Connect with us

cinema

Crítica “Jason Bourne”

Avatar

Published

on

Após o fracasso do filme “O Legado Bourne”, protagonizado por Jeremy Renner (“Vingadores”) e dirigido por Tony Gilroy, o ator Matt Damon retorna para o lugar de onde nunca deveria ter saído. Baseado nos personagens de Robert Ludlum, o novo longa “Jason Bourne”, dirigido por Paul Greengrass, que também foi responsável por outros dois longas da franquia, “A supremacia Bourne” e “O ultimato Bourne”, traz a nostalgia dos filmes anteriores, mas, como consequência, não apresenta nenhuma grande novidade na tela.

Bourne começa o longa novamente vivendo nas sombras, até que a ex-agente da CIA Nicky Parsons (Julia Stiles) traz novas informações sobre seu passado, e que acabam envolvendo os programas da agência de inteligência que Jason tanto lutou para destruir. Após a CIA descobrir que Bourne voltou à ativa e ameaça novamente expor os novos programas, vem aquela mesma história de sempre: Jason Bourne viajando pelo mundo atrás de informações e tendo os flashbacks sobre o seu passado, e a CIA movendo toda a sua equipe para impedi-lo. Como de costume, temos perseguições que envolvem policiais, atiradores de elite da CIA, corridas em alta velocidade, e, claro,  Jason Bourne conseguindo escapar de todos eles.

Novamente, temos integrantes do alto escalão da CIA envolvidos em transações financeiras milionárias não informadas, e agentes que desconfiam de seus chefes e começam a mexer os pauzinhos por conta própria para auxiliar Bourne em suas descobertas. Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa) atua no estereótipo da descrença da mulher no papel de liderança, mas que, obviamente, mostra seu valor para aqueles que desacreditaram em seu potencial.

Jason-Bourne-Gallery-07

Crédito: Divulgação

Tivemos dois pontos muitos positivos neste filme: embora o último longa protagonizado por Matt Damon tenha sido lançado em 2007, Greengrass soube encaixar 2016 muito bem na trama, enaltecendo os principais problemas mundiais desta década. O primeiro deles é no âmbito político, onde em uma das cenas, Bourne e Parsons tentam se mesclar e trocar informações no meio de uma manifestação importante que realmente aconteceu no mundo real. O segundo aborda um dos maiores debates globais: a questão da privacidade x vigilância. Esta última acaba tendo mais destaque, pois um dos novos programas da CIA está diretamente ligado à esse empasse.

“Jason Bourne” voltou com a responsabilidade de engrandecer novamente a franquia. As cenas de ação são boas, o direcionamento do filme também, e o longa nos traz informações mais tocantes sobre a vida de Bourne, nos aproximando mais do personagem. Entretanto, traz os clichês da franquia e dos filmes de ação. De qualquer forma, vale a pena ser conferido. Até porque, Jason Bourne se lembra de tudo.

“Jason Bourne” estreia dia 28 de julho nos cinemas.

Advertisement
Comments

cinema

Mulan pode ter arrecadado US$ 260 milhões com lançamento no Disney+

Dados de analistas apontam que 29% dos assinantes da plataforma adquiriram o longa.

Avatar

Published

on

Apesar das críticas recentes, algumas informações dão conta de que o Disney+ pode ter arrecadado uma bela quantia com a ida de Mulan para a plataforma via on-demand. Analistas relataram para o Yahoo! que cerca de 29% dos assinantes – no momento, por volta de 9 milhões de lares – adquiriram o longa no valor de 30 dólares. Assim, o remake poderia ter arrecadado US$ 261 milhões somente nos EUA.

Em comparação com filmes que entraram somente no circuito de cinemas tradicionais, a estratégia parece ter sido a mais acertada para a empresa: Tenet, o novo filme de Christopher Nolan, obteve US$ 29,5 milhões no mesmo período de tempo, por exemplo. Entretanto, a nova produção da Disney está com dificuldades em arrecadar uma boa bilheteria na China – um dos principais mercados para o lançamento. Na estreia em território chinês, onde os cinemas foram reabertos, o live-action somou somente US$23,2 milhões.

Roteirizado por Rick Jaffa, Amanda Silver, Elizabeth Martin e Lauren Hynek, a produção comandado pela diretora Niki Caro (Encantadora de Baleias) tem a atriz chinesa Liu Yifei na versão em carne e osso da protagonista. Jet Li (Os Mercenários) é o Imperador da China, enquanto que Donnie Yen (Rogue One) interpreta Tung – um mentor e professor da heroína – e Gong Li (Memórias de Uma Gueixa) encarna uma nova vilã feiticeira. Utkarsh Ambudkar, de A Escolha Perfeita, e Ron Yuan (Marco Polo) também estão no elenco.

Assim como no original, o épico irá mostrar a jornada da jovem destemida que se disfarça de homem para combater (no lugar de seu pai) os guerreiros vindos da Mongólia, que invadiram o norte da China. Entretanto, esta adaptação seguirá um tom mais sóbrio e ‘realista’ do que a animação, fugindo de elementos cômicos e musicais vistos neste último, o que despertou a ira de alguns fãs do desenho.

Mulan está disponível no Disney+ via on-demand.

Continue Reading

cinema

Filmagens de Batman foram retomadas no Reino Unido

Não há notícias, no entanto, de que Robert Pattinson voltou ao set.

Avatar

Published

on

Ao que tudo indica, as gravações de Batman foram retomadas no Reino, de acordo com informações obtidas pelo Deadline. As filmagens haviam sido interrompidas há 15 dias, quando Robert Pattinson – que protagoniza o longa – foi diagnosticado com o coronavírus. Não há, até o momento, notícias de que o ator se recuperou e está de volta ao set.

O novo filme, dirigido pelo cineasta Matt Reeves (Planeta dos Macacos), mostra o mascarado em seu segundo ano como vigilante e está tentando resolver uma série de assassinatos misteriosos. O elenco de Batman terá Pattinson no papel-título, Zoë Kravitz  (Big Little Lies) como a Mulher-Gato, John Turturro (de O Grande Lebowski e Transformers) como o mafioso Carmine Falcone e Paul Dano (Sangue Negro) como o vilão Charada. Jeffrey Wright, o Bernard de Westworld, será o Comissário James Gordon, Colin Farrell (Dumbo; Animais Fantásticos) como Pinguim e Andy Serkis (Pantera Negra) viverá Alfred Pennyworth, mordomo e tutor do bilionário Bruce Wayne.

Batman chega aos cinemas em 2021.

Continue Reading

cinema

Crítica | Tenet “Nolan vai explodir sua mente”

Em Tenet sair de um relacionamento abusivo é tão complicado quanto salvar o mundo.

Gabriele Bitencourt

Published

on

Com a estreia adiada várias vezes por causa da pandemia de Covid-19, Tenet, que já foi lançado nos Estados Unidos e na Europa, está com estreia indefinida no Brasil. O filme é dirigido por Christopher Nolan e estrelado por John David Washington, Robert Pattinson, Elizabeth Debicki, Dimple Kapadia, Michael Caine, e Kenneth Branagh.

Nolan, assim como em Amnésia, A Origem, Interstellar explora os conceitos e significados do tempo. Cada um desses filmes aborda a temática temporal de uma forma diferente, entretanto Tenet não foge da fórmula de Nolan: ainda é um quebra cabeça audiovisual, apenas com mais peças (talvez mais do que deveria).

Tenet é um filme de espionagem nos moldes de 007 com dilemas temporais. Devido à isso, parece ter sido idealizado para ser assistido duas vezes pois a experiência só parece estar completa se “voltarmos no tempo” para reassistir o primeiro ato do filme. Ao fim da sessão tem-se a impressão de que algumas informações faltam para se montar a imagem geral. Pois o filme começa a fazer sentido para o espectador somente quando o mecanismo temporal passa a ser inteiramente compreendido pelo Protagonista.

Nolan decidiu pontuar com rimas as metáforas a respeito do livre-arbítrio, do determinismo e da vontade. As cenas conversam umas com as outras até além daquilo que é esperado pelo espectador a partir do que é estabelecido sobre a estrutura da trama. O protagonista é o Protagonista (John David Washington) que se determina e se afirma na história, na sua história. A terceira guerra mundial precisa ser evitada por ele através de uma “guerra fria” (entre… americanos e russos) temporal.

É no vilão Andrei Sator (Kenneth Branagh), que encontramos o maior ponto negativo do filme. O roteiro deixa sua motivação muito rasa, tentando deixar suas ações apenas satisfazerem seu ego, ou somente serem malignas por si. Além disso, o ator irlandês que o interpreta, não convence nem como russo, nem como alguém capaz de arquitetar e colocar em prática seu plano (que em um roteiro relativamente complexo, parece não ter havido um esforço em encaixá-lo devidamente na trama), mas por outro lado, convence bem no papel de um homem possessivo que torna miserável a vida de sua parceira.

Um dos pontos fortes, apesar dos diálogos resmungados, é a parceria entre o protagonista e Neil, personagem de Robert Pattinson. Em uma primeira vez que assistimos criamos facilmente um vínculo com eles, muito provavelmente pelas atuações carismáticas de Robert e John, assim como eles facilmente criaram vínculo um com o outro. Em uma segunda vez, percebemos que essa relação vai além do que percebemos em um primeiro momento e também o quão vital é o papel dessa amizade para o desenrolar dos fatos.

O segundo ponto forte também é uma amizade, entre o protagonista e a personagem Kat (Elizabeth Debicki), a personagem que está completamente em um relacionamento com o vilão. É através dessa amizade que eles apoiam e encorajam um ao outro para vencer os desafios, desafios tão grandes quanto salvar o mundo ou sair de um relacionamento abusivo.

Essa obra está longe de ser morna, o ritmo mantém o espectador atento e interessado desde os primeiros momentos. A fotografia em alguns momentos é utilizada para servir ao propósito didático com cenas ora mais azuladas, avermelhadas ou amareladas, ao mesmo estilo das cenas recorrentes, que são marca registrada do diretor.

As cenas de ação são dinâmicas e inteiramente críveis, mesmo não fazendo parte da nossa realidade. Os personagens se desenvolvem de maneira fluida e cada segundo do filme é extremamente essencial para a trama.

Tenet ainda não tem uma data de estreia definitiva no Brasil.

*A autora do texto reside na Polônia, país que o filme já foi lançado, em uma sala de cinema higienizada, respeitando o distanciamento social, devidamente protegida com mascara e com sistema de ventilação especial.

Continue Reading

Parceiros Editorias