticar o cara por tudo e a todo o momento.

O editor do site Cinema Com Rapadura chegou a destacar que inicialmente o filme foi criticado (no seu teaser liberado pela HBO Max) pelos CGI estranho, e agora que estas coisas serão finalizadas (pois grande parte do orçamento seria para isso) as pessoas também reclamam.

Parece que existe uma galera que se incomoda até de lembrar que o Snyder existe. O mais problemático destas situações é que ser contra essa ideia torna as pessoas meio hipócritas. Um dos maiores prejudicados pela intervenção de Joss Whedon no filme foi o ator Ray Fisher (Cyborg).

Seu personagem que seria originalmente o coração do longa foi reduzido a um herói com problemas na armadura, perdeu seu arco, suas falas e sua possibilidade de crescer em Hollywood. Ray Fisher é negro, e durante os protestos contra a morte de pessoas negras promovidas pela policia nos EUA o ator chegou a agradecer no seu twitter a possibilidade de Zack o ter chamado para discutir aspectos do seu personagem com um dos roteiristas originais do filme. Joss Whedon, que substituiu Zack Snyder na direção do filme após o suicídio da sua filha, quase ou destruiu a carreira de Ray Fisher. As pessoas quando atacam Zack acham que a Liga da Justiça apenas tem haver com ele e com seu trabalho, quando outras barbaridades também foram cometidas contra outras pessoas.

As mesmas pessoas que dizem pregar VIDAS NEGRAS IMPORTAM, parecem não se importar muito com a carreira de Ray Fisher, jovem, talentoso e negro. Ora, será que importa muito gastar mais um pouco para ajudar fãs (que arrecadaram inclusive doações), salvar carreira de um ator negro, salvar trabalhos de outros atores em outras situações? Vale, ainda mais se varias pessoas que odeiam o Zack Snyder se lembrarem que o dinheiro não vai sair do bolso delas mas de uma empresa privada, e um plus, se elas lembrarem que o filme não foi feito para elas, a exemplo, eu não pedi o reboot Pretty Little Liars, não vi a série, mas com certeza deve ter tido gente que pediu e gostaria de ver, sendo assim, o que ganho comemorando uma noticia ruim ou não sobre ela? Nada.

Alias, vamos especificar, se eu for um influenciador e cresci ou vivo de criticar coisas que não gosto e um jovem de internet sem coisas pra fazer, talvez isso me traga uns seguidores.

Continue Reading

Colunistas

Pagina desrespeita legado de Chadwick Boseman criando noticia falsa

Pagina cria noticia falsa de que fãs da Marvel querem substituir Chadwick Boseman por Ryan Gosling como Pantera Negra.

Avatar

Published

on

By

Bom, algumas noticias embrulham o estomago, não porque existem mas pela falta de sensatez dos criadores de noticias falsas.

Não é a primeira vez que falamos da referida pagina aqui, o Cinematologia Nerd no dia 18 de abril de 2019 resolveu então publicar uma primeira impressão/critica sobre o filme Vingadores: Ultimato sem ter visto ainda o filme.

Na época entramos em contato com a Disney que negou qualquer cabine de imprensa realizada para qualquer veiculo naquele dia ou antes disso no Brasil e até mesmo no exterior, isso não impediu que a pagina que tem um numero elevado de seguidores, mantivesse as publicações e bloqueado todos os que questionaram a eles sobre isso.

Agora, um pouco mais de um ano depois, eles publicam uma postagem ao qual falam que fãs da Marvel nos EUA criaram uma petição pedindo que o ator Ryan Gosling substitua o ator, Chadwick Boseman, como Pantera Negra.

“Fãs” da Marvel nos EUA iniciam petição online no Twitter pedindo Ryan Gosling no papel de Pantera Negra e acabam gerando revolta na internet!

Posted by Cinematologia Nerd on Saturday, August 29, 2020

A pagina então cria duas demonizações com a postagem (até agora ele teve quase 9.5 mil compartilhamentos e quase 17.5 mil curtidas), uma dos fãs da Marvel que jamais criaram tal petição e outra do ator que já foi associado a uma brincadeira quanto a isso no Twitter no ano passado e que não tem qualquer relação com o contexto atual da morte de Chadwick Boseman.

https://twitter.com/DrTahha/status/1155744099577806848

Vi amigos no meu Facebook criticando indignados a suposta atitude dos fãs da Marvel, porém o único grupo que desrespeitou o legado de Chadwick Boseman foi a pagina que criou a noticia falsa. Uma busca rápida já mostra que não existe qualquer discussão ou pedido quanto a isso.

Na verdade os fãs da Marvel tem um respeito tão imenso por Chadwick Boseman que a discussão hoje entre eles é que não desejam que nenhum outro ator substitua T’challa no cinema.

Continue Reading

Colunistas

Chadwick Boseman | Obrigado por me tirar do ‘Umbral’

Foi somente em Pantera Negra que eu me descobri negro, somente neste filme (demorou anos, mas aconteceu).

Avatar

Published

on

By

Eu demorei a entender o que queria falar aqui neste espaço, pois o legado de Chadwick Boseman significa pra mim uma coisa além da capacidade de transmitir isso em palavras.

Pantera Negra, foi a primeira produção de grande orçamento do cinema a colocar no banco dos realizadores somente pessoas negras. Fui a cabine de imprensa no ano de seu lançamento, não esperava muita coisa, mas ao fim da sessão, eu e Karolen Pasos (jornalista do site CinePOP e fundadora do site LesB Out! ) estávamos com os olhos cheios de lagrimas.

Foi somente em Pantera Negra que eu me descobri negro, somente neste filme (demorou anos, mas aconteceu). Antes, eu tinha certas linhas de pensamento completamente destoantes da minha realidade social. Apesar de ser dono de um site com determinada relevância, ter diversos colaboradores maravilhosos, ter parcerias com diversas empresas, pouca gente sabe que eu moro em comunidade (morro) na zona norte do Rio de Janeiro. Já conversei com representantes de empresas por telefone e ao fundo os tiros eram ouvidos. E mesmo diante de uma realidade tão destoante destas empresas, e até mesmo da maioria dos meus colaborares, eu olhava o movimento negro como algo que não me representava.

Em resumo, eu era preconceituoso com minha própria origem. Eu quando mais novo comprava produtos químicos para cabelo (não era formol) para deixar o cabelo liso, pois cresci ouvindo da minha família que “cabelo liso que é cabelo bom”, que tinha que casar com mulheres brancas para “clarear a família”. Certa vez estava vendo a série 24 horas e ela tinha como um dos principais personagens um presidente negro, chamado David Palmer (isso antes das pessoas saberem que Obama existia) interpretado pelo grande ator Dennis Haysbert, e na tentativa de convencer meu pai a ver a série, ele então me disse “Um presidente preto, nunca vi isso”. Minha família e eu éramos vitimas do racismo estrutural, assim como hoje sou vitima do machismo (mulheres muito mais, sem comparação, mas homens também são vitimas pois isso afeta as suas relações interpessoais, ou seja, ninguém ganha), que cada dia eu luto para minar isso de dentro de mim.

Porém Chadwick Boseman veio com seu Pantera Negra, e me resgatou do vale da sombra da morte, do Umbral, como se ele fosse um anjo enviado pelo criador para me salvar. Chorar em Pantera Negra, foi como se ali começasse o meu ponto de partida. Antes, eu não tinha objetivos de melhorar, ou de tentar ser uma pessoa melhor para as meus amigos, antes eu era cego, hoje posso dizer que enxergo, porém como no mito da caverna, a luz muito forte pode deixar a visão um pouco embasada e tropeços são comuns mas não devem ser repetidos na mesma pedra.

Este artigo não foi para dizer que Chadwick Boseman é um ótimo ator, até porque isso é notório, mas sim para dizer que o Rei de Wakanda me salvou. Mas, o maior símbolo da minha virada como pessoa se foi, o meu Rei.

Porém, neste momento eu lembro de uma ordem. O Rei grita para seu povo e suas tropas, “YIBAMBE!” Que significa:

MANTENHA-SE FIRME!

Continue Reading

Parceiros Editorias