Connect with us

cinema

Alfa “O filme mais lindo do ano”

Edi

Published

on

Alfa do diretor Albert Hughes (O Livro de Eli) traz aos cinemas uma historia sobre um menino que esta aprendendo a ser um homem e um líder e descobre sua força e sua coragem através de uma amizade com um lobo.

O filme tinha tudo para ser mais uma releitura do Mogli, mas aqui o roteiro assinado pelo diretor e pelo seu irmão Allen Hughes, decidem contar uma historia diferente, o filme foca na amizade, no poder da perseverança e coragem (achou clichê?) mas se eu falar que o filme se envereda pela historia de como os cães foram domesticados? A historia que nunca foi contada no cinema antes, tem caminhos que podem parecer um pouco convenientes a historia, mas belíssimos demais para serem descarados.

O trabalho da fotografia é impecável, as imagens brilhantes e nítidas, mesmo a noite, o trabalho das sombras em contrates com a luz do lua deixam tudo mais belo. A historia se passa a 20 mil anos atrás, então ver rios, selvas e animais mesmo que selvagens e aterrorizantes se torna um deleite e um contato superficial com a natureza, alias, são poucos os lugares no mundo que podemos ter hoje em dia um contato real com a natureza que ainda resiste no mundo. Esse é outro ponto do filme, o trabalho de CGI esta tão bonito que fica complicado definir o que é Tela Verde e o que é locação.

alfa-Cópia.jpg

O roteiro que é simples, não se esforça para ser algo além do que é apresentado, talvez seja preguiça do roteiro, mas ao meu ver fez ate sentido, a 20 mil anos atras as desventuras que você poderia enfrentar são limitadas, pois o que além de animais selvagens e a força da natureza querendo e matar você poderia enfrentar? Com o roteiro sendo simples fica super fácil não ter furos, e o que acontece aqui.

A atuação de Kodi Smit-McPhee como Keda (X-Men: Apocalipse), filho o líder da tribo é limitada, mas porque o roteiro quis passar uma coisa que para os mais desatentos pode passar batido, a milhares de anos atrás não se poderia ter muitas figuras de linguagens, para isso o personagem usa palavras mais diretas para dizer o que ele quer, como:

“Vai embora…” “Eu vou pra casa…”

Isso é legal pois mostra o cuidado dos roteiristas em mostrar essa limitação. A relação dele com o lobo Alfa é são extremamentes bonitas e cativantes o que podem fazer os mais emocionados… bom você sabe.

Seu pai conhecido como Tau e líder da tribo, interpretado pelo ator (Jóhannes Haukur Jóhannesson) é secundário, mas não deixa de ser bela a sua passagem no filme. A direção do filme se mescla com uma boa edição de imagens, de passagem de tempo e esplendorosos momentos que só a natureza podem nos dar e porque não a magia do cinema?

Alfa estreia dia 6 de setembro nos cinemas.

Comments

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido