Connect with us
julie and the phantoms finale julie and the phantoms finale

Críticas de Séries de Tv

Análise | Julie and the Phantoms “Remake surpreende e emociona”

Uma série para a toda família, é capaz de alegrar, emocionar e servir de conforto.

Publicado

em

Se você está na casa dos vinte anos agora, provavelmente conheceu a série brasileira Julie e os Fantasmas, que estreou na Band e na Nickelodeon em 2011. A série sobre a garota que se depara com três fantasmas e com eles inicia uma banda acabou de ganhar um remake americano feito pela Netflix. A nova versão Julie and the Phantoms traz uma abordagem energética e tocante, mantendo sempre a essência da original, sendo capaz de cativar os fãs da época e atrair um novo público fiel.

A história começa quando Julie (Madison Reyes), uma menina de 15 anos que tem uma paixão pela música, mas que não consegue se expressar através dela por causa da perda da mãe, encontra um CD antigo na garagem de sua casa e traz de volta três fantasmas vindos de 1995, que tem assuntos inacabados para resolver. Juntos, eles formam uma banda enquanto navegam pelo processo de se descobrirem e resolverem os conflitos que aparecem pela frente.

Todos os personagens são capazes de roubar a cena e tem um propósito na série, com nenhum estando ali à toa ou sendo deixado de lado. Embora nem todos tenham suas histórias aprofundadas, eles têm sua importância para mover o show. Madison brilha como Julie, sendo capaz de emocionar desde sua primeira cena cantando Wake Up, deixando o espectador sem palavras para seu talento natural. Julie Molina é uma garota de descendência latina (assim como Madison, que é porto-riquenha), muito doce, uma amiga de verdade e preocupada com a família, mas que luta para superar a falta que sua mãe lhe faz.

netflixbrasil on Twitter: "Passando aqui pra avisar que Julie and the  Phantoms, minha nova série baseada em uma história original brasileira de  2011, tem muita música boa, um elenco perfeito e uma

Os três fantasmas da banda, Luke (Charles Gillespie), Alex (Owen Joyner) e Reggie (Jeremy Shada) são um espetáculo à parte. São divertidos, carismáticos e músicos habilidosos. Luke é o vocalista da falecida Sunset Curve, sua paixão pela música é genuína e seu coração é enorme. Assim que ouve Julie cantando, ele sente uma conexão com a menina e sabe que ela é o adicional perfeito para poderem voltar a fazer o que amam. Alex é o baterista, dito como o “integrante emotivo” e traz parte da representatividade da série consigo por ser assumidamente gay em 1995. Enquanto Reggie é o engraçado do grupo, ele preza para que os amigos estejam sempre juntos.

Além dos principais, o elenco ainda conta com Jadah Marie (Flynn), Booboo Stewart (Willie), os aliados do grupo; Savannah Lee May (Carrie) e Cheyenne Jackson (Caleb), os antagonistas. Os dois últimos também apresentam números musicais, a personagem de Savannah fazendo jus a típica patricinha como Sharpay Evans (de High School Musical) e Jackson carregando uma das melhores sequências da série inteira com performances impecáveis.

Com direção de Kenny Ortega, o mesmo das amadas trilogias High School Musical e Descendentes, isso se reflete na produção. Da forma como a história é contada, na apresentação dos personagens, indo até os números musicais, que é o que move a série. Também na química do elenco e no senso de ambiente familiar criado dentro e fora do show.

JULIE AND THE PHANTOMS | CRÍTICAS NETFLIX - Coisas De Mineira
Netflix/Divulgação

A trilha sonora conta com 15 músicas originais incríveis que mistura o pop com o rock e se mostra bastante atual. Ela ainda conta com composições do próprios atores, como em Perfect Harmony, escrita por Madison e Charlie; e Unsaid Emily, em que Gillespie colocou o coração e alma na produção e na atuação. Sendo capaz de emocionar e deixar todos arrepiados com a cena em que ela é apresentada na série, contando sobre o passado de Luke que ainda o atormenta. O álbum Julie and The Phantoms: Season 1 está disponível em todas as plataformas digitais e alcançou o #1 do iTunes US em Trilhas Sonoras.

Além de todas essas qualidades, Julie ainda leva mais um ponto positivo por parte das coreografias e a valorização de dançarinos da indústria, com aparição das irmãs Taylor e Reese Hatala, dançarinas baseadas no Canadá, onde a série foi gravada.

Com esse combo perfeito de enredo, personagens e elenco diversos, representatividade, música e coração, só nos resta torcer para que a série receba uma segunda temporada no serviço de streaming. Não podemos ficar com a incerteza de onde a season finale nos deixou e o gostinho de quero mais. Julie and the Phantoms é uma série para a toda família, capaz de alegrar, emocionar e servir de conforto nesse tempo difícil que o mundo todo está enfrentando.

A 1ª temporada de Julie and the Phantoms contém 9 episódios e está disponível na Netflix.

Estudante de Jornalismo, apaixonada por escrever, maratonar séries e ouvir música. Caçadora de monstros com Sam e Dean nas horas vagas.

Comments