Connect with us

séries

Katy Keene, spin-off de Riverdale, tem sua estreia marcada na HBO

Daiane de Mário

Published

on

A série dramática KATY KEENE, baseada em personagens da Archie Comics, se soma ao catálogo de produções da HBO Latin America inspiradas em quadrinhos, como as recém-estreadas O MONSTRO DO PÂNTANO, SHAZAM e WATCHMEN, da DC Comics. Esta nova série de 13 episódios de uma hora cada, desenvolvida por Roberto Aguirre-Sacasa (Riverdale) e Michael Grassi, estreia no dia 6 de março, às 21h, na HBO e na HBO GO.

Katy Keene é um spin-off da série Riverdale e narra a vida e os amores de quatro personagens icônicos da Archie Comics – a futura lenda da moda Katy Keene, a cantora e compositora Josie McCoy, o artista Jorge López/Ginger e a “it girl” Pepper Smith – enquanto eles correm atrás dos seus sonhos em Nova York.

Katy (Lucy Hale) cria roupa para qualquer um que pedir, como sua amiga e vizinha Josie (Ashleigh Murray), cujo talento como cantora chama a atenção de Alexander Cabot (Lucien Laviscount), CEO de uma gravadora que busca reerguer o império empresarial do pai. Mas o sonho de Alexander assinar um contrato com Josie encontra resistência da vice-presidente sênior de Cabot Media, Alexandra (Camille Hyde), que além de sócia também é irmã gêmea dele.

Enquanto isso, Jorge (Jonny Beauchamp) – vizinho de Josie e Katie que trabalha na vinícola da família e sonha em chegar à Broadway – espera poder desenvolver com sucesso sua carreira como a drag Ginger depois de várias tentativas frustradas. Já a misteriosa Pepper Smith (Julia Chan) planeja abrir sua própria versão da famosa Factory de Andy Warhol: ela tem as conexões, mas ninguém sabe claramente como conseguiu o dinheiro, nem se realmente conta com os recursos para isso.

.

Já Katy tenta lidar com as pressões do seu trabalho na rede de lojas Lacy e da sua exigente chefe Gloria (Katherine LaNasa), uma famosa personal shopper. Felizmente, Katy conta com o apoio do namorado, KO Kelly (Zane Holtz), cujo sonho é ser lutador profissional de boxe.

Enquanto buscam seus espaços nas passarelas, na gravadora, na Broadway e na vida social de Nova York, estes jovens vão encontrar algo a mais do que uma carreira na cidade das oportunidades: uma amizade para a vida toda.

A série KATY KEENE tem direção de Maggie Kiley e roteiro de Roberto Aguirre-Sacasa e Michael Grassi.

A série é uma produção da Berlanti Productions, em associação com A Archie Comics, a Warner Bros. Television e a CBS Television Studios.

O aguardado spin-off de Riverdale chega na HBO e na HBO GO no dia 6 de março

professora de História, mãe em tempo integral e amante de tudo que envolve super heróis, desde chaveiros até filosofia! Fã incondicional da Mulher Maravilha e Sandman, mesmo sendo DcNauta criou um filho Marvete.

Advertisement
Comments

séries

Live-action de Avatar: A Lenda de Aang chega na Netflix em 2021

A animação original está disponível na Netflix.

Avatar

Published

on

Anunciado em 2018, a Netlix está produzindo uma série em live-action da animação da Nickelodeon “Avatar: A Lenda de Aang“. Embora ainda não se saiba de todas as informações a EW reuniu em um post para os fãs ansiosos tudo que se sabe até agora.

Zuko enfrenta Azula em novo live-action de Avatar: A Lenda de Aang ...

Na animação, em um mundo devastado pela guerra de magia elementar, um jovem garoto desperta para empreender uma perigosa busca mística para cumprir seu destino como Avatar e trazer paz ao mundo. Os criadores originais Bryan Konietzko e Michael Dante DiMartino liderarão o projeto como showrunners e produtores executivos, que terá como base o produto original. Dan Lin é um produtor executivo da nova série, ele tem em seu currículo a franquia Lego Movie, os dois capítulos, os filmes de Sherlock Holmes com Robert Downey Jr. e a adaptação para Death Note da Netflix.

A série ainda irá reunir estrelas originais como Jeremy Zuckerman, compositor de Avatar: A Lenda de Aang e sua sequência, A Lenda de Korra, que irá compôr músicas para o novo show. Bryan Konietzko revelou no Instagram que espera envolver Dante Basco, também conhecido como a voz de Zuko, de “várias maneiras”, mas não como seu personagem original.

Sobre a escalação dos atores, o programa terá um “elenco culturalmente apropriado e sem embranquecimento”, diferente da adaptação de M. Night Shyamalan em 2010. Em março desse ano eles ainda estavam na fase de desenvolvimento/pré-produção e pediu aos fãs que fossem pacientes. Os atores infantis terão a idade apropriada e terão entre 10 e 15 anos, o que significa que os artistas de Aang (12), Toph (12), Katara (14) e Sokka (15) estarão próximos de seus personagens.

Prevista para a estrear esse ano, assim como diversas produções da indústria, Avatar: A Lenda de Aang também teve que ser interrompida por conta do COVID-19. Embora 2020 não esteja perto do fim, a estreia em 2021 no serviço de streaming é mais realista.

Os fãs da animação podem assistir as 3 temporadas na Netflix.

Continue Reading

séries

Assista os erros de gravação da 3ª temporada de “Dark”

Em qual mundo eles estão rindo? Em qual tempo se atrapalharam?

Avatar

Published

on

A Netflix divulgou hoje (07) um vídeo descontraído do elenco da aclamada série Dark. A série chegou ao fim de forma brilhante e agora os fãs podem finalmente relaxar e rir um pouco. Confira:

Confira nossa crítica da temporada final de “Dark”

Dark é a primeira série alemã original Netflix. A série se passa na cidade fictícia de Winden, na Alemanha, que sofre o impacto do desaparecimento de uma criança, que expõe os segredos e as conexões ocultas entre quatro famílias locais, enquanto elas lentamente desvendam uma sinistra conspiração de viagem no tempo que abrange várias gerações. Ao longo da série, Dark explora as implicações existenciais do tempo e seus efeitos sobre a natureza humana.

As três temporadas de Dark estão disponíveis na Netflix.

Continue Reading

Analises

Pequenos Incêndios por Toda Parte “Tensões raciais por toda a parte”

Pequenos Incêndios por Toda Parte | Uma das séries mais relevantes em anos.

Michele Alves

Published

on

Eu vim para encontrar o estrago / e os tesouros que perduram”* Os versos do poema de Adrianne Rich aparecem no primeiro episódio de Pequenos Incêndios por Toda Parte bordados na camiseta da jovem Pearl Warren e ilustram a primeira cena da série, quando vemos a casa dos Richardsons em chamas e o olhar devastado de Elena Richardson. O espectador logo é convidado a se perguntar: “Quem colocou fogo na casa?”, “O que explodiu nessa história para que tudo chegasse a esse ponto?”

Baseada no romance de Celeste Ng, publicado em 2017, Pequenos Incêndios por Toda Parte é uma minissérie de drama, de 8 episódios, protagonizada por Kerry Washington e Reese Witherspoon. Distribuída pelo Hulu em Março de 2020, chegou ao Brasil pelo Amazon Prime Video e dá sequência ao projeto de Reese Witherspoon de produzir séries protagonizadas por mulheres, depois dos sucessos de Big Little Lies e The Morning Show.

A trama tem como narrativa central o conflito entre Mia Warren (Kerry Washington) e Elena Richardson (Reese Witherspoon), duas mulheres, duas mães, cujas histórias se chocam e trazem à superfície os segredos, traumas e os sacrifícios que cada uma fez para seguirem suas vidas.

Ambientada no final dos anos 90, Pequenos Incêndios por Toda Parte se passa na comunidade de Shaker Heights, Ohio. A comunidade planejada foi uma das primeiras cidades dos Estados Unidos a integrar brancos e negros. Coisa que alguns personagens não deixam de mencionar, quando confrontados com o racismo velado que permeia nas relações entre os personagens. A medida que a história se desenvolve, percebemos que a integração da comunidade é superficial e quando nos aprofundamos na vida de cada personagem, percebemos que é apenas um mito.

A tensão racial é um dos assuntos que aparecem logo no primeiro episódio. Elena (Reese Witherspoon) é uma mulher branca, rica, mãe de quatro filhos cujo altruísmo é motivado pelo desejo de se sentir bem consigo mesma. Com uma interpretação incrível de Reese Witherspoon, Elena demonstra em vários momentos o que é a culpa branca, a condescendência da personagem ao se notar superior àqueles considerados por ela, menos favorecidos. O racismo da personagem se mostra em pequenos momentos, por exemplo, quando ela menciona que sua mãe marchou com Martin Luther King toda vez que o namorado da filha Lexie (Jade Pettyjohn), Brian ( SteVonté Hart), vai jantar em sua casa.

Mia (Kerry Washington) é uma artista que não tem endereço fixo, viaja de cidade em cidade com a filha, Pearl (Lexi Underwood), usando cada lugar por onde passam, como um objeto a ser explorado por sua arte. Mia é uma personagem misteriosa, guarda muito para si. Kerry Washington está brilhante e se destaca ao viver essa personagem que carrega segredos e dores, muitas vezes traduzidas no silêncio, nos olhares carregados de trauma, medo, raiva e sua postura crítica em relação a nova cidade e seus moradores. 

A série também conta com um elenco adolescente muito bem escalado, além de Lexi Underwood, Megan Stott também se destaca como a jovem Izzy. Dentre os assuntos abordados, também estão presentes o machismo, LGBTfobia, bullying, relações interraciais e a aceitação que cada adolescente busca de seus pais, de seus amigos e de sua comunidade. Esses adolescentes rapidamente se percebem presos no conflito das duas mães, sentem as consequências da tensão crescente de tudo que uma desistiu e do que a outra se negou a abandonar. 

A trilha sonora é recheada de músicas que marcaram a década, e vão moldando a sensação de tensão que temos ao assistir a história. Um destaque da trilha sonora são os covers gravados para a trilha sonora original, contando com uma versão lindíssima de Uninvited, música de Alanis Morissette, cantada por BELLSAINT. 

Pequenos Incêndios por Toda Parte é uma série extremamente relevante em 2020. Aborda a questão da  maternidade de forma crua, questiona sobre o que é ser mãe: desistir de tudo ou se recusar a desistir de qualquer coisa? Quais sacrifícios uma mãe precisa fazer? Quando não resolvemos o passado, ele eventualmente nos alcança, afetando a todos a nossa volta. 

A história também fala sobre como mulheres nem sempre são iguais perante à sociedade, a vida das personagens é definida por suas raças e classes. Essas diferenças sociais são exploradas pouco a pouco. Todas as mulheres na série sofrem com machismo, mas nenhuma delas vivenciam situações iguais, o contexto de suas vidas, a classe, a cor da pele têm um peso fundamental ao influenciarem as escolhas de vida de cada uma delas. As dificuldades de uma, difere da outra e o privilégio e a desigualdade nunca deixa de permear as relações entre a família dos Richardsons e Warrens, além dos personagens secundários. A série acerta ao retratar mulheres complexas, multidimensionais que carregam consigo o peso de uma vida cheia de escolhas difíceis.

Cada explosão evidencia as violências sofridas pelas personagens, todo segredo é uma faísca ao ponto de cada narrativa ser um combustível a mais para a tensão que se alastra como fogo e explode na vida dos personagens. Pequenos Incêndios por Toda Parte é uma história sobre os desastres inevitáveis e o que resiste em meio aos destroços.

Pequenos Incêndios por Toda Parte esta disponível no Amazon Prime.

Continue Reading

Parceiros Editorias