Connect with us

Livros

Entrevista exclusiva com Josh Malerman, autor de “Caixa de Pássaros” e “Piano Vermelho”

Avatar

Published

on

Recentemente publicamos aqui no site que o livro “Caixa de Pássaros”, do autor norte americano Josh Malerman, ganhará uma versão cinematográfica produzida pela plataforma de streaming, Netflix, e também já conhecemos praticamente todo o elenco.

Agora, para comemorar todas essas notícias maravilhosas, nós, do Cabana do Leitor, conseguimos uma entrevista exclusiva com o autor que conversou conosco por e-mail e nos contou sobre todo o processo de criação dos seus livros, sobre sua banda e, claro, das expectativas sobre o filme.

Vamos lá?

Quando você começou a pensar em escrever thrillers? E por que escolheu esse gênero?

Nunca tomei uma decisão consciente de escrever um “Thriller”. Tentei escrever livros por cerca de dez anos e não consegui terminar um. Depois tive um avanço com um romance de terror psico-sexual chamado Wendy, e um mundo se abriu para mim, um que ainda estou explorando. Suponho que eu pense em termos de “horror” e eu gosto de pensar que todos os livros que eu escrevo orbitam esse planeta, mas se tem ou não, ou se um é menos emocionante do que outro, tudo bem também. Estou inteiramente interessado no “corpo de trabalho”, o “preceito”. Tenho uma explosão escrevendo essas histórias e se algumas delas são emocionantes? Bem, isso é ótimo.

De onde você tira ideia para as suas histórias?

Acho que, se você tem a mente aberta para ideias de história, você as vê em todos os lugares, o tempo todo. Como agora, por exemplo, poderíamos escrever um livro inteiro com base em uma entrevista se quiséssemos. Talvez, à medida em que os capítulos passam, as perguntas se tornam mais pessoais ou fazem menos sentido. Assim, eventualmente, o leitor comece a se perguntar o que aconteceu com a realidade que era aparente no início do livro. A realidade desaparece e a entrevista se torna mais uma confissão psicológica. Sim, se você está procurando ideias, sempre, você as encontrará.

Caixa de pássaros é um livro que mexe muito com os sentidos dos leitores, confesso que algumas vezes me senti mal por não conseguir saber das coisas. Qual foi a sua sensação durante o processo da história?

Ah, o rascunho de Caixa de Pássaros era uma experiência gloriosa e quente. Ao mesmo tempo era muito confiável, regulada: acordava às 7 da manhã todos os dias, ligava a máquina de café, deixava meus pássaros saírem da gaiola (de verdade) e sentava para escrever até meio dia. Esta rotina durou os 26 dias necessários para escrever o rascunho, e apenas quando terminei que reconheci o quão eletrizante realmente foi, e também como foi firme todo esse processo.

Ainda sobre Caixa de pássaros, você deixa uma lacuna muito grande sobre como são esses “Monstros” que não podemos ver. Cada um deduz de uma forma, mas qual seria a sua, exatamente? Qual forma você dá aos monstros?

Eu sei tanto quanto Malorie e Tom. Felix, Don e Olympia.

É inevitável um escritor não transmitir qualquer sentimento ou algo particular para os personagens. Neste livro, Caixa de Pássaros, o que seu você passou para os personagens ou história? Medo, Curiosidade…

Sempre pensei em Malorie como minha irmã. Mesma idade, mesmos interesses, visão de mundo semelhante. Como se ela e eu fossemos melhores amigos, como se eu estivesse bem equipado para contar sua história, porque a conheço tão bem. Então eu imagino que há muito de mim nela. Eu também sei que me inclino para o otimismo, mesmo quando sou uma bagunça assustada de um homem, e Tom também deve ter herdado algo disso. Felizmente, tenho pouco ou nada de Gary em mim. E as pessoas que conheci na minha vida que são como Gary… tento não abrir a porta quando elas batem.

Caixa de Pássaros irá ganhar uma adaptação. O que você mais quer ver do livro no filme? Qual cena?

Estou realmente interessado no visual e na música. Como vai ser sentido? Como vai soar? Mas, na verdade, estou interessado em todos os aspectos! Eu adoraria ver a cena do poço. Eu adoraria ver a cena do nascimento. A cena com Victor no bar. Eu li um rascunho inicial do script e havia uma cena lá que não estava no livro e foi assustador. Eu também quero ver isso. Eu realmente não posso esperar para ver Sandra Bullock como Malorie, confinada a uma casa com John Malkovich. Incrível.

Mudando de livro, vamos falar agora de Piano Vermelho. Por que um som que “destrói” as coisas?

Foi emocionante escrever sobre um grupo de caras cujas vidas giram em torno da música, dá-lhes a tarefa de localizar um som ruim. Porque quando você pensa em máquinas de bobinas, compressores e microfones, você quase nunca imagina algo perigoso viajando por esse circuito, essa fiação, essa configuração. Gostei de pegar algo tão inocente para os Danes e torná-lo perigoso, profundo e intenso. Talvez seja porque estou em uma banda e eu me pergunto como eu e meus amigos reagiríamos nessa situação. Provavelmente recusaríamos a chamada. Mas duvido disso!

A capa de Piano Vermelho no Brasil é bem diferente da versão em inglês. O que você achou dessa capa?

Eu amo as duas. A do EUA é muito mais colorida, tem praia, por isso gosto dessa versão que é fiel as cores/montagem do livro.  Dito isto, a capa brasileira captura mais a corrente subterrânea, a escuridão, o próprio som.

Você faz parte de uma banda, certo? Você se inspirou nos seus colegas para escrever os Danes? Qual dos Danes é você?

Boa pergunta. E não tenho certeza de qual eu seria! Eu acho que seria mais como Philip, mas definitivamente não sou o membro de nível alto de agitação. Um dia eu quero escrever uma biografia completa da banda.

Você esteve no Brasil em 2015, pretende voltar algum dia?

Um retumbante SIM. Sim Sim Sim. Foi uma fantasia para Allison e eu. Nós pensamos/falamos sobre o Brasil o tempo todo. Da Intrínseca ao Joá, da feira de livros aos restaurantes, da praia à festa louca que fomos nas montanhas… nós adoramos. Adoraríamos voltar.

Muito obrigada a editora Intrínseca que nos ajudou a fazer esse intercâmbio entre o Cabana e o autor.

Apaixonada por histórias de época e com o sonho de viver em cada página que lê. Uma jornalista fascinada no mundo da literatura.

Advertisement
Comments

Livros

Carnaval Fantástico | Fantasias literárias para você se divertir

Una a paixão pela literatura com a festa nos bloquinhos.

Mylla Martins de Lima

Published

on

O carnaval é uma das festas mais famosas do Brasil e o mais divertido de tudo é a escolha da fantasia. Viver um dia na pele o seu personagem preferido é fantástico, seja ele um herói dos quadrinhos, um vilão de conto de fadas ou garotas mágicas de um mangá de ação. Nas linhas abaixo você vai poder conferir algumas dicas de fantasias pra lá de criativas.

Resultado de imagem para bloco carnaval

1. Sailor Moon

Se a ideia é se divertir em grupo, as defensoras representantes cósmicas são uma ótima opção. A série de mangás Sailor Moon foi originalmente publicada no Japão pela editora Kodansha em 1992, com final da série em 1997. Contudo, ainda faz muito sucesso no meio geek e tem seus mangás trazidos para o Brasil pela editora JBC.

2. Malévola

A grande vilã da Disney também é bem representada no evento, com direito a glitter e paetê. A personagem original da Bela Adormecida ultimamente vem ganhando os holofotes, tendo dois livros adaptados dos filmes e outro da série de vilões publicados pela Universo dos Livros.

3. Khal Drogo e Daenerys

E tem espaço para todo mundo, inclusive para casais. Khal Drogo e a maravilhosa Khaleesi são um exemplo de criatividade. Originalmente lançado em 1996 por George R. R. Martin e vindo para o Brasil em 2010 pela editora Leya, As crônicas de Gelo e Fogo é uma das séries literárias mais queridas dos últimos anos.

Hoje seus direitos estão reservados à editora SUMA.

4. Mulher Maravilha

Um clássico carnavalesco e símbolo do poder feminino não poderia faltar na lista das melhores opções na hora de escolher sua fantasia. A heroína mais icônica de todos os tempos surgiu de histórias em quadrinho publicadas na Era de Ouro, em 1941, pela editora estadunidense DC Comics.

5. O conto da Aia

O sucesso literário e televisivo é uma opção tanto para amigos, quanto para casais ou mesmo carnavalescos solitários. O livro publicado pela editora Rocco é um romance distópico situado na Nova Inglaterra totalitária e fundamentalista cristã em um futuro bem próximo.

Continue Reading

Livros

A Magia do Império Disney | Livro descreve trajetória de Walt Disney

Ginha Nader revela segredos sobre modelo de qualidade Disney.

Mylla Martins de Lima

Published

on

Por trás de toda a magia das belíssimas animações do Walt Disney Studios existe uma das maiores personalidades do mundo, Walter Elias Disney. Este, responsável pelo primeira longa metragem animado do mundo, é considerado a principal influência até hoje quando o assunto é animação, seja ela filme ou série.

Resultado de imagem para a magia do império disney livro

O livro A Magia do Império Disney é assinado por Ginha Nader, uma das maiores especialistas do mundo falando em Disney. Ela dedicou 40 anos de pesquisa sobre o tema, chegando a participar, inclusive, de vários treinamentos dentro da companhia. A quinta edição do livro publicado pela editora SENAC São Paulo vem com os dados da edição de 2014 atualizados.

A obra aborda desde os segredos sobre o modelo de qualidade e excelência até futuras atrações do parque de Orlando, bem como divulgações de faturamentos atuais, informações do serviço de streamming e muito mais.

Este livro é uma ótima oportunidade para curiosos conhecerem sobre a vida desde a infância de Walt até a criação do grande império.

A Magia do Império Disney é o guia que não pode faltar na estante dos leitores e fãs deste incrível universo mágico.

Continue Reading

Livros

Resenha | Deslocamento – Um diário de viagem

Um best-seller sobre o medo da velhice e seu descaso.

Mylla Martins de Lima

Published

on

A quadrinista novaiorquina Lucy Knisley presenteou a todos com essa HQ linda publicada pela editora NEMO, selo da editora Autêntica, em 2017.

Resultado de imagem para deslocamento lucy kinsley

Trata-se de uma autobiografia ilustrada sobre uma viagem que Lucy fez junto à seus avós. Esses planejam uma viagem de navio, o que deixa seus filhos muito preocupados por ambos estarem na casa dos 90 e muito debilitados. Lucy, com seus 27 anos, mostra interesse em acompanhá-los no intuito de fortalecer laços com o casal e, possivelmente, tirar uma boa história dessa aventura.

Já no primeiro dia da viagem, Lucy descobre a fragilidade da vida no fim da terceira idade, quando seu avô, antes aviador e soldado na segunda guerra, aparece com dificuldades como incontinência e restrição na locomoção, enquanto sua avó não a reconhece. Os dois idosos precisam constantemente de sua ajuda mesmo durante as atividade mais simples, como tomar seus remédios ou escolher seu almoço.

Resultado de imagem para deslocamento lucy kinsley

Quando mais jovem, Allen, seu avô, escreveu um livro de relatos sobre sua vida na guerra e o mesmo presenteou sua neta com um exemplar. O carinho pelo livro é tão forte que, dentro da história, algumas lembranças de seu avô também são ilustradas à medida que Lucy o lê. A menina faz de tudo para tornar a viagem especial, mesmo que ela tenha que se desdobrar para fazê-los aproveitar o máximo.

Resultado de imagem para deslocamento lucy kinsley

Longe de ser um livro pesado, Deslocamento é emotivo por sua sensibilidade. Ele oscila entre a atmosfera triste da velhice e a onda tropical caribenha. É nessa explosão de descobertas que Lucy acaba desvendando a si mesma além de ter maior entendimento sobre assuntos relacionados à família, à idade e à morte.

A autora-personagem aborda questões pertinentes além das relacionadas a Allen e Phyllis, como formação acadêmica, expectativas, generosidade e até egocentrismo. Tudo isso colabora para o crescimento pessoal de Lucy durante os 10 dias em auto mar.

Resultado de imagem para deslocamento lucy kinsley

Sem se prender a quadros, a autora opta por formas mais livres com letreramentos inventivos, o que garante mais fluidez ao texto. Com ilustrações coloridas, garante menos melancolia nas parte sentimentais. É impossível que seu público não saia de coração quentinho pós o término do quadrinho.

A relação do ser humano com o envelhecimento sempre foi deixada em segundo plano e Deslocamento vem para mostrar a gravidade desse tipo de pensamento.

Saber lidar com a terceira idade é importantíssimo, um tema como esse deve ser lido por todos.

Continue Reading

Parceiros Editorias