Connect with us

cinema

Cineclub Woo! lança filmes Independentes no MAM do Rio de Janeiro

Leticia Collin

Published

on

O Cineclub WOO! é resultado de um trabalho de mais de três anos desenvolvendo a revista cultural Woo! Magazine. O espaço foi criado pela própria revista, em parceria com a produtora Wallaroo Corp., com o objetivo de abrir portas para os produtores independentes, ampliando atividades culturais e valorizando a necessidade dessas produções para o mercado cinematográfico.

O projeto é realizado com o apoio da Cinemateca do MAM, e acontece sempre na segunda “quinta-feira” de cada mês. O evento consiste em uma mostra de filmes independentes, podendo variar o formato em cada exibição, possibilitando curtas, médias e/ou longa-metragens.

Ao final de cada exibição, o cineclube apresenta um debate com os realizadores. O mesmo terá sempre a presença de um crítico e/ou profissional do meio como mediador convidado.

Próxima Sessão – 08 de junho (quinta-feira)

O próximo Cineclub Woo! será especial e contará com uma apresentação diferenciada, na qual terá um coquetel apenas para convidados no final. E para isso, os filmes criaram um Crowdfunding no Catarse com ótimas recompensas que você pode apoiar e ainda ganhar algo em troca por um valor que vale a pena. O Cinema Independente conta apenas com a força de vontade de todos nós, se cada um der um pouquinho podemos fazer muito e, enfim, torná-lo uma industria, no qual empresas vão querer investir facilmente e não dependeremos mais do dinheiro do governo para realizar pequenos, médios e grandes projetos.

A sessão traz o curta-metragem “Universo 88”, que conta a história de um homem desiludido após a morte de sua esposa. E o longa metragem roraimense “Bromance”, que aborda a relação de dois amigos de infância e o balanço que ambos fizeram sobre a mesma no dia do casamento de um deles.

UNIVERSO 88
Dir: Lohan Costa e Lisando Gaertner

BROMANCE
Dir: Thiago Sardenberg

Você é um produtor independente e procura um espaço para exibir o seu filme? Entre em contato pelo e-mail: cineclubwoo@woomagazine.com.br – No e-mail, envie o link do vídeo e informações sobre o mesmo.

O evento conta com o apoio dos sites e canais: Cinema Para Sempre, Tabula Rasa, Dizaê, Loggado, Cabana do Leitor, Clube do POP ,WooMaxx e, é claro, a Woo! Magazine.

Ahhh! Não esqueça de dar aquele apoio pra galera lá no Catarsea sua contribuição é muito importante!

Serviço:

  • Dia: 08 de Junho
  • Horário: 18h30
  • Ingresso: Gratuito
  • Local: Cinemateca do MAM – Rio de Janeiro
  • Endereço: Av Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo
  • Lotação: 180 pessoas
  • É necessário confirmação no evento: Facebook
Comments

cinema

A Pequena Sereia – Finalmente temos nosso Príncipe Eric

Ator britânico se junta a Halle Bailey no live-action

Daiane de Mário

Published

on

De acordo com um relatório recente da Variety o ator britânico Jonah Hauer- King foi escalado para dar vida ao par romântico da sereia Ariel como o Príncipe Eric.

O ator se junta ao elenco que conta com Halle Bailey como Ariel, Melissa McCarthy como Úrsula, Javier Bardem como Rei Tritão e Daveed Diggs como Sebastião.

O diretor Rob Marshall, que se encarrega pelo live-action também anunciou que a produção deve começar em breve.

A pequena sereia ainda não tem data de estreia.

Continue Reading

cinema

Crítica – O Irlandês “O longa é o grande favorito ao Oscar”

O Irlandês pode ser o filme que vai roubar o Oscar de Coringa e ainda por cima pode tirar também o premio de melhor ator de Joaquim Phoenix.

Hueber Silva

Published

on

O novo filme de Martin Scorsese traz um a história de uma caminhoneiro e veterano de guerra chamado Frank Sheeran (Robert de Niro), conhecido como “Irlandês” que toma a frente da narrativa durante todo o filme. No início o longa está dividido em três linhas temporais, onde duas dessas linhas se encontram mais pra frente formando uma só.

Frank transportava carnes e acaba sendo acusado por vender parte de sua carga a um gângster ele acaba não entregando ninguém no tribunal e saí ainda de forma vitoriosa contra a empresa que acusou ele, a partir daí ele começa a ver uma nova realidade no mundo da máfia quando ele conhece o chefe da família criminosa de Pensilvânia, Russell Bufalino (Joe Pesci) que acaba transformando Frank em seu assassino pessoal.

Durante a trama Russell apresenta Jimmy Hoffa (Al Pacino) que era líder sindicalista há muitos anos e acabou se tornando presidente do Sindicato dos Caminhoneiros em 1957 e virou amigo pessoal de Frank. A trama começa a focar nesses três personagens durante todo seu enredo, são três horas e meia de duração. O início do filme é um pouco lento, pois conta detalhe por detalhe a história de Frank e de como ele conheceu Jimmy e Russell, após isso o filme começa a caminhar de uma forma interessante e mostra algo que nunca vimos sobre a máfia nos Estados Unidos.

O Irlandês traz bastante tiroteio, explosões e uma história ao nível certo de Scorsese, sem deixar o público na mão. O longa não perde seu foco e mantém um bom enredo do início ao fim, por mais que seja um filme longo. Ainda durante o longa vemos Frank tendo problemas com sua filha por ser um pai que não tolera problemas ou coisas ruins que acontecem com suas filhas.

Outra atenção que o filme merece é sua trilha sonora que foi bem escolhida e nos faz adentrar naquele mundo mafioso de Scorsese. Sua trilha traz sucessos como In the Still of the Night (The Five Satins), The Time Is Now (The GoldDiggers), I Hear You Knockin (Smiley Lewis) e outros sucessos, o tema do é de Robbie Robertson, ex-guitarrista da The Band.

O longa tem um leve tom de comédia, fazendo o público rir e ao mesmo tempo ficar amarrado a história do filme. Podemos dizer que é um dos melhores filmes que a Netflix já produziu? Sim, é o melhor filme que a empresa de streaming já produziu, Scorsese traz um roteiro excepcional e fora do comum, em questão de elenco o filme é muito bem servido, fazia tempo que não via uma atuação tão brilhante do De Niro e Al Pacino, mas quem merece uma atenção no longa é Joe Pesci, que traz uma atuação brilhante juntamente com os outros dois.

O Irlandês estreia dia 14 de novembro nos cinemas e dia 27 de novembro na Netflix.

Continue Reading

#OMG

Crítica – As Panteras “O filme é simples porém muito divertido”

É o ideal pra quem gosta de bastante ação, e para quem gosta de filmes de espiagem com uma pegada mais comédia.

Isadora Meneses

Published

on

Charlie’s Angels (As Panteras) é um filme dirigido por Elizabeth Banks, que também escreveu o roteiro, a partir de uma história de Evan Spiliotopoulos e David Auburn. É a terceira “parte” da série de filmes Charlie’s Angels, ou seja, é uma continuação da história que começou com a série de televisão do mesmo título por Ivan Goff e Ben Roberts e os filmes, Charlie’s Angels (2000) e Charlie’s Angels: Full Acelerador (2003).

O filme é estrelado por Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska como a nova geração de Angels. Banks e Djimon Hounsou estrelam como os Bosley, assistentes de Charlie Townsend, enquanto Patrick Stewart estrela como John Bosley, o primeiro assistente de Charlie, substituindo Bill Murray, que desempenhou o papel no primeiro filme. Ele também apresenta Sam Claflin e Noah Centineo em papéis coadjuvantes e Jaclyn Smith reprisando seu papel como Kelly Garrett da série original e segundo filme para uma aparição.

Deve-se ressaltar a atuação de Kristen Stewart, que apresenta uma personagem engraçada e ao mesmo tempo séria em suas cenas de ação, botando um fim nas histórias de que ela não apresenta emoções e está sempre com a mesma expressão facial. Ella Balinska também está deslumbrante em seu papel. Infelizmente Naomi Scott nos traz uma personagem fofa e engraçada, mas quando ela tem que interpretar uma cena mais séria, fazendo papel de durona, ela acaba ficando meio forçada.

O roteiro do filme é bem construído, os elementos narrativos são bem organizados e os pontos chave, incluindo os plot twists, são postos nos momentos corretos propostos pelo roteiro. As músicas presentes no filme também complementam muito bem a narrativa. A trilha musical vale muito a pena ser ouvida também a parte, mesmo depois que o filme acabar, principalmente a música Don’t Call Me Angel da Ariana Grande, Miley Cyrus e Lana del Rey.

Outro ponto alto do filme é o guarda-roupa das Angels. Tanto o guarda-roupa cênico quanto o figurino proposto pela Kym Barrett são incríveis. As peças são belíssimas, o design, as cores e o corte delas dão até muita vontade de usar.

O filme é simples porém muito divertido de se assistir. É o ideal pra quem gosta de bastante ação, já que 75% dele é basicamente porradaria e tiro, e para quem gosta de filmes de espiagem, mas com uma pegada mais comédia, mais leve.

Charlie’s Angels (As Panteras) lança dia 15 de Novembro.

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido