Connect with us

cinema

Review – A Garota Dinamarquesa “faz jus à mulher que a inspirou”

Edi

Published

on

LOJA DC 4

Trailer – A Garota Dinamarquesa

Posted by Cabana do Leitor on Domingo, 13 de dezembro de 2015

Einar Wegener (Eddie Redmayne) e sua esposa Gerda Gottlieb (Alicia Vikander) são exemplos de casal artístico na Dinamarca. Einar dedica uma quantidade significativa de tempo para apoiar os esforços de Gerda como uma pintora de retratos – para garantir que os talentos de sua esposa não sejam apagados ​​por sua fama crescente. Um marido apaixonado, o amor de Einar para Gerda é evidente para todos os seus amigos; ainda, que Einar esteja guardado um segredo – um segredo que irá mudar a relação do casal para sempre.

Quando Einar substitui um dos modelos do sexo feminino de Gerda (posando com um vestido e meias), o pintor de paisagens percebe que ele está mais confortável como uma mulher do que um homem. Marido e mulher abraçam a revelação, criando a persona de Lili Elbe, de modo que Einar pode viver abertamente como uma mulher. Estimulado pela transformação, Gerda se inspira para uma nova linha de retratos – superando o sucesso de Einar com pinturas de Lili. No entanto, quando Lili desassocia a sua personalidade de Einar, ela torna-se cada vez mais deprimida por sua forma masculina – forçando o casal em uma série de decisões difíceis e procedimentos médicos perigosos, de modo que Lili se sinta curada.

Eddie Redmayne como Einar Wegener

Eddie Redmayne como Einar Wegener

Com base no livro escrito por David Ebershoff, que narra a viagem de Lili Elbe, como uma transgênero, A Garota Dinamarquesa foi adaptada para o cinema pela escritora Lucinda Coxon e o diretor Tom Hooper (O Discurso do Rei). O livro escrito por Ebershoff foi premiado, mas mesmo quando o livro tentativa compartimentar a experiência de Elbe em uma narrativa simples, A Garota Dinamarquesa  ainda tratou com uma visão perspicaz e humana a identidade de gênero.

A Garota Dinamarquesa faz jus à mulher que a inspirou; ainda, a história de Elba é o aspecto mais interessante e bem sucedido da adaptação de Hooper. Coxon e o diretor tentam embalar a experiência de Elbe (filtrada pela lente da narração ficcional de Ebershoff) quanto possível, mas o assunto é sensível e profundamente pessoal fica minado por batidas docudrama narrativos comparativamente padrão e ficcional re-imaginação que distorcem regularmente os reais eventos para produzir uma visualização mais fácil. Compreensivelmente, foi necessário tanto para mapear a extensão da jornada de Elbe ao ícone transgênero e encaixar o conto em uma narrativa palatável, mas em seu esforço para destacar momentos-chave,  A Garota Dinamarquesa muitas vezes atrapalha sua figura titular.

Depois de uma vez premiado com o Oscar em A Teoria de Tudo, que deve vir como nenhuma surpresa que Eddie Redmayne esta encantador nos papéis de Einar Wegener e Lili Elbe. Hopper suporta seu ator com pequenos floreios que enfatizam a preocupação de Einar com sua forma feminina, maneirismos, e roupas, e enquanto o trabalho de Redmayne como Einar é sólido, o ator brilha mais brilhante em sua interpretação de Lili. Em mãos menos talentosos, sob a direção menos sincera, o retrato de Lili poderia ter sido uma jogada de marketing, mas não neste, imagino que foi um trabalho duro garantir que Lili não é apenas Redmayne na maquiagem e roupas femininas. Ela é uma personagem totalmente formada, distinta de Einar – um prisioneiro em um corpo estranho que, acima de tudo, anseia para se sentir confortável em sua própria pele. É um desempenho convincente – um que é feito tudo o mais impactante quando combinado com tomada de Alicia Vikander como Gerda Gottlieb.

Alicia Vikander como Gerda Gottlieb

Alicia Vikander como Gerda Gottlieb

Arco de Gerda  produz muitas das cenas mais profundas do filme, mas também é responsável por várias das maiores oportunidades perdidas. Uma parte significativa do filme  segue os esforços de Gerda para satisfazer suas próprias ambições e necessidades e ainda dar suporte a Lili em sua transformação.

Em particular, a inclusão de um amigo de infância de Einar, Hans Axgil (Matthias Schoenaerts) é um exemplo de luta de Hooper para equilibrar o que é interessante sobre Lili e Gerda com o que é necessário para  o filme. A dinâmica entre Hans, Gerda, e Lili é intrigante, mas o personagem se torna menos impactante quanto mais Hooper compromete-se a sua inclusão – e leva os holofotes para longe de Lili e Gerda.

Qualquer filme, é desafiado a encontrar o justo equilíbrio entre cobrir bases importantes e remoção de fachada para a interpretação fresca. Apesar do grande drama do personagem, A Garota Dinamarquesa salta de um ponto de virada para o próximo em uma tentativa de cobrir dez anos ou mais no valor da história em uma única narrativa. É uma mistura ambiciosa, e Hooper consegue mais vezes do que ele está aquém, proporcionando muita introspecção pensativa ao longo do caminho, mas A Garota Dinamarquesa ainda é desajeitada na sua execução – atolada por melodrama isto é, na superfície, interessante, mas não faz realmente evoluir para pagamento relativamente significativo.

Eddie Redmayne como Lili Elbe

Eddie Redmayne como Lili Elbe

Hooper oferece um vislumbre marcante para a vida de Einar Wegener, Gerda Gottlieb, e Lili Elbe – embora um vislumbre de que é limitado por artifícios do drama relativamente padrão (muitas vezes substituindo fato para ficção dramatizada). Ambos, Redmayne e Vikander entregar representações convincentes e respeitosas dos seus homólogos da vida real – com uma exploração especialmente penhorada da complicada relação do par que, embora pouco ortodoxo, é um exemplo encorajador do amor em face da incerteza.

Hooper mesmo vacilando em alguns pontos, o cineasta é mais uma vez bem-sucedido onde mais importa: imbuindo figuras históricas larger-than-life com a humanidade e uma estrutura através da qual o cineasta possa comentar sobre as questões sociais dos dias modernos.

A Garota Dinamarquesa estreia no cinema em  16 de Fevereiro de 2016.

Este artigo e crítica foi escrito com a ajuda da jornalista norueguesa Ada Olsdatter Hagaseth

Edi on FacebookEdi on InstagramEdi on Twitter
Edi
Produtor, escritor nas horas vagas, administrador, editor e fundador do site CDL.
Comments