Connect with us

Colunistas

A presença da mitologia nos games

Edi

Published

on

Dentre tantas linhas de videogame disponíveis, há um fato em comum entre elas que é evidente. Todos os jogos contam uma história, um enredo geralmente criativo. Jogos como os do encanador Mário e seu irmão, Luigi, narram o resgate de uma princesa sequestrada de seu reino. Já Space Invaders, um dos primeiros jogos inventados, fala de uma batalha espacial. 


Foto: Unsplash

É notório que os jogos que se inspiram em histórias mitológicas rapidamente ganham o coração dos gamers. Com jornadas bem elaboradas, os personagens e as missões são complexos e agregam mais emoção ao alcance do objetivo. Não é para menos, pois a mitologia é repleta de símbolos, deuses, heróis e aventuras que povoam o imaginário coletivo e que são um prato cheio para a criação de uma nova história em um universo único. 

Inspirado na mitologia grega, a saga God of War (PlayStation2, 3, 4, PSP e PSVita) é um dos mais famosos enredos de games de mitologia da atualidade. A trilogia já conta com mais de uma década e rendeu dois spin-offs para PSP. A franquia da Sony conta a história de uma jornada de altos e baixos, cheia de cenas de ação, enquanto Kratos, personagem da saga, busca se vingar dos deuses que arruinaram sua vida. 


 por crpgbook (Public Domain)

Jogos com temática mitológica são adaptáveis a diversos contextos. Ainda que a maior parte assuma características de RPG (role playing game, quando o jogador interage como um personagem do jogo), há outros formatos em que esse universo é aproveitado. Em Age of the Gods, por exemplo, é possível protagonizar uma experiência digna do Monte Olimpo, onde habitam os grandes deuses da mitologia, por meio de jogos característicos de outro ambiente de entretenimento. A saga deste jogo para cassino online conta com versões de caça-níqueis com vários focos diferentes, além do clássico, que leva o mesmo nome do jogo. 

Como se pode ver, forças divinas são elementos muito bem explorados em games de diversos gêneros, dada a sua adaptabilidade a diferentes contextos. De acordo com o IGN Brasil, elas servem de força-motriz não somente para a narrativa do jogo, mas também para delimitar sua jogabilidade. 

Embora alguns jogos de mitologia grega flertem com a mitologia nórdica, como é o caso de God of War, é possível encontrar uma série de games mais voltados para a história dos vikings e seu universo cheio de perigos. O site Legião dos Heróis listou alguns dos jogos disponíveis lançados com base nas histórias mitológicas nórdicas, mas que não descartam suas companheiras. Um deles é o Age of Mythology, um clássico que pode ser encontrado nas versões para Windowns ou Mac OS Classic. Neste jogo, a estratégia é fundamental para conhecer não só a mitologia nórdica, mas também a grega e a egípcia. Já em Viking: Battle for Asgard, encontramos uma guerra entre os deuses nórdicos. O objetivo é enfrentar o inimigo para reestabelecer a paz. O jogo roda no Xbox 360, PlayStation 3 e Windows. 

A mitologia nos games é tão valorizada que chegou a ser objeto de estudo acadêmico. Com o lançamento do livro Videogames e mitologia: a poética do imaginário e dos mitos gregos nos jogos eletrônicos, baseado na dissertação de mestrado de Flávia Gasi em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, ficará ainda mais saboroso aprender a respeito da conexão entre os games e o universo mitológico. 

O livro de Flávia é pioneiro, já que são poucas as literaturas publicadas neste sentido. De acordo com ela, a mitologia e o imaginário tomam vida nos games em referências mais claras ou mais sutis. Membro da equipe do site Garotas Geek, Flávia defende o fato de que a mitologia e os games sempre estiveram relacionados e que é o momento de consolidar o videogame como produto cultural, afinal, essa ferramenta é um dos deuses da tecnologia e suas forças estão em ação sobre muitos de nós, amantes dos jogos.

Comments

cinema

Warner, confie na DC como a Disney confia na Marvel

A Warner Bros. poderia comemorar muito mais a bilheteria do Coringa (atualmente de US $ 934M) se confiasse mais nos seus próprios diretores e personagens.

Edi

Published

on

By

Estamos vendo um fato incrível, Coringa deve ser um filme muito mais lucrativo do que Ultimato em toda a sua glória de mais de US 2B de dólares em bilheteria.

Um enorme feito desse deveria ser muito comemorado pela principal empresa envolvida na produção do filme, afinal, o personagem pertence a DC Comics, cuja a dona titular é a Warner Bros. mas tem um detalhe. A Warner Bros. poderia comemorar muito mais a bilheteria do Coringa (atualmente de US $ 934M) se confiasse nos seus próprios diretores e personagens.

Como bem colocado por Felipe Fasanella do canal Triplo F, a Warner Bros. não vai arrecadar este dinheiro sozinha, como a Disney com seus filmes da Marvel e a Fox com seu Deadpool. Como não acreditava muito na bilheteria do filme a Warner decidiu dividir o pequeno investimento do Coringa.

O filme custou US 60 milhões, e foi divido com duas outras produtoras que deram 50% do valor, o que significa que na bilheteria a Warner deve somente ficar com 50% do que foi arrecadado

Claro que a Warner vai explorar outras formas de ganhar dinheiro com o filme cuja estas produtoras não vão poder participar, porém essa informação nos mostra o quanto a Warner ainda não confia tanto assim na DC Comics como uma das fontes da sua renda. Mesmo com o enorme sucesso que foi Mulher-Maravilha.

Outra coisa também são os constantes intromissões do estúdio na era do ex CEO Kevin Tsujihara, que chegou a dizer que “determinou” que o filme Liga da Justiça tivesse apenas 2 horas de duração, que Batman vs Superman fosse cortado em 30 minutos, que Esquadrão Suicida depois de pronto fosse totalmente refilmado. Decisões que desmantelaram todo o Universo DC nos cinemas. Hoje vemos uma série de retalhos, tudo porque os executivos deram voz aos críticos e não aos fãs da DC.

A intromissão do estúdio foi tanta que fez James Wan, diretor das franquias Invocação do Mal, chegou a dizer que só faria Aquaman se o filme fosse totalmente dele. O que mais espanta é que os filmes como Mulher-Maravilha, Aquaman e Coringa são filmes com 0 intromissão do estúdio e foram justamente as 3 maiores bilheterias do Universo DC nos cinemas.

Basta a Warner confiar nos seus artistas contratados e produtores que os filmes vão sair, o sucesso vai vir e no final poderá arrecadar com a vida total da bilheteria de filmes como Coringa, sem precisar dividir isso com mais ninguém.

Continue Reading

cinema

Nós – Um ótimo filme para se conferir no Halloween

Nós” é um ótimo filme para o Halloween e ainda passar os próximos dias pensando sobre a obra. Um suspense com diversos conceitos interessantes e reflexivos

Ígor Howtelaire

Published

on

ESSE ARTIGO CONTEM SPOILER. LEIA POR SUA CONTA E RISCO 😉

“Portanto assim diz o Senhor: Eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar; e clamarão a mim, mas eu não os ouvirei.” – Jeremias 11:11, essa é a passagem bíblica presente no longa do diretor Jordan Peele, Nós, um filme que se trata da vingança contra a
humanidade; um mal cuja as pessoas jamais conseguirão fugir, e quando implorarem por misericórdia, essas trevas vingativas não os atenderam.

“Nós” tem Lupita Nyong’o como Adelaide e Red protagonizando uma estoria que fala sobre como ela e seu marido, Gabe (Winston Duke) levaram seus filhos, Zora (Shahadi Wright Joseph) e Jason (Evan Alex), para passar o fim de semana na praia e descansar. Eles
começam a aproveitar o ensolarado local, mas a chegada de um grupo misterioso muda tudo e a família se torna refém de seres com aparências iguais às suas.

Assim como “Corra!”, que é a anterior obra do cineasta Jordan Peele, “Nós” também está recheado de simbolismo e uma dura crítica social. Mas vamos pelo começo…

Na minha percepção, “Nós” tem dois inícios. O primeiro é quando vemos a jovem Adelaide assistindo a um comercial na TV (que será de extrema importância no final do filme); e depois, no momento em que ela e seus pais estão no parque, mas a Adelaide se distancia
deles e termina encontrando sua cópia na casa de espelhos. O segundo é com os créditos iniciais e um close no olho de um coelho, à medida que a câmera se distancia, vários coelhos enjaulados são revelados – nesse momento já temos o nosso primeiro simbolismo.

Os coelhos, na cultura popular, representam o recomeço, ressureição, redenção; isso porque eles têm uma famosa capacidade de reprodução. No filme os coelhos retratam as sombras, as cópias dos verdadeiros – sendo assim na primeira cena, de todos aqueles coelhos que vemos, apenas três são negros. Eu acredito que os coelhos brancos representam as duplicatas e os negros, os originais. Por isso existe apenas três animais escuros no plano, porque apesar da família protagonista ser formada por quatro membros, só o pai, o filho e a filha são os originais.

Como eu disse, este é um longa cheio de signos e interpretações, então vamos destrincha-los em tópicos.

Vermelho
“O que vocês são?”
“Somos Americanos” – essa é a resposta de Red para pergunta feita por Gabe. Os EUA é uma figura relembrada durante todo o filme, e não só nas cores de vários objetos e cenários, mas também nas roupas dos doppelgangers (duplicatas), nesse caso, é especificamente o vermelho, que não só denota a violência e a cor do sangue, mas também uma das três cores da América.

O trecho seguinte foi retirado de um dos sites que foram minha fonte de pesquisa, o site “plano aberto”. O que é levantado é muito interessante para o debate sobre a obra, então achei bom trazer para vocês.

O nome original do filme (“Us”) é um acrônimo de United States. O próprio Jordan Peele brincou com o tema em seu Twitter. Isso permite interpretar o filme como uma metáfora sobre os Estados Unidos e sua histórica luta de classes, com um grupo “superior” e outro “inferior”.

Quando os pais de Adelaide a levam à psicóloga, perguntam como fazer a filha voltar a falar. A profissional responde que eles devem estimular a filha a desenhar, dançar, “qualquer coisa que nos ajude a saber a história dela” (“anything that help us to know her story”). Admitindo que “us” é “U.S.”, Peele diz nas entrelinhas que a arte para uma criança negra, independente da forma, é uma ferramenta identitária. “Qualquer coisa que ajude os Estados Unidos a saber
a história dela”.

Embaixo de Nós

Uma das primeiras informações levantadas no filme é sobre onde os doppelgangers vivem. Os tuneis embaixo de nós, além disso ser uma clara referência histórica porque faz alusão a corrida do ouro que aconteceu no século XIX, quando as pessoas cavavam túneis em busca de ouro; também é um signo para a famosa frase “uma luz no fim do túnel”, que nesse caso é a luz (esperança) para libertação e para um novo mundo.

A Arma

A arma usada pelas sombras é uma tesoura, o símbolo aqui é exatamente que uma tesoura é como duas facas ligadas, duas partes de um todo, assim como nós e nossas sombras, mas ao se juntarem, cortam. Isso pode ser visto como uma batalha sangrenta entre as duas metades, ou como “cortar a povo da superfície para que os do subterrâneo dominem”. Muitas interpretações para um simples objeto, mas essa é a graça de uma boa obra cinematográfica.

Plot Twist

A reviravolta do longa surpreende a todos. Durante vários seguimentos vemos a Adelaide atingir um lado mais selvagem e agressivo, como se estivesse se tornando uma das sombras, mas então descobrimos que ela sempre foi a duplicata, porém não se lembrava, isso porque ela era muito pequena e conforme fosse crescendo e aprendendo novas coisas, como falar e se comportar como alguém da sociedade, ela esquecia sua verdadeira origem e ficou apenas com uma vaga lembrança de ter visto ela mesma na casa de espelhos, de resto seu cérebro construiu uma nova memória para que assim se tornasse mais fácil a adaptação.

Tanto a Adelaide quanto a Red se esqueceram de quem realmente eram. Dessa vez o significado nas entrelinhas é tão obvio que se torna um parágrafo inteiro. As duas partes de um todo sofreram um tipo de lavagem cerebral da sociedade, aprendendo novos costumes, se adaptando a um novo estilo de vida, e deixando de ser quem realmente era para se tornar o que a sociedade espera que ela fosse, pondo uma máscara em seu rosto e a colocando em uma peça de teatro, onde ela finge ser quem não é até se acostumar com a ideia e adotar essa nova identidade.

“Nós” é um ótimo filme para o Halloween e ainda passar os próximos dias pensando sobre a obra. Um suspense com diversos conceitos interessantes e reflexivos, apesar de ter seus problemas, como um humor fora de hora, ainda é um filmaço para se assistir e pensar sobre
como “nós somos os nossos maiores inimigos”.

Continue Reading

Colunistas

Fallout 1st é o novo sistema de assinatura para Falllout 76.

Fallout 1st é o mais novo serviço de assinatura para o “grandioso” Fallout 76.

Lucas Soares

Published

on

Fallout 76 vem sendo tópico de discussão na comunidade gamer desde o seu lançamento no ano passado, no entanto, não por bons motivos.

Bugs, promessas quebradas (talvez algumas mentiras mesmo) e a falta de história, não bastaram para a Bethesda e eles sentiram que o jogo precisava de um serviço de assinatura.

Chamado de Fallout 1st o serviço traz algumas coisas que os fãs tanto pediram a este “maravilhoso” jogo por um preço é claro.

Mundos privados para você e seus amigos, para até 7 players.

Uma Scrapbox com espaço ilimitado de materiais de crafting.

Uma tenda de sobrevivencia que age como ponto de Viagem-Rápida

1650 Atoms para voce gastar na loja do jogo

Um visual exclusivo de Ranger.

Ícones e emotes únicos

A polêmica parece não ter fim, depois do lançamento desastroso de um jogo que claramente não estava pronto, o que nos resta é a tentativa de lucrar ao máximo.

Enfim chegamos no mais baixo que poderia chegar e a Bethesda sabe disso, mas como Anthem a fanbase enorme e devota ainda dará uns trocados a companhia.

A princípio as coisas que a comunidade talvez esteja pedindo (visto que quem escreve essa matéria custa a acreditar que o jogo não está morto) estão chegando, no entanto com uma restrição monetária a mais além do preço cobrado.

Fallout 76 é aquele jogo que talvez seja melhor só esquecer que existe e se você é fâ, ótimo boa sorte e ótimas jogatinas.

Mas eu como jogador não consigo aceitar que uma empresa lance jogos no estado que ele estava e depois monetize conteúdo que os jogadores ainda pedem.

Fallout 76 para mim, é um exemplo de como não se lançar um jogo de Live Service, esperemos que a liçao tenha sido aprendida.

Á principio vocês ainda têm minha confiança, mas ela não é eterna e já está bem no fim.

Em síntese, os jogadores já não confiam como confiavam, cuidado não brinquem conosco.

No entanto tem um trailer legal que não representa o produto final.

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido