Connect with us

Livros

Entrevista exclusiva com Josh Malerman, autor de “Caixa de Pássaros” e “Piano Vermelho”

Bárbara Allen

Published

on

LOJA DC 4

Recentemente publicamos aqui no site que o livro “Caixa de Pássaros”, do autor norte americano Josh Malerman, ganhará uma versão cinematográfica produzida pela plataforma de streaming, Netflix, e também já conhecemos praticamente todo o elenco.

Agora, para comemorar todas essas notícias maravilhosas, nós, do Cabana do Leitor, conseguimos uma entrevista exclusiva com o autor que conversou conosco por e-mail e nos contou sobre todo o processo de criação dos seus livros, sobre sua banda e, claro, das expectativas sobre o filme.

Vamos lá?

Quando você começou a pensar em escrever thrillers? E por que escolheu esse gênero?

Nunca tomei uma decisão consciente de escrever um “Thriller”. Tentei escrever livros por cerca de dez anos e não consegui terminar um. Depois tive um avanço com um romance de terror psico-sexual chamado Wendy, e um mundo se abriu para mim, um que ainda estou explorando. Suponho que eu pense em termos de “horror” e eu gosto de pensar que todos os livros que eu escrevo orbitam esse planeta, mas se tem ou não, ou se um é menos emocionante do que outro, tudo bem também. Estou inteiramente interessado no “corpo de trabalho”, o “preceito”. Tenho uma explosão escrevendo essas histórias e se algumas delas são emocionantes? Bem, isso é ótimo.

De onde você tira ideia para as suas histórias?

Acho que, se você tem a mente aberta para ideias de história, você as vê em todos os lugares, o tempo todo. Como agora, por exemplo, poderíamos escrever um livro inteiro com base em uma entrevista se quiséssemos. Talvez, à medida em que os capítulos passam, as perguntas se tornam mais pessoais ou fazem menos sentido. Assim, eventualmente, o leitor comece a se perguntar o que aconteceu com a realidade que era aparente no início do livro. A realidade desaparece e a entrevista se torna mais uma confissão psicológica. Sim, se você está procurando ideias, sempre, você as encontrará.

Caixa de pássaros é um livro que mexe muito com os sentidos dos leitores, confesso que algumas vezes me senti mal por não conseguir saber das coisas. Qual foi a sua sensação durante o processo da história?

Ah, o rascunho de Caixa de Pássaros era uma experiência gloriosa e quente. Ao mesmo tempo era muito confiável, regulada: acordava às 7 da manhã todos os dias, ligava a máquina de café, deixava meus pássaros saírem da gaiola (de verdade) e sentava para escrever até meio dia. Esta rotina durou os 26 dias necessários para escrever o rascunho, e apenas quando terminei que reconheci o quão eletrizante realmente foi, e também como foi firme todo esse processo.

Ainda sobre Caixa de pássaros, você deixa uma lacuna muito grande sobre como são esses “Monstros” que não podemos ver. Cada um deduz de uma forma, mas qual seria a sua, exatamente? Qual forma você dá aos monstros?

Eu sei tanto quanto Malorie e Tom. Felix, Don e Olympia.

É inevitável um escritor não transmitir qualquer sentimento ou algo particular para os personagens. Neste livro, Caixa de Pássaros, o que seu você passou para os personagens ou história? Medo, Curiosidade…

Sempre pensei em Malorie como minha irmã. Mesma idade, mesmos interesses, visão de mundo semelhante. Como se ela e eu fossemos melhores amigos, como se eu estivesse bem equipado para contar sua história, porque a conheço tão bem. Então eu imagino que há muito de mim nela. Eu também sei que me inclino para o otimismo, mesmo quando sou uma bagunça assustada de um homem, e Tom também deve ter herdado algo disso. Felizmente, tenho pouco ou nada de Gary em mim. E as pessoas que conheci na minha vida que são como Gary… tento não abrir a porta quando elas batem.

Caixa de Pássaros irá ganhar uma adaptação. O que você mais quer ver do livro no filme? Qual cena?

Estou realmente interessado no visual e na música. Como vai ser sentido? Como vai soar? Mas, na verdade, estou interessado em todos os aspectos! Eu adoraria ver a cena do poço. Eu adoraria ver a cena do nascimento. A cena com Victor no bar. Eu li um rascunho inicial do script e havia uma cena lá que não estava no livro e foi assustador. Eu também quero ver isso. Eu realmente não posso esperar para ver Sandra Bullock como Malorie, confinada a uma casa com John Malkovich. Incrível.

Mudando de livro, vamos falar agora de Piano Vermelho. Por que um som que “destrói” as coisas?

Foi emocionante escrever sobre um grupo de caras cujas vidas giram em torno da música, dá-lhes a tarefa de localizar um som ruim. Porque quando você pensa em máquinas de bobinas, compressores e microfones, você quase nunca imagina algo perigoso viajando por esse circuito, essa fiação, essa configuração. Gostei de pegar algo tão inocente para os Danes e torná-lo perigoso, profundo e intenso. Talvez seja porque estou em uma banda e eu me pergunto como eu e meus amigos reagiríamos nessa situação. Provavelmente recusaríamos a chamada. Mas duvido disso!

A capa de Piano Vermelho no Brasil é bem diferente da versão em inglês. O que você achou dessa capa?

Eu amo as duas. A do EUA é muito mais colorida, tem praia, por isso gosto dessa versão que é fiel as cores/montagem do livro.  Dito isto, a capa brasileira captura mais a corrente subterrânea, a escuridão, o próprio som.

Você faz parte de uma banda, certo? Você se inspirou nos seus colegas para escrever os Danes? Qual dos Danes é você?

Boa pergunta. E não tenho certeza de qual eu seria! Eu acho que seria mais como Philip, mas definitivamente não sou o membro de nível alto de agitação. Um dia eu quero escrever uma biografia completa da banda.

Você esteve no Brasil em 2015, pretende voltar algum dia?

Um retumbante SIM. Sim Sim Sim. Foi uma fantasia para Allison e eu. Nós pensamos/falamos sobre o Brasil o tempo todo. Da Intrínseca ao Joá, da feira de livros aos restaurantes, da praia à festa louca que fomos nas montanhas… nós adoramos. Adoraríamos voltar.

Muito obrigada a editora Intrínseca que nos ajudou a fazer esse intercâmbio entre o Cabana e o autor.

Bárbara Allen
Apaixonada por histórias de época e com o sonho de viver em cada página que lê. Uma jornalista fascinada no mundo da literatura.
Comments