Connect with us

cinema

A Guerra dos Sexos “Pouca inovação pelo menos é mantida no ponto com grande elenco”

Avatar

Published

on

Tênis é um dos esportes em que as modalidades masculina e feminina mais caminham juntas, no espaço do entretenimento, pois ambos estão sempre cheios de grandes atletas para atrair o público. Por isso, a discrepância de premiação no circuito entre homens e mulheres sempre trouxe à tona a discussão de igualdade de gêneros. O filme “A Guerra dos Sexos” (que não é chamado no Brasil de Batalha dos Sexos sabe-se lá o motivo) retrata bem um dos maiores episódios que o esporte proporcionou para esta luta.

Billie Jean King (Emma Stone, oscarizada por “La La Land”) é o grande destaque do tênis feminino no ano de 1973, quando se recusa a participar do próximo US Open, caso as premiações do torneio não aumentem para as mulheres. BJ acaba se unindo a outras tenistas e criando seu próprio torneio. Vivendo um casamento feliz, a tenista começa a ter um envolvimento amoroso com a cabelereira Marilyn. Apesar de adicionar pouco à trama principal, o romance traz os problemas que figuras públicas tinham (e ainda tem bastante) para sair do armário, por medo da reação do público e de seus patrocinadores.

https://www.youtube.com/watch?v=0nUw-XFGga8

Paralelo a isto, temos Bobby Riggs (Steve Carell, de “A Grande Aposta”), um tenista aposentado e viciado em jogatina que vê seu casamento desmoronando. Ao perceber a atitude tomada por Billie Jean, começa a vislumbrar não apenas uma forma de pagar suas dívidas, mas também um retorno ao estrelato, que passaria por um jogo que seria o grande definidor da igualdade ou não dos gêneros para o grande público, a Batalha dos Sexos.

A princípio relutante com a ideia, BJ eventualmente aceita o desafio. Especialmente depois que sua grande rival nas quadras, Margaret Court, segue adiante com a ideia de Bobby e acaba perdendo, o que só prejudica a forma como as pessoas enxergam as mulheres no esporte. O mundo do esporte se prepara para o embate, que rapidamente ganha grande repercussão televisiva. O que estimula o ex-tenista a assumir um personagem abertamente chauvinista para vender ainda mais o desafio.

Com belos figurinos e fotografia em tons sépia, o filme rapidamente nos ambienta na América dos anos 70. Os protagonistas entregam as atuações que o público espera, à altura de seus enormes talentos. Dentre os coadjuvantes, destaca-se Sarah Silverman, como a manager/agente, de língua sempre afiada, das tenistas dissidentes. Bill Pullman faz um Jack Kramer sem muito brilho, que ganha força por suas palavras, sempre depreciativas para as mulheres, que sempre afetam a protagonista, sempre disposta a mostrar a ele e sua confraria de amigos ricos e machistas que estão errados.

Desde Wimbledon – O Jogo do Amor, que os fãs de tênis e da sétima arte temem sobre como a prática do esporte será retratada na tela. A escolha por cortes abertos ponto a ponto, apesar de bonita e passar verossimilhança, tira um pouco da emoção que se esperava do grande evento. Porém o seu final é inspirador.

A Guerra dos Sexos esta em exibição nos cinemas.

Estudante de jornalismo, cinéfilo, seriemaníaco, louco por animes e aficionado por quadrinhos. Um nerd raiz, um nerd de várzea.

Advertisement
Comments

cinema

Warner, Marvel, Globo e outras empresas se posicionam contra o racismo

Gigantes do entretenimento deixaram suas mensagens de apoio ao movimento #VidasNegrasImportam

Avatar

Published

on

By

Os Estados Unidos (e algumas partes do mundo) estão enfrentando a maior crise da sua história, tudo porque de uma vez a economia, a saúde e a parte social estão literalmente entrando em colapso.

A parte econômica e de saúde se deve por conta da pandemia instaurada pelo coronavirus e seus efeitos nestes dois setores, somando-se à parte social que já andava fragilizada, agora ganha contornos raciais após a divulgação de um vídeo na última segunda-feira (25) que mostra um homem negro, o  ex-segurança George Floyd, sendo imobilizado por um policial branco com os joelhos em seu pescoço.

Tendo em vista este cenário, varias empresas e instituições estão se posicionando contra o racismo, entre elas gigantes do entretenimento como a Netflix, Marvel, Amazon Prime, Warner, Globoplay e outras. Confira: 

“Nós nos posicionamos contra o racismo. Nós nos posicionamos à favor da inclusão. Nós nos posicionamos ao lado de nossos funcionários, contadores de histórias, criadores negros e à comunidade negra como um todo. Nós precisamos nos unir e nos pronunciar”

https://www.instagram.com/p/CA3iFJMDBxX/?igshid=15zq3x6byw6nm https://twitter.com/globoplay/status/1267200741430738950?s=21 https://www.instagram.com/p/CA3cdpBgCoi/?igshid=1nuiufv671b1w

“‘Alguém tem que se levantar quando os outros estão sentados. Alguém tem que falar quando os outros estão quietos.’ – Bryan Stevenson.
Estamos ao lado dos nossos colegas, talentos, contadores de histórias e fãs negros – todos afetados pela violência sem sentido. A voz de vocês  importa, a sua mensagem importa. Vidas negras importam.”

View this post on Instagram

#BlackLivesMatter

A post shared by HBO (@hbo) on

“‘Nem o amor, nem o terror cegam: a indiferença é o que cega.’ – James Baldwin.
Nós estamos com os nossos colegas, funcionários, fãs, atores e contadores de histórias negros – e todos afetados por essa violência sem sentido. Vidas negras importam.”

“Estamos com nossos funcionários, colegas, parceiros e criadores negros, indignados com os atos de racismo. Vidas negras importam.”

“Vidas negras importam. Cultura negra importa. Comunidades negras importam. Nós nos posicionamos em solidariedade a nossos colegas, criadores, parceiros e públicos negros e condenamos atos de racismo, discriminação e atos de violência sem sentido”

Os protestos contra o racismo nos Estados Unidos continuaram com manifestantes no último domingo (31) tentando invadir a Casa Branca, sede do governo americano. 

Continue Reading

cinema

Retorno de Henry Cavill como Superman é somente rumor

Apesar do interesse do estúdio no ator, não há negociações no momento.

Avatar

Published

on

A notícia que estava sendo celebrado pelos fãs durante a semana pode ter sido um mero “rumor”: de acordo com informações apuradas pelo The Hollywood Reporter, não há no momento nenhuma negociação entre Warner e Henry Cavill para que o ator reprise o papel de Superman nos cinemas.

Entretanto, o site informa de que os executivos do estúdios tem sim um interesse pelo retorno de Cavill, apesar de sua situação ser, nas palavras da publicação, “complicada”. Independentemente de que o rumor apontava que o novo acordo poderia fazer com que o personagem aparecesse em algum outro filme – como nas sequências de Shazam!, Aquaman ou Esquadrão Suicida, por exemplo – nenhum destes roteiros conta com o kryptoniano atualmente.

A situação é similar ao que ocorreu no ano passado, quando Cavill estava concretamente em negociações para fazer uma participação especial em Shazam!, o que acabou não ocorrendo graças à complicações nos ajustes do acordo. Assim, a cena em questão foi filmada apenas com o torso do Homem de Aço.

De qualquer maneira, vale ressaltar que o ator revelou o desejo de encerrar a trilogia iniciada com Batman vs Superman, inclusive expressando isso durante a live em que Zack Snyder anunciou seu corte de Liga da Justiça. Então aguardemos novas informações sobre o assunto em breve.

Liga da Justiça: Snyder Cut estreia em 2021 na HBO Max.

Continue Reading

cinema

Live-action de Borderlands terá Cate Blanchett como Lilith

Atriz de Thor Ragnarok se une com diretor de O Mistério do Relógio na Parede.

Avatar

Published

on

Agora é oficial: Cate Blanchett, de Thor Ragnarok, foi confirmada como a siren Lilith na adaptação cinematográfica do game Borderlands. A produção irá reunir mais uma a atriz com o diretor Eli Roth, que trabalharam juntos em O Mistério do Relógio na Parede.

Empolgado, Roth falou com o site Variety sobre a adição de Blanchett à produção:

“Acredito que não há nada que ela não possa fazer: do drama à comédia e agora ação, Cate faz cada cena cantar. Trabalhar com ela é um sonho de diretor virando realidade. Sei que, juntos, vamos criar outra personagem icônica para a carreira bem-sucedida dela.”

Na história, a personagem Lilith é uma das poucas mulheres da galáxia pertencentes a uma classe de “sereias” com poderes especiais, como a manipulação do tempo-espaço. No primeiro jogo, lançado em 2009, ela era uma das quatro personagens jogáveis. Entretanto, nos outros títulos da saga, a personagem voltou a aparecer, mas como não-jogável.

Com direção de Roth, a adaptação contará com roteiro de Craig Mazin, criador da minissérie Chernobyl e com produção de Avi Arad, responsável pelos primeiros filmes do Homem-Aranha.

Borderlands não tem data de lançamento previsto.

Continue Reading

Parceiros Editorias