Connect with us

cinema

Jack Reacher: Sem Retorno “Só é bom para quem gosta da série”

Marco Antonio Guida

Published

on

LOJA DC 4

LOJA DC 4

Em tempos onde filmes de ação vêm apostando cada vez mais no lugar-comum, temos exceções como John Wick – De Volta ao Jogo (2014) e Mad Max: Estrada da Fúria (2015). Dessa forma, Jack Reacher: Sem Retorno não faz nenhum serviço pelo gênero, oferecendo a mesmice que vemos em trocentos filmes de ação genéricos.

Dando sequência a Jack Reacher: O Último Tiro (2012), essa continuação traz de volta Tom Cruise (Missão Impossível, Top Gun) no papel principal. Na trama, o protagonista decide voltar para Virgínia, mais precisamente ao quartel general de sua antiga unidade, a 110A da polícia do exército. A visita tem um motivo: conhecer e convidar para sair a manda-chuva Major Susan Turner, vívida por Cobie Smulders (Os Vingadores). Mas, claro, as coisas não vão sair bem como Reacher esperava.

Um dos maiores defeitos é a trama genérica e confusa, o que o torna o filme extremamente chato e lembra bastante a trilogia Bourne, já que o roteiro foca muito na espionagem ao contrário do seu antecessor. Com diálogos horripilantes e bastantes clichês, Tom Cruise se esforça para entregar uma atuação decente. Cobie Smulders está no mesmo estilo da Maria Hill de Os Vingadores e Capitão América 2: O Soldado Invernal, parecendo até que é exatamente a mesma pessoa.

Tecnicamente, o filme não é nada demais. O diretor Edward Zwick (que fez trabalhos até bons, como Diamante de Sangue) traz ângulos e planos que lembram muito o que Paul Greengrass fez na trilogia Bourne. Por outro lado, as cenas de lutas são muito bem coreografadas e bem dirigidas, fazendo você sentir a porrada que Jack dá ou recebe. Já a trilha de Henry Jackman (Capitão América 2: O Soldado Invernal e Capitão América 3: Guerra Civil) é uma das coisas aceitáveis do filme, conseguindo criar bons temas, mas nada marcante.

Jack Reacher: Sem Retorno é um longa de ação extremamente genérico e sem alma. Nesse caso, nem mesmo com Tom Cruise faz valer a pena o preço caro de um ingresso, ainda mais com A Chegada, Doutor Estranho e Animais Fantásticos e Onde Habitam em cartaz. Só recomendaria para quem gostou muito do primeiro ou é fã dos livros.

Marco Antonio Guida
Apaixonado por cinema, games, quadrinhos e principalmente Star Wars. Co-Fundador do canal do YouTube Bora Fazer Um Curta?
Comments