Connect with us

cinema

Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo! “Uma experiência afetiva incompleta”

Tassiana Chagas

Published

on

Cinco anos depois dos acontecimentos do primeiro filme, Sophie Sheridan (Amanda Seyfried) está prestes a reinaugurar o hotel que era o grande sonho de sua mãe, Donna (Meryl Streep). Para comemorar, ela decide realizar uma festa com a presença de seus três pais: Harry (Colin Firth), Bill (Stellan Skarsgård) e Sam (Pierce Brosnan) e as eternas amigas da mãe, Rosie (Julie Walters) e Tanya (Christine Baranski), ao mesmo tempo em que precisa lidar com a ausência do noivo Sky (Dominic Cooper).

Ao descobrir que está grávida, Sophie busca inspiração para a maternidade lembrando o passado da mãe. No fim dos anos 70, a jovem Donna (Lily James) viveu muitas aventuras com seu grupo musical “Donna And The Dynamos”, em parceria com Tanya (Jessica Keenan Wynn) e Rosie (Alexa Davies). Ela viajou o mundo, conheceu e viveu relacionamentos intensos com três homens bem diferentes: Harry (Hugh Skinner), Bill (Josh Dylan) e Sam (Jeremy Irvine).

No núcleo jovem, Lily James faz uma composição adorável para Donna. Carismática, talentosa e com um bom potencial vocal, Lily é o ponto alto do filme. Donna é apresentada como uma jovem destemida capaz de encantar três homens ao mesmo tempo. Buscando o seu lugar no mundo sem ter medo de novas aventuras, Donna é definitivamente uma mulher à frente do seu tempo.

Nas participações especiais, a cantora Cher faz uma participação especial interpretando Ruby Sheridan, a ausente mãe de Donna e disposta a assumir o papel de avó de Sophie. Com apenas três anos de diferença entre Cher e Meryl, soa absurdo que possam ser mãe e filha. Andy Garcia tem um pequeno papel como Cienfuegos, o charmoso gerente do hotel. Ele e Cher cantam num dueto uma das canções mais emblemáticas do ABBA: “Fernando”.

Produzida por Benny Andersson, a trilha sonora do filme, é claro, só tem composições do ABBA, como manda o musical original da Broadway. Além de ter clássicos como “Dancing Queen”, “Mamma Mia!” e “Waterloo”, a lista de canções ainda inclui “When I Kissed The Teacher”, “Andante Andante” e “Angel Eyes”.

Mamma Mia Lá Vamos Nós de Novo!

O ponto fraco de “Mamma Mia 2” é o roteiro escrito por OI Parker, Richard Curtis e Catherine Johnsson. Sim, o filme continua fofo e dando vontade de cantar e dançar. Para escrever a continuação, os roteiristas decidiram sacrificar, desnecessariamente, a personagem que é a alma do filme. O roteiro deixa nítido que o arco narrativo da trama se esgotou, visto que os personagens adultos perderam a autonomia e só estão ali para apoiar Sophie, além de contradizer o primeiro filme em vários momentos.

Anunciado como o filme mais alto astral do ano, temos uma grande homenagem para Donna, oras fazendo sorrir ou se emocionar. Apesar de ter seus bons momentos, a ausência de Meryl Streep é profundamente sentida e perde-se um pouco do brilho. Se o primeiro filme retratava a relação de mãe e filha e a busca por seu pai biológico, a sequência é uma celebração de juventude, amizade e amor. Para quem é fã de “Mamma Mia – O Filme”, a experiência afetiva está incompleta.

Mamma Mia! Lá Vamos Nós De Novo estreia dia 1 de agosto nos cinemas.

Advertisement
Comments

cinema

Sonic – O Filme | Conheça a música tema do longa

Wiz Khalifa, Ty Dolla $ign, Lil Yatchy e Sueco The Child se juntam no novo single

Daiane de Mário

Published

on

Semanas antes da estreia de um dos lançamentos mais esperados do ano da Paramount Pictures, SONIC – O Filme, as estrelas do hip hop Wiz Khalifa, Ty Dolla $ign, Lil Yatchy e Sueco The Child se uniram em “Speed Me Up“, música tema do longa do ouriço azul.

A canção foi produzida pela produtora Take A Daytrip (Lil Nas X, Big Sean, YBN Cordae) e chega junto com um incrível material visual em que os quatro rappers são transformados em personagens do videogame Sonic. A letra é embalada por um hip hop tradicional dos anos 80 trazendo nostalgia para entrar no clima do lançamento do filme.

‘SONIC – O Filme’ é uma aventura live-action baseada na franquia mundial de vídeo game da Sega que conta a história do ouriço azul mais famoso do mundo. O longa segue as aventuras de Sonic enquanto ele tenta se adaptar à nova vida na Terra com seu novo melhor amigo humano, o policial Tom Wachowski (James Marsden). Sonic e Tom unem forças para tentar impedir que o vilão Dr. Robotnik (Jim Carrey) capture Sonic e use seus poderes para dominar a humanidade.

Dirigido por Jeff Fowler, escrito por Pat Casey e Josh Miller, e produzido por Tim Miller (Deadpool) e Neal H. Moritz (Velozes e Furiosos), além de Toby Ascher, Toru Nakahara, Takeshi Ito, Hajime Satomi, Haruki Satomi, Masanao Maeda e Nan Morales, o filme traz no elenco Jim Carrey, James Marsden, Tika Sumpter e Ben Schwartz, como a voz do Sonic, que no Brasil será dublado por Manolo Rey.

‘SONIC – O Filme’ estreia nos cinemas do Brasil em 13 de fevereiro

Continue Reading

cinema

Warner anuncia o início da venda de ingressos para Aves de Rapina

Longa, que estreia em 6 de fevereiro, também terá sessões na noite de quarta-feira, 5 de fevereiro

Daiane de Mário

Published

on

Os ingressos para o aguardado filme Aves de Rapina (Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa) começaram a ser vendidos a partir de ontem, 23 de janeiro. Com estreia marcada para 6 de fevereiro no Brasil, o filme é um conto distorcido narrado pela própria Arlequina, como somente a própria pode contar.

A Warner Bros. Pictures também anunciou que o filme terá sessões especiais na noite do dia 5 de fevereiro, quarta-feira. Mais informações sobre os ingressos e a programação poderão ser obtidas nos sites oficiais das redes de cinema.

Sobre o filme

Você já ouviu aquela da policial, do pássaro que canta, da psicopata e da princesa da máfia? Aves de Rapina (Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa) é um conto distorcido contado pela própria Arlequina, como somente a própria pode contar. Quando o vilão mais narcisista de Gotham, Roman Sionis, e seu zeloso braço direito, Zsasz, têm como alvo uma jovem chamada Cass, a cidade fica de cabeça para baixo procurando por ela. Os caminhos de Arlequina, Caçadora, Canário Negro e Renee Montoya se cruzam e o improvável quarteto não tem escolha a não ser se unir para derrubar Roman.

No filme da Warner Bros. Pictures, Margot Robbie (“Eu, Tonya”) retorna como Arlequina, ao lado de Mary Elizabeth Winstead (“10 Cloverfield Lane”, “Fargo”) como Caçadora; Jurnee Smollett-Bell (série da HBO “True Blood”) como Canário Negro; Rosie Perez (“Fearless”, “A Escolha Perfeita 2”) como Renee Montoya; Chris Messina (“Argo”, série de TV “Objetos Cortantes”) como Victor Zsasz; e Ewan McGregor (“Doutor Sono” e filmes da franquia “Trainspotting”) como Roman Sionis. A novata Ella Jay Basco também estrela como Cassandra “Cass” Cain em seu primeiro filme.

Dirigido por Cathy Yan (“Dead Pig”) a partir do roteiro de Christina Hodson (“Bumblebee”), o filme é baseado nos personagens da DC. Robbie também produziu o longa ao lado de Bryan Unkeless e Sue Kroll. Os produtores executivos são Walter Hamada, Galen Vaisman, Geoff Johns, Hans Ritter e David Ayer.

Previsto para estrear em 6 fevereiro de 2020 nos cinemas brasileiros

Continue Reading

cinema

Crítica – Bad Boys para sempre “Mais humor, menos ação”

Ele não se eleva comparado aos outros, mas é um bom filme pra se ver, matar a saudade e ficar com a música na cabeça.

Wendy Stefani

Published

on

Bad boys, é uma franquia que marcou gerações apaixonadas por ação policial, protagonistas bem humorados e talentosos. Em 1995, seu primeiro filme apresentou Marcus Burnett (Martin Lawrence) e Mike Lowrey (Will Smith) dois policiais do departamento de polícia de Miami que juntos, tentam combater o crime com muitas cenas carregadas de briga, confusão e heroína.

Em seu segundo filme, os policiais conseguiram superar seu antecessor com um orçamento que passou dos 23 milhões de dólares, duplicando o cachê dos astros e caracterizando um filme com um enredo cheio de sequências de ações extraordinárias, como aquela em que 15 carros são arremessados de uma jamanta nos heróis, inclusive um barco, com muita explosão e dezenas de outras colisões, tudo isso em uma ponte.

Com a direção de dil El Arbi e Bilall Fallah e roteiro de Joe Carnahan e Chris Bremner, desta vez, na sequência  de “Bad boys para sempre” os detetives do departamento de narcóticos de Miami, estão envolvido em mais uma investigação com uma conspiração mortal envolvendo um dos agentes, nosso querido Mike Lowrey.

O filme se inicia mostrando a trajetória dos agentes e como suas escolhas os transformaram e impactaram suas vidas, fazendo serem o que são. Mike, continua apaixonado por sua vida e  seus carros, enfatizando que em todos os filmes ele está com um Porsche novo, seu modelo favorito de carro, carregado de velocidade e adrenalina. E Lowrey continua apaixonado por sua família e filhos, buscando somente um descanso e paz longe da violência e adrenalina policial.

As cenas da franquia conservam o humor encontrados nos enredos anteriores. Smith e Lawrence voltam para esses personagens facilmente e mostram como o tempo passa pra todos,  na verdade, mesmo após tantos anos, a parceria e companheirismo fica bem evidente nas cenas e como sempre, Lawrence permanece um resmungão e tagarela, e Mike carrega sua fiel personalidade, embora desta vez seja mais amena. A relação dos dois continua ainda mais divertida do que antes e é justamente essas brigas e conflitos comediantes que salva boa parte do filme.

Mais humor, menos ação

Comparado com os filmes anteriores este apresenta menos cenas de ação, e bem menos empolgantes. É evidente que Lawrence esta fora de forma e Smith acaba fazendo quase todas as poucas cenas que envolve força e movimentos extremos que existem nesse gênero de filme. Apesar disso, as cenas são boas, se não forem comparadas com os filmes anteriores, claro.

É empolgante ver os dois atuando, afinal, são grandes atores que conseguem entrar no personagem de forma única, mas eles não tentam elevar o nível nessa nova sequência, então é melhor não criar muitas expectativas.

O enredo é carregado de conflitos entre relações, e é neste contexto que algumas verdades surpreendentes sobre Mike são reveladas, além de uma inestimável perda para os agentes.

Novos agentes

Para auxilio nessa nova jornada o enredo inclui os novos agentes interpretados por: Paola nuñes, Charles Melton, Alexander Ludwig, e Vanessa Hudgens. Uma das coisas emocionantes foi ter uma nova visão de Hudgens, fora da bolha de personagens de comédia romântica e Disney, sinceramente, sua atuação em filmes de ação é bem melhor do que nos de romance.

A nova equipe parece ter sido colocada justamente para auxiliar os personagens que já parecem bem cansados com sua longa jornada, principalmente Lawrence que esta fora de forma e não parece mais conseguir atuar com tantas cenas de ação. 

O filme também mostra um novo romance para Mike e tem uma reviravolta inesperada, o que não se via nos filmes anteriores. Ele não se eleva comparado aos outros, mas é um bom filme pra se ver, matar a saudade dos personagens juntos e ficar com a canção dos bad boys na cabeça.

Sua estréia está prevista para dia 30 de janeiros nos cinemas, não percam!





Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido