Connect with us

Colunistas

COLUNA | Literatura nacional – Por que é tão difícil ser autor no Brasil?

Graziele Fontes

Published

on

LOJA DC 4

Quando você gosta muito de algo, sempre acaba seguindo aquilo profundamente. Como é o meu caso. Além de escritora e blogueira, sou uma leitora voraz e participo de muitos grupos literários e, muitas vezes, a comunidade literária se entende e se ajuda, mas quando se trata de obras nacionais, se torna muito complicado.

Da mesma forma que vemos polêmicas sobre inúmeros assuntos, onde a sociedade impõe sua opinião (liberdade de expressão é bem vinda, claro, mas o que é uma verdade para você, não é para o outro), com críticas para lá de destrutivas.

Recentemente, vi uma autora sendo alvo de críticas e boicotes porque seu livro, de época, Romantizava a Escravidão e assim as pessoas deduziram que a obra fazia apologia a escravidão de uma forma que, aos olhos delas, não era certo. Claro, sua sinopse podia ser melhor elaborada, mas isso não sou eu, você ou qualquer outra pessoa que decide, pelo contrário, fica a critério de a autora decidir se precisa melhorar ou não. Entretanto, a desordem foi tão grandiosa que começaram a difamar seu livro e a boicotá-la.

Mas neste post não vou falar sobre a história em si, venho falar sobre algo muito mais complexo que vem se denegrindo dia após dia e que está perdendo o controle. Leitores. Leitores que encontram motivos para criticar, boicotar, ir ao perfil da autora e enchê-la de comentários capazes de destruir a autoestima de alguém. Quando vi minha timeline no facebook se encher de mensagens de ódio para com aquela autora, fiquei em choque. Automaticamente me veio a mente: eu não quero mais publicar meus livros. Não porque tenho medo de críticas construtivas. Isso eu sou a favor, sempre procuro melhorar a cada livro que escrevo, mas isso o que as pessoas que se dizem leitores estão fazendo não é crítica construtiva.

Hoje reclamam de autores que escrevem sobre personagens brancos, magros e fitness, mas quando falam sobre negros, LGBTQs, estupros, distopias e muitos outros assuntos de suma importância, dizem que nós, autores, não vivemos nesse mundo para abordar esse tipo de assunto em um livro. Acontece que, escrever é criar e isso vem da criatividade de cada um. Cada um escreve sobre o que quiser, da forma que quiser. Se você não gosta de como aquele autor abordou, parte para outro livro e vida que segue, porque escrever é também um entretenimento, da mesma forma que ler. É a forma que nós usamos para escapar de nossa realidade ou muitas vezes usamos o que vivemos e escrevemos para ver uma forma melhor de suportar aquilo.

Eu gostaria e acho que a maioria das pessoas iriam gostar também que houvesse mais empatia. Vamos nos colocar no lugar do outro, vamos analisar algo através do que achamos, mas que realmente conhecemos sobre aquilo que estamos falando. Vamos criar nossas próprias opiniões, sem nos deixar influenciar pelas opiniões dos outros. Esse mundo já está muito feio para criar atrito por tudo. Vamos apoiar nossa literatura, pois temos tantos livros bons que não são reconhecidos por causa de atitudes como esta a que tiveram recentemente para com a autora. Isso afasta cada vez mais leitores da nossa literatura que é tão rica como a de qualquer país. Por que temos que ser inferiores aos olhos de leitores, sendo que sequer dão oportunidade aos autores do próprio país?

Eu sou a favor da literatura. Seja ela qual for e de onde for. Não mantenho meu coração fechado para nenhuma história, afinal, quando leio, estou em busca de entretenimento. Quero viajar para outro lugar, conhecer novas culturas seja ela existente ou não. Essa é a beleza de escrever e ler: viajar sem sair do lugar.

E você, é a favor da literatura também?

Graziele Fontes
Escritora e devoradora de livros seja ficção, comédia, fantasia e muitos outros gêneros, o importante é a história prender sua atenção.
Comments