Connect with us
Fernanda Novaes

Published

on

Dark é a série alemã original da Netflix sobre viagem no tempo, onde o ponto central do enredo é o desaparecimento inexplicável de dois meninos na pequena cidade de Winden – mas a preocupação real da série é questionar se estamos ou não fadados a repetir os mesmos erros do passado.

Na terceira temporada vamos acompanhar, com ainda mais ênfase, a maior característica que percorre a série: a dualidade. Luz e sombra, passado e futuro, o lado certo e o lado errado. A dualidade do universo corre forte pelas veias de Dark e, ao encerrar sua terceira e última temporada, a obra procura atingir o equilíbrio.

Para quem acompanha a série desde o início já se acostumou com todas aquelas descobertas que giram em torno das principais famílias, descobertas essas que marcaram a primeira temporada e que também prendeu o público por conta do aspecto labiríntico da obra. Então, na terceira temporada algumas descobertas não chegam ao impacto das temporadas anteriores justamente por já estarmos acostumados e até esperarmos que algo ainda mais bizarro aconteça, mas ao mesmo tempo, a série tenta fechar todas essas lacunas de informações e levar suas ideias expansivas a uma conclusão emocional e satisfatória.

A técnica de contar histórias permanece basicamente a mesma, porém com novos personagens que fazem com que o roteiro, sutilmente, seja levado para o final. Esses personagens realmente só existem para fazer com que a série se encerre. Sem eles, suas ideias provindas das suas experiências, que geralmente são dolorosas, os personagens já conhecidos estariam fadados à uma estagnação. Por mais que não consigamos nos conectar com esses novos personagens, talvez por falta de tempo, ou ainda pelo aspecto frio tão característico da série, eles ainda tem um papel importantíssimo a desempenhar que é fazer com que os outros personagens se movam.

Muito do que faz Dark funcionar é justamente o desenvolvimento de seus personagens e seus destinos interligados. Destino é uma das palavras que será extremamente citada nessa temporada, além de várias frases que se repetem ao longo dos episódios, como se o diretor quisesse dar uma dica pra gente, como se ele estivesse conversando com o público.

E com tantas peças em movimento, agora com mais personagens e desdobramentos em um universo que não é mais influenciado apenas pelo tempo mas também pelos mundos e realidades possíveis, é provável que no meio do caminho você pare para absorver tudo que está acontecendo. Em alguns episódios a série não tem a preocupação de mostrar tão explicitamente o tempo e lugar onde os personagens estão, fazendo com que o público fique tão confuso quanto eles.

Mas talvez seja a temporada mais fácil de acompanhar pois finalmente lança o mistério de quem exatamente é um mentiroso e quem está dizendo a verdade, algo que a série lutou muito para permanecer o máximo que conseguisse.

Dark, com sua terceira temporada, continua sendo uma história profundamente intrigante, com ótimos personagens e uma bela direção. O elenco principal, na maioria das vezes, volta tão bom quanto antes. A temporada combina personagens normalmente não vistos juntos, e assim diferentes dinâmicas são criadas e ganhamos maior amplitude sobre, até mesmo, a persona de cada um.

Grande parte da terceira temporada repousa sobre os ombros de Lisa Vicari, atriz que faz Martha, permitindo que ela mostre lados de si mesma e ganhando ainda mais complexidade psicológica. Todo o elenco é usado excepcionalmente bem, e o arco de cada um permite que todos participem desse ciclo final e brilhem à sua própria maneira.

Esses oito episódios são uma conclusão fantástica para Dark, e os co-criadores conseguiram com sucesso fechar brilhantemente seu ciclo de contar histórias de maneira dramática e emocional.

A última temporada de Dark estreia dia 27 de junho (amanhã) na Netflix.

Dark

8

Nota

8.0/10

Pros

  • Roteiro
  • Direção
  • Atuações

Roteirista, produtora e fotografa na empresa SE7E MOVIE, fotografa da Phóton Fotografia, Youtuber no canal "Moça Você é Cinéfila?" diretora e roteirista do documentário " Pé da Branca" e do curta "A Obra de Marcus Duchen". Colaboradora do Cabana do Leitor.

Advertisement
Comments

Analises

Primeiras Impressões | Mrs. America “O conservadorismo em seu estado puro”

Se você acha que Mrs. America é uma produção girl power, você pensou errado. A maravilhosa minissérie mostra o conservadorismo em seu estado mais puro.

Nathally Marques

Published

on

O Cabana do Leitor teve acesso aos dois primeiros episódios da minissérie Mrs. America, que tem previsão de lançamento no Brasil para o dia 19 de Setembro no canal Fox Premium.

Quando fui convidada para fazer as primeiras impressões, não sabia muito bem do que se tratava, apenas de que era uma série originária do Hulu, com 10 indicações ao Emmy Awards. Pelas imagens e pelo contexto que eu tinha visto inicialmente, achava que se tratava de uma série bem girl power genérico enlatado sobre o movimento feminista americano. Eu não poderia estar mais errada.

A grande sacada ambiciosa da minissérie criada por Dahvi Waller, foi se basear e colocar em pauta um momento histórico real da década de 70 sobre a ratificação da Emenda dos Direitos Iguais (Equal Rights AmendmentERA), que garantiria para os cidadãos norte-americanos os direitos legais iguais independentemente do sexo. A vitória para que essa ratificação entrasse para a constituição estadunidense era dada como certa desde o início pelas feministas democratas. O que elas não esperavam era um movimento anti-feminista em contrapartida, liderado pela advogada, ativista conservadora e cristã Phyllis Schlafly (Cate Blanchett), gerando embates entre os dois grupos que foram responsáveis por mudar o cenário político-cultural dos Estados Unidos.

Cate Blanchett surpreende ao dar vida a personalidade verídica de Phyllis Schlafly, que vai totalmente contra a todo o seu posicionamento, já que a atriz australiana é conhecida pelo seu engajamento na luta pela igualdade de gêneros dentro da indústria cinematográfica hollywoodiana e por se juntar na denúncia com outras mulheres vítimas dos abusos do produtor Harvey Weinstein.

A ganhadora de dois Oscars mostra para o público como pode ser versátil ao se dedicar ao trabalho dessa figura política tão controversa em Mrs. America. Phyllis era uma mulher forte e bastante inteligente, seus argumentos eram persuasivos o suficiente para colocar em jogo toda a construção da luta feminista da época. Cate Blanchett não só entrega um trabalho extremamente convincente, como nos mostra as nuances só no olhar, de como sua personagem, mesmo não acreditando na igualdade de gêneros, acaba sendo confrontada pelo peso da sociedade machista na qual está inserida.

O elenco é recheado de incríveis atrizes, além de ter outras muitas mulheres envolvidas em sua produção por trás das câmeras. Devo destacar que senti falta da representação de mulheres pretas nesses dois primeiros episódios que assisti, porém acredito que seja proposital para evidenciar esse problema dentro da nossa sociedade. O lado conservador dessa batalha choca por mostrar claramente a desigualdade racial de forma tão naturalizada. Mulheres brancas estão à frente daquela luta, enquanto as mulheres pretas são as empregadas que cuidam da família.

E a crítica social não se fixa apenas desse lado, o movimento feminista apresentado é extremamente branco. Eu imagino que irão explorar esse ponto de vista nos próximos episódios, com a personagem Shirley Chisholm (Uzo Aduba), que é a primeira mulher negra eleita ao Congresso dos EUA.

Eu gostaria de ver a relação dela com o movimento (branco) feminista daquela época. A vontade que eu tenho é acompanhar mais da história dessas mulheres, sem questão de lados, apenas observar o desenrolar de suas motivações e descobrir o que vem pela frente no resto da minissérie.

Quando falamos em produções de época, principalmente esse tipo de projeto que é baseado em fatos reais, meu maior medo é que a direção de arte fique caricata demais, atrapalhando a experiência da audiência. Só que isso não ocorre neste caso. Ela é esteticamente muito agradável. A composição para a escolha da caracterização dos personagens, desde o figurino até cabelos e maquiagem é muito certeira. Além disso, por tratar de algumas figuras reais, a semelhança entre o elenco e suas respectivas inspirações foi muito bem trabalhada.

Percebe-se que o mundo na verdade não mudou muito de lá pra cá e que a briga entre as mulheres só serve para enfraquecer quem queremos mais ajudar: nós mesmas. De qualquer forma, a discussão que se abre é sempre válida, pois faz trabalhar o senso crítico entre o que é certo e o que não dá mais para ser aceito. Nos faz conhecer também diversos lados, tentando fazer com que o público enxergue um pouco fora da sua própria bolha. Mrs. America parece ser uma minissérie inspiradora e que veio pra dar aquele puxão de orelha no comodismo.

Mrs America” é uma produção da FX Productions e foi criada e escrita pela ganhadora do Prêmio Emmy, Dahvi Waller (“Mad Men”), que também cumpriu a função de produtora executiva juntamente com Stacey Sher (“Django Unchained”, “Erin Brockovich”), Coco Francini (“The Hateful Eight”), Cate Blanchett e a dupla Anna Boden e Ryan Fleck (“Captain Marvel”, “Billions”), que também foram diretores em quatro episódios.

Mrs. America terá seus dois primeiros episódios exibidos pelo Fox Premium, no sábado dia 19 de Setembro, a partir das 22h15.

Dark

8

Nota

8.0/10

Pros

  • Roteiro
  • Direção
  • Atuações
Continue Reading

Analises

Análise | Julie and the Phantoms “Remake surpreende e emociona”

Uma série para a toda família, é capaz de alegrar, emocionar e servir de conforto.

Avatar

Published

on

Se você está na casa dos vinte anos agora, provavelmente conheceu a série brasileira Julie e os Fantasmas, que estreou na Band e na Nickelodeon em 2011. A série sobre a garota que se depara com três fantasmas e com eles inicia uma banda acabou de ganhar um remake americano feito pela Netflix. A nova versão Julie and the Phantoms traz uma abordagem energética e tocante, mantendo sempre a essência da original, sendo capaz de cativar os fãs da época e atrair um novo público fiel.

A história começa quando Julie (Madison Reyes), uma menina de 15 anos que tem uma paixão pela música, mas que não consegue se expressar através dela por causa da perda da mãe, encontra um CD antigo na garagem de sua casa e traz de volta três fantasmas vindos de 1995, que tem assuntos inacabados para resolver. Juntos, eles formam uma banda enquanto navegam pelo processo de se descobrirem e resolverem os conflitos que aparecem pela frente.

Todos os personagens são capazes de roubar a cena e tem um propósito na série, com nenhum estando ali à toa ou sendo deixado de lado. Embora nem todos tenham suas histórias aprofundadas, eles têm sua importância para mover o show. Madison brilha como Julie, sendo capaz de emocionar desde sua primeira cena cantando Wake Up, deixando o espectador sem palavras para seu talento natural. Julie Molina é uma garota de descendência latina (assim como Madison, que é porto-riquenha), muito doce, uma amiga de verdade e preocupada com a família, mas que luta para superar a falta que sua mãe lhe faz.

Os três fantasmas da banda, Luke (Charles Gillespie), Alex (Owen Joyner) e Reggie (Jeremy Shada) são um espetáculo à parte. São divertidos, carismáticos e músicos habilidosos. Luke é o vocalista da falecida Sunset Curve, sua paixão pela música é genuína e seu coração é enorme. Assim que ouve Julie cantando, ele sente uma conexão com a menina e sabe que ela é o adicional perfeito para poderem voltar a fazer o que amam. Alex é o baterista, dito como o “integrante emotivo” e traz parte da representatividade da série consigo por ser assumidamente gay em 1995. Enquanto Reggie é o engraçado do grupo, ele preza para que os amigos estejam sempre juntos.

Além dos principais, o elenco ainda conta com Jadah Marie (Flynn), Booboo Stewart (Willie), os aliados do grupo; Savannah Lee May (Carrie) e Cheyenne Jackson (Caleb), os antagonistas. Os dois últimos também apresentam números musicais, a personagem de Savannah fazendo jus a típica patricinha como Sharpay Evans (de High School Musical) e Jackson carregando uma das melhores sequências da série inteira com performances impecáveis.

Com direção de Kenny Ortega, o mesmo das amadas trilogias High School Musical e Descendentes, isso se reflete na produção. Da forma como a história é contada, na apresentação dos personagens, indo até os números musicais, que é o que move a série. Também na química do elenco e no senso de ambiente familiar criado dentro e fora do show.

A trilha sonora conta com 15 músicas originais incríveis que mistura o pop com o rock e se mostra bastante atual. Ela ainda conta com composições do próprios atores, como em Perfect Harmony, escrita por Madison e Charlie; e Unsaid Emily, em que Gillespie colocou o coração e alma na produção e na atuação. Sendo capaz de emocionar e deixar todos arrepiados com a cena em que ela é apresentada na série, contando sobre o passado de Luke que ainda o atormenta. O álbum Julie and The Phantoms: Season 1 está disponível em todas as plataformas digitais e alcançou o #1 do iTunes US em Trilhas Sonoras.

Além de todas essas qualidades, Julie ainda leva mais um ponto positivo por parte das coreografias e a valorização de dançarinos da indústria, com aparição das irmãs Taylor e Reese Hatala, dançarinas baseadas no Canadá, onde a série foi gravada.

Com esse combo perfeito de enredo, personagens e elenco diversos, representatividade, música e coração, só nos resta torcer para que a série receba uma segunda temporada no serviço de streaming. Não podemos ficar com a incerteza de onde a season finale nos deixou e o gostinho de quero mais. Julie and the Phantoms é uma série para a toda família, capaz de alegrar, emocionar e servir de conforto nesse tempo difícil que o mundo todo está enfrentando.

A 1ª temporada de Julie and the Phantoms contém 9 episódios e está disponível na Netflix.

Dark

8

Nota

8.0/10

Pros

  • Roteiro
  • Direção
  • Atuações
Continue Reading

Analises

Gameboys: The Series (2020) | Review da 1ª temporada

Websérie encerra sua primeira temporada de maneira apoteótica e se consagra com uma das melhores do gênero.

Avatar

Published

on

Depois de meses de distanciamento social, já não é novidade pra ninguém a produção de uma série abordando o tema que marcará o ano de 2020. Entretanto, há tramas que conseguem se destacar ao levantar questões e problematizações que foram potencializadas pela situação atual e, ao mesmo tempo, trazer ao espectador uma doçura, uma esperança de que é possível encontrar o amor e a felicidade, mesmo em tempos difíceis… e Gameboys: The Series, websérie filipina produzida pela The IdeaFirst Company, é uma destas.

Desenvolvida de um modo aparentemente – porém proposital – “simplista”, a história de Cairo (Elijah Canlas) e Graveel (Kokoy de Santos) acabou envolvendo o público com carinho, mesmo tocando em algumas situações que afligem milhões de pessoas ao redor do mundo. Restritos pelo lockdown, os personagens interagem por meio de videochats e mensagens instantâneas, onde aprendemos mais sobre suas personalidades ao ‘stalkear’ suas postagens e Stories nas redes sociais.

Basicamente o seriado conta a história de Cairo, um jovem streamer que passa a maior parte deste período de quarentena trancado em seu quarto e transmitindo suas partidas online. Em ascensão na web, o jovem se vê intrigado ao ser derrotado por outro um outro jogador, Gav. Ao se aproximarem para marcar uma revanche, os dois acabam se envolvendo em um jogo muito mais complexo: o do amor.

Muito do que foi dito nas primeiras impressões sobre a produção (CLIQUE AQUI PARA LER NA ÍNTEGRA), permanece: a direção com o timing certo, o formato ágil de conversas via redes sociais e até mesmo a duração de cada episódio, calculada de forma inteligente para o espectador não se cansar. No entanto, somente com todos os capítulos no ar, é possível ver como o roteiro assinado exclusivamente por Ash Malanum foi aos poucos abrindo discussões como aceitação, compaixão e nossa conexão com as pessoas que amamos. E isso de forma orgânica, sem forçar ou querer ‘militar’ sobre a questão.

Foi um exercício de criatividade e amor à profissão movido por todos os envolvidos. O diretor Ivan Andrew Payawal comandava tudo de maneira remota. Sem uma equipe de filmagem, cenógrafos, maquiadores ou mesmo um set de gravação na maior parte da série, a produção dependeu muito dos esforços da equipe (incluindo os atores) para que fosse ao ar de uma maneira satisfatória e, após o encerramento de sua primeira temporada, pode se dizer que todos estão de parabéns.

Com a mira voltada nitidamente para o público jovem que consome seriados do gênero BL (Boys Love, histórias com teor homoafetivas mas que, geralmente, são voltados para o público feminino), a produção acabou atingindo um leque maior por trazer um roteiro muito mais palatável que outros do mesmo tipo e plots que fazem o espectador entrar numa verdadeira montanha-russa de emoções, provocando cada uma delas de forma certeira. Num mesmo episódio, é possível naturalmente gargalhar, se irritar e até mesmo cair aos prantos com as situações em que os personagens enfrentam.

E para isso acontecer, era necessário que o Gameboys se sustentasse em um elenco que tivesse a capacidade de não só cativar o público como também emocioná-lo. Assim, é inegável que nada disso não teria o mesmo impacto se não houvesse a adição de Elijah e Kokoy: a interpretação de ambos eleva o nível para um patamar onde dificilmente vemos em tramas como esta. Atores excepcionais, a dupla entrega cada diálogo com veracidade e paixão, o que prende a atenção do espectador quase que instantaneamente e mostra como o amor entre dois garotos pode sim ser retratado espontaneamente, sem estereótipos.

Uma vez em que o formato de videochats faz com que os atores na maioria das vezes olhem diretamente para a câmera, é possível ver cada expressão, cada sentimento transmitido. Em determinada ocasião, por exemplo, uma importante decisão é tomada pelo casal mas sem um único diálogo… É uma longa tomada em silêncio, com somente os dois se encarando e a trilha sonora ao fundo. Neste momento, são os olhos de ambos o veículo principal de comunicação entre eles, e muito ali é dito de forma magistral.

Além disso, a chegada de outros personagens como a divertida Pearl (Adrianna So) ou o ‘vilanesco’ Terrence (Kyle Velino) só agregam para revelar novas camadas à trama, o que garante momentos únicos na série. Em um ponto-chave da história, há uma sensível cena entre Cairo e sua mãe (Sue Prado) em que muitos jovens irão se identificar, especialmente aqueles que passam pelo problema de autoaceitação e que precisam de uma palavra de apoio e cuidado. É comovente e ambos os atores se entregam de corpo e alma, nitidamente.

Gameboys era um projeto que foi crescendo aos poucos e que hoje é um fenômeno, um universo de possibilidades, tanto que um derivado – a série Pearl Next Door, onde a vida da melhor amiga de Gav será retratada – está a caminho. Encerrando sua primeira temporada de maneira apoteótica e se consagrando com uma das melhores produções do gênero, ela conta com personagens extremamente cativantes e cheio de camadas ainda inexploradas, o que leva o público a pedir mais e mais histórias do sorridente ‘Anjo da Paz’ e seu rabugento ‘Vitorioso’. Não à toa que um filme está prometido pelo estúdio assim como uma nova temporada (anunciada oficialmente logo após a exibição do último episódio), abraçando ainda mais os temas aqui desenvolvidos – atrações como The Fosters e Love, Victor estão aí para provar que isso é possível.

Os problemas foram enormes (vide os problemas causados pelo lockdown, o que fez alguns episódios atrasarem para serem lançados), nada era certeza e tudo jogava contra Gameboys, mas os obstáculos foram superados e novos desafios virão. Mas usando uma gíria gamer, aqui o “game over” não cabe… Para Cairo e Gavreel, somente o “play” importa.

Assista a série (legendada em português) no player abaixo:

Dark

8

Nota

8.0/10

Pros

  • Roteiro
  • Direção
  • Atuações
Continue Reading

Parceiros Editorias