Connect with us

HQs

Demolidor- crítica sem spoillers (importantes)

Avatar

Published

on

Demolidor estreou no dia 10/04/2015 na Netflix e foi a série mais assistida ( na verdade pirateada) nos últimos tempos. E não é pra menos. A série vem no estilo Netflix, todos os episódios da temporada de uma vez pra assistir. tem gente que curte e inicia a maratona. Eu já curto assistir o episódio e mastigar , vendo um pouco de cada vez. Ver tudo numa lapada só, te faz esquecer ou deixar passar batido alguns pontos interessantes.

Demolidor é a série que coloca a Marvel de vez no topo da preferência por séries, uma vez que Agents of SHIELD não chega a convencer tanto ( seus melhores episódios são os easter-eggs com os filmes). Demolidor se passa no mesmo universo dos Vingadores, mas você nem se prende a esse detalhe, a história por si só já te faz deixar qualquer referência aos Vingadores senão de lado,pelo menos sem achar que é a coisa mais importante do episódio.

Ao assistir a primeira temporada completa constatei dois fatos interessantes:

1º) É uma adaptação da hq, mas não vai ficar presa ao que vemos nos quadrinhos. Algumas coisas podem ou não acontecer, inclusive neste mundo de Demolidor, nenhum personagem é vaca-sagrada, pode acontecer algo a qualquer momento. Isso é perfeito e mostra que quando bem feito, a galera não liga para fidelidade ( graças a Odin).

2º) A série do demolidor já começa a se ligar as futuras séries do Netflix como a do Punho de Ferro.

O Demolidor é muito humano e briga como a gente briga, ou seja apanha também. Ora ele bate, ora apanha. Muito diferente de uniformizados que derrubam só com o deslocamento do ar, o Demolidor tem esse lado mais “humano” o que o deixa um personagem mais palpável.

O dois primeiros episódios tem cenas finais que te deixam achando a série tão foda que você vai dar o play várias vezes e rever, rever e rever tais cenas. e muitas outras na série te farão agir assim.

Os sentidos aprimorados estão lá, mas o radar de Matt Murdock fica subentendido, sendo resultado de uma fusão dos sentidos ampliados.

Matt Murdock é o advogado cego da Cozinha do Inferno ( Hell’s Kitchen) que, em sociedade com seu amigo Foggy Nelson, abre um escritório de advocacia, a Nelson & Murdock. Logo eles conhecem a Karen Page, uma funcionária de uma empresa que quer mata-la por talvez saber demais. Pronto, a partir daí o que se vê é uma rede do crime muito ampla e da qual quase todo mundo faz parte e não dá pra confiar em ninguém.

O vilão principal, o Rei do Crime, custa a aparecer e quando aparece conquista o telespectador de cara. As vezes odiável, as vezes com traços de humanidade que até te fazem querer acreditar nas intenções dele. Fato é que esse Rei do Crime só pôde ser tão bem desenvolvido por que séries são o espaço adequado para desenvolver melhor os personagens, sejam mocinhos ou bandidos. Espetacular a atuação de Vincent D’onofrio.

Essa primeira temporada é a formação do vigilante Demolidor, como ele vai deixando de ser um simples vigilante mascarado até estilizar um uniforme, um nome de batalha e se ver como um herói.Um herói urbano no MCU.

A personagem mais chata da série é sem dúvida a Karen Page, mas até isso é justificável, pois ela representa a sede de justiça que falta na cidade e se ficar acomodado, o sistema te engole. Ela é meio que o grito dos oprimidos e tem segredos a esconder.

Diversos personagens estão na HQ, mesmo que não necessariamente na do Demolidor. Seria motivo suficiente para detonar uma série, mas como Demolidor é tão bem produzido,os personagens estão tão  bem trabalhados que  não há problemas em romper com o que conhecemos nas hqs. Lembrem-se que é uma adaptação!!!

Conversando com o público que assistiu, vários personagens cativaram o gosto dos fãs. Uns adoraram Foggy, outros  o Ben Urich, alguns curtiram muito o estilo do Wesley( amigo e segunda pessoa do Rei do Crime). No meu caso, eu curti pra caramba o humor ácido de Leland Owsley, pense num cara comédia. Sempre com o comentário certo.

Então vamos falar dos personagens mais secundários:

1º) O Tucão.

Pouca gente cita esse marginalzinho que ficou até mais assustador na série, mas mata de rir de tão zé ruela que é nas hqs. A série optou por um Tucão menos cômico.

2º) Claire

Não sei se ela seria a versão Marvel da Enfermeira Noturna. Talvez quando sair a série do Luke Cage, pois já existe na Marvel uma personagem com esse nome só que ao invés de enfermeira é médica e também interesse amoroso do Luke ( mas e a Jessica Jones?). E isso é o bom da Netflix. os personagens conhecidos são ao mesmo tempo novidade para quem já os conhece. Parei de achar que Jessica Jones vai casar com Luke Cage e que os quadrinhos serão obedecidos.

3º) Wesley

Elegante e astuto. Personagem com muito potencial, presente nos quadrinhos e que teve ótimas participações na série. Wesley sempre era sinônimo de tramóia no ar e lealdade ao Rei, seu único amigo.

Na realidade se você parar pra analisar a série do Demolidor, sem Wesley, o Rei é só um marginal qualquer. Wesley foi quem manteve os pratos girando nesse império de Fisk e apagando todas as provas. Afinal quando Wesley dá um tempo na série o Matt Murdock passa a ter uma certa vantagem.

Pois é, quem sabe Wesley não seja o principal vilão da série?

4º) Leland Owsley

Nas hqs ele é o vilão Coruja, um contador que parte pro mundo do crime. Aqui não rola isso. Ele nem voa. E é um senhorzinho que tem comentários perfeitos!

 Nos quadrinhos este é Owsley que vira O Coruja:

5º) Nobu

Ele vai proporcionar a melhor luta dessa primeira temporada. Aí sim,e como o Matt já apanha pra marginal, imagina prum cara metido a ninja?

6º) Gao

Ela nem é tão surpresa, mas a quadrilha dela sim, já que a heroína que o grupo dela comercializa, traz a marca do Punho de Ferro. E esse é o lado mais místico dos heróis Marvel/Netflix. E  Gao ainda vai dar o que falar.

7º) Foggy Nelson

O Foggy nas hqs é o melhor coadjuvante de Daredevil, na série ele repete a proeza sendo o mais humanos dos personagens. E é pegador, pegando a mulher mais bonita da série. Aeee Foggynho!!!

8º) Ben Urich

O repórter amigão de Matt Murdock tá lá ajudando a desmascarar Wilson Fisk. Ben de todos os personagens, acho que ficou nessa temporada o mais subaproveitado. Interessante suas cenas no jornal aonde vemos diversas referências a Batalha de Nova Iorque e ao Terror no Harlem.

9º) Stick

Sim, o mestre do Demolidor, o ninja vestido de faxineiro está na série em um episódio que relembra a origem do lado mais ninja  Demolidor. Episódios de flashback são sacais as vezes, mas todos os dessa série são bem encaixados e justificados.

10º)Vladimir

Um ex-Power Ranger na série do Demolidor. Nikolai Nikolaeff interpreta Vladimir, um mafioso russo ligado ao Rei do Crime. O personagem tem lá sua importância na série, mas coloquei ele aqui na matéria mais pelo fato dele ter feito Power Rangers- Jungle Fury.

11º) Melvin Potter

Muito forte e mentalmente instável. este é Melvin Potter, o “costureiro” de Wilson Fisk que cria ternos revestidos com cota de malha para proteger Fisk. Ele é quem cria o uniforme do Demolidor na série, e nos quadrinhos ele se torna o vilão Gladiador.

12º) Padre Lanton

Este personagem existe nas hqs mas somente na revista dos Fugitivos, heróis adolescentes que descobrem que os pais são vilões e fogem para se tornarem heróis! A presença dele na série serve para reforçar ao espectador da formação católica de Matt e como ele lida com  sua fé e seu desejo por justiça (vale lembrar que nos EUA os católicos são mais rígidos em seguir os mandamentos, assim como os evangélicos são aqui).

13º) Brett Mahoney 

O policial sério amigo de Matt e Foggy,  aparece em edições variadas da Marvel, não sendo personagem específico do Demolidor.

Cabanóides que curtiram essa matéria, vejam em breve mais matérias sobre o Demolidor aqui, na Cabana do Leitor!

Físico, nerd, quadrinheiro e dono do Enquadrinhados - enquadrinhados.blogspot.com.br Sua frase preferida é “Só pode haver um”. Qualquer dia desses ele perde a cabeça.

Advertisement
Comments

HQs

Novo Ranger verde aparece na prévia de Mighty Morphin #1

Os Power Rangers estão de volta!

Avatar

Published

on

BOOM! Studios estará lançando duas novas séries de quadrinhos do Power Rangers em novembro, com a equipe e seu confronto contínuo com o Lord Zedd. Junto ao anúncio, a editora revelou a prévia do quadrinho Mighty Morphin #1.

A equipe criativa da HQ conta com o escritor Ryan Parrott, o ilustrador Marco Renna e o colorista Walter Baiamonte, com assistência da Katia Ranalli e letras do Ed Dukeshire. Já a prévia, que mostra a equipe Rally junto ao novo Ranger verde, tem sua capa principal ilustrada por InHyuk Lee e variantes desenhadas por Dan Mora, Eleonora Carlini e Jung-Geun Yoon.

Confira a prévia abaixo:

Capa principal de InHyuk Lee.
Capa variante de Dan Mora.
Capa variante de Eleonora Carlini.
Capa variante de Jung-Geun Yoon.

Mighty Morphin está previsto para lançar no dia 11 de novembro.

Continue Reading

HQs

Editora Skript lança Lovecraft para Colorir

O quadrinho já está disponível para pré-venda pela Amazon.

Avatar

Published

on

A Editora Skript lançou um quadrinho para colorir inspirado nas ilustrações do H. P. Lovecraft.

A obra apresenta quatro níveis de dificuldade: O inicial (“tô de boas”), intermediário (“dá para encarar), avançado (“preciso me concentrar”) e expert (“hoje eu só faço isso”).

Além das ilustrações, o quadrinho contará com uma história para colorir, sem diálogos, com narrativa “muda”, escrita por Eric Peleias e desenhada por Daniel Sousa. O conto de 7 páginas altera nos quatro níveis de pintura.

O quadrinho tem 40 páginas no tamanho europeu (20x28cm), com capa cartão e miolo em offset, todos de alta gramatura. Lombada quadrada e colada.

Confira as imagens liberadas abaixo:

Capa

Lovecraft para Colorir já está disponível para pré-venda pelo site da Amazon.

Continue Reading

HQs

Resenha | Nimona

O verdadeiro significado do ditado: “As aparências enganam”.

Mylla Martins de Lima

Published

on

A HQ Nimona foi lançada em 2016 pela editora Intrínseca e tem como autora Noelle Stevenson, uma ilustradora e quadrinista incrível!

Nimona é uma menina, as vezes raposa, tubarão, gato e até dragão em alguma parte do seu tempo. Na verdade Nimona é uma metamorfa muito enérgica, que consegue o tão sonhado cargo de comparsa do pior vilão que já existiu no mundo, o Ballister Coração-Negro.

O inesperado começa quando a garota, em sua primeira missão, descobre que seu chefe e ídolo não é tão malvado assim. Enquanto ela sugere acabar com o arqui-inimigo e ex-amigo do vilão, Sir Ambrosius Ouropelvis, matando ele e a quem estiver tentando protegê-lo, Ballister prefere a tradicional luta de espadas, sem sangue e sem morte.

A história começa quando a dupla descobre que a Instituição de Heroísmo & Manutenção da Ordem, empresa que em tese serviria para controlar o caos, planeja prejudicar a população e incriminá-los. Como será a reação do povo quando Coração-Negro levar essa informação à mídia?

Trata-se de uma publicação divertidíssima, ambientada na idade média mas utilizando de elementos futurísticos, mais presente na tecnologia. Os personagens carregam muitas histórias passadas e são muito bem trabalhados, do visual à personalidade. Várias páginas arrancam sorrisos e até mesmo gargalhadas, principalmente quando os quadros pertencem à menina e Ballister.

A trama é cheia de dramas também, e que não passam despercebidos nem com as cenas de humor ácido da personagem principal. O ritmo da narrativa é bem rápido, mas muito fluido e, mesmo com suas 275 páginas, Nimona é uma leitura simples, fácil e que pode ser lida em um único dia. E é impossível não ler!

Noelle sabe prender o seu leitor e isso não é nenhuma surpresa. Esta HQ lhe rendeu o Eisner Awards e a levou para a final do National Book Award. Além disso, a quadrinista garantiu o Slate Cartoonist Studio Prize de Melhor Web Comic e foi indicada ao Harvey Award. Que currículo!

Nimona é uma ótima leitura pós ressaca literária, é a melhor opção para quem ama fantasia e quer fugir dos clicês de heróis. É um misto de fofura, ação, risadas e lágrimas.

A história de uma menina, um vilão que não é vilão e um herói que não é herói.

Continue Reading

Parceiros Editorias