Connect with us

Analises

Crítica | Lucifer – Quarta Temporada

Pamy

Published

on

Antes de mais nada, um aviso: CONTÉM SPOILERS!

Finalmente, na última quarta feira, dia 8 de maio, a Netflix liberou a tão esperada quarta temporada da série Lúcifer, que a exatos um ano anunciava o seu cancelamento pela da Fox Studios.

Após muita insistência por parte dos atores e uma campanha massiva por parte dos lucifans a série foi resgatada pela rede de streaming Netflix que prometeu um fim digno a série.

Foram lançados dez episódios de aproximadamente uma hora cada um, o que por si só já é uma mudança em relação às temporadas anteriores que possuíam por volta de vinte episódios de 43/44 minutos cada um. O que transformou a série, tornando-a mais dinâmica e menos “enchendo linguiça” como alguns expectadores reclamaram em relação a terceira temporada.

No final da terceira temporada, tivemos Chloe finalmente vendo a verdadeira face do Lúcifer. A quarta temporada começa alguns meses após esse acontecimento, tempo esse que a Detetive resolveu tirar de férias para pensar e assimilar melhor o que tinha visto. Mas não funcionou muito bem. Vemos pela primeira vez uma Chloe que não sabe realmente como lidar com Lúcifer e com o que sente por ele e por ele ser como é – cara de diabo, asas e tudo mais.

É aí que entram as participações incríveis d temporada. Padre Kinley, brilhantemente interpretado pelo ator Graham McTavish de Outlander, um padre católico ferrenho que acredita que Lúcifer é a origem do mal na terra; e Eva, uma personagem muito bem construída, vinda para tentar nosso Lucifer de todas as formas possiveis – além de ficar entre Deckerstar.

A temporada gira em torno da profecia que diz que quando o diabo estiver com o seu primeiro amor, o mal reinará sobre a terra. Bom, teoricamente o primeiro amor de Lúcifer é a Eva, certo? E é o que a série nos faz pensar até o último minuto onde FINALMENTE ele se declara pra Chloe.

Mas esperem, tem mais coisa da temporada pra ser comentada. Vemos casais se formando e amadurecendo, famílias sendo criadas e aumentadas.

Um ponto positivíssimo a favor da nova direção que a série está tomando é sem duvida a atuação do querido Detective Douche. Dan está passando por um luto difícil de lidar após a morte de Charlotte e o ator mostra isso de forma brilhante, deixando até alguns fãs irritados com como ele estava chato. Gente, o luto é assim. E o principal, cada um tem o seu tempo e sua forma de luto, vide a Ella que lidava com o luto por sua fé tentando desesperadamente encontrar algo pra substituí-la.

Outro ponto que sempre era elogiado e provavelmente vai continuar sendo são os personagens Amenadiel e Linda. Agora, com um bebê! Deus, que cenas fofas e hilárias essa gravidez nos rendeu! E que maravilhosa a Linda como uma mãezona (sempre foi né, vide a relação com a Maze e o próprio Lúcifer depois que eles pararam de transar!) A cena final do casal fez referência a uma das minhas passagens bíblicas favoritas, assistam logo!

Mazekeen Smith está ABSURDA nessa temporada. Falando na língua dos demônios, enfiando a porrada em geral e pasmem, sendo romantiquinha cantando musiquinha romântica. É impossível não amar ver a Maze evoluindo como “pessoa”, é como ver um filho crescendo.

Sobre a season, e talvez series finale: que episódio meus amigos! QUE EPISÓDIO! Vemos um Lúcifer full pistola com os demônios que antes o serviam, vemos uma Chloe aceitando quem ele é e o que sente por ele. Uma cena de luta muito digna e impecávelmente coreografada. Até a Eva foi ótima nesse episódio, também tendo um final digno que dá abertura pra um possível retorno da personagem depois. A única reclamação quanto a esse episódio é que todos queríamos ver pegação entre o shipp quando eles finalmente se declarassem né Netflix?

Pontos positivos:

  • A bunda do Tom Ellis fazendo papel de coadjuvante em alguns episódios( MUITO OBRIGADA NETFLIX)
  • A caracterização do Lúcifer como diabo, melhorou absurdos em relação às temporadas anteriores
  • Muitas referências maravilhosas!
  • O aparecimento de mais uma irmã de Lucifer(adoro quando isso acontece)
  • Mesmo com ranço da Eva, ela é uma personagem incrível
  • Trilha sonora impecável, como sempre

Pontos negativos:

  • Pros fãs dos quadrinhos Lúcifer ainda não é o que se vê neles. Ainda tá fraco em relação ao personagem da DC
  • Poucos episódios, é uma unanimidade entre os fãs que a temporada poderia ser maior.
  • Ainda estamos no aguardo de uma cena de amor entre Lúcifer e Chloe. COLABORA AÍ NETFLIX.

Agora, nos resta rezar e fazer campanha para que a Netflix nos dê de presente uma quinta, sexta, sétima… infinitas temporadas dessa série que a cada dia conquista mais e mais fãs.