Connect with us

Colunistas

Marcelo Hessel – O dia que o colunista do Omelete não estava bem

Edi

Published

on

LOJA DC 4

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.

Era uma segunda qualquer e nada de mais estava acontecendo no mundo nerd, umas coisas ali, outras aqui, mas nada fora do comum. Ai quem me surge? Marcelo Hessel e desta vez ele não estava falando mal da Warner (como algumas pessoas conseguem notar bem em algumas criticas exageradas ao Universo DC) mas mesmo assim ele foi além, desconsiderou a historia e injetou a “sua verdade” no site do Omelete ao afirmar que CAPITÃ MARVEL é o principal ícone do feminismo nos quadrinhos de super-heróis. Sim, a arma foi apontada e ele atirou, BANG, pena que errou todos os alvos possíveis, pena que errou até no próprio senso do ridículo, ao querer de qualquer maneira inserir na mente dos leitores que a Mulher-Maravilha deixou de ser a grande referencia feminista.

Tínhamos um colunista no CDL chamado Diego Lanza, e ele vivia falando que odiava o Hessel, pena que demorei para descobrir e porque. *Na década de 40 a Mulher-Maravilha foi concebida para ser um símbolo da luta feminina, seu papel relegado ao de secretária da Sociedade da Justiça não ajudava a afirmar seus ideais. Apesar da Mulher-Maravilha ter sido criada por um psicologo com intenções nada convencionais, ela rapidamente se tornou um ícone da não submissão aos homens, se tornando referencia para muitas. Hessel desconsiderou o fato de que a Capitã Marvel para o publico em geral (que não curtem ou não conhecem quadrinhos) é uma personagem quase que desconhecida para muitos, talvez somente com o filme programado para 2017 ela se torne parte da mitologia feminista em geral. Este ano, não só sendo um ícone feminista para a maioria como sendo uma mãe para os homossexuais, a Mulher-Maravilha celebrou um casamento lésbico

Mulher-Maravilha é a mais popular heroína do sexo feminino de quadrinhos de super-heróis de todos os tempos. Além de Superman e Batman, nenhum outro personagem de história em quadrinhos tem durado tanto tempo. Como qualquer outro super-herói, ela tem uma identidade secreta; ao contrário de todos os outros super-heróis, ela tem uma história secreta.

Superman veio primeiro em 1938. Batman começou à espreita nas sombras, em 1939. Mas tudo começou com uma arma. Em 1 de setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polônia. Dois dias depois, a Grã-Bretanha e a França declararam guerra à Alemanha. Em outubro de 1939, na Detective Comics, Batman matou um vampiro, atirando balas de prata em seu coração. Na próxima edição, ele disparou uma arma para dois capangas do mal. Quando Whitney Ellsworth, diretor editorial da DC Comics, viu aquilo decidiu que Batman não iria mais usar armas.

Super heróis não eram soldados; eles eram cidadãos. E assim, no final de 1939, um dos escritores de Batman elaborou uma nova história de origem para ele: quando Bruce Wayne era um menino, seus pais haviam sido mortos diante de seus olhos, mortos a tiros. Não só Batman não possuía uma arma como Batman odiava armas.

Em 8 de maio de 1940, o Chicago Daily News declarou guerra as HQs. “Dez milhões de dólares desses seriados de terror e sexo são vendidos a cada mês”, escreveu Sterling, editor literário do jornal. “A menos que nós queremos uma próxima geração ainda mais destruída, pais e professores em toda a América têm de se unir para acabar com estas revistas”

Vinte e cinco milhões de leitores solicitado reimpressões de artigo do escrito no jornal, em que ele chamou quadrinhos de “uma vergonha nacional”.

No calor da polêmica, uma escritora de uma revista jovem chamada Olive Byrne, armou um artigo para seu editor no Family Circle – a melhor forma de explicar às mães americanas se os quadrinhos eram perigosos para as crianças era colocar o Dr. William Moulton Marston, ele havia feitos trabalhos em Harvard escrevendo roteiros para filmes mudos. Ele inventou o detector de mentiras. Ele tinha sido um advogado e um cientista, um romancista e professor.

Byrne publicou o seu artigo em outubro de 1940. “Você acha que os quadrinhos são uma boa leitura para as crianças?”, Perguntou ela a Marston. Na maior parte, sim, ele disse – eles são pura realização de desejos. “E os dois desejos por trás do Superman são certamente a mais sólida de todos; eles são, de fato, nossas aspirações nacionais do momento – para desenvolver um poderio nacional imbatível, e usar esse grande poder, quando nós o conquistamos, para proteger inocentes, pessoas amantes da paz contra o mal implacável “.

Byrne ficou tão impressionada que decidiu contratar Marston como um consultor. Marston convenceu William Maxwell Gaines (editor de umas das subsidiarias da DC) que era realmente necessário que para combater os ataque aos quadrinhos era a criação de uma super-heroína. Na primeira vez, Gaines ignorou. Cada mulher nas HQs era um fracasso, disse a Marston, (o que não era estritamente verdadeiro). “Mas eles não eram super-mulheres”, rebateu Marston. “Elas não eram superiores aos homens.” Uma super-heroína Marston insistia, era a melhor resposta para os críticos, uma vez que a “pior ofensa dos quadrinhos era a sua masculinidade horripilante”. Em fevereiro de 1941, ele apresentou um projeto de datilografada da primeira parte de A Suprema Mulher-Maravilha.

Marston gostou mas depois de uma reunião ele tirou “Suprema”. É melhor chamá-la apenas de “Mulher-Maravilha”.

O que ela se parece? Venus de Botticelli? A estátua da Liberdade? Greta Garbo? Marston gostava de dizer que a Mulher Maravilha era para ser “propaganda psicológica para o novo tipo de mulher que, creio eu, deve governar o mundo”, mas nem ele nem Gaines parece ter dado muita atenção para a contratação de uma mulher para desenhá-la.

Na década de 1910, Harry G Peter (depois chamado para ilustrar a Mulher Maravilha) tinha sido um artista de um periódico de humor, junto com a cartunista feminista Annie Lucast Rogers, ele contribuiu para sua revista regular, a mulher moderna. Rogers gostava de retratar as mulheres que quebram as cadeias de sua escravização aos homens: Peter puxou a Mulher-Maravilha da mesma maneira.

Ela tinha que ser forte e ela consequentemente era independente. Todos concordaram sobre as pulseiras – que foram inspirados por um par simbólico de pulseiras (ou braceletes) usadas por Olive Byrne – ela poderia parar balas com eles. Além disso, esta nova super-heroína tinha que ser bela; ela usaria uma tiara, como a coroa premiada no concurso de Miss América.

Marston queria que ela fosse contra à guerra, mas ela tinha que estar disposta a lutar pela democracia. Na verdade, ela tinha que ser super patriota. Capitão América, um novo super-herói, usava uma bandeira americana: calças azuis, luvas vermelhas, botas vermelhas, e, em seu torso, listras vermelhas e brancas e uma estrela branca. Como o Capitão América – porque do Capitão América – Mulher Maravilha teria que usar vermelho, branco e azul, também. Mas, idealmente, ela também usava muito pouco de tudo.

Para vender revistas, Gaines queria que ela fosse tão nua quanto pudesse ser. Harry G Peter tem suas instruções: desenhar uma mulher que é tão poderosa como o Superman, sexy, seminua como a Sheena e tão patriótica como Capitão América. Ele fez uma série de esboços.

Sanger que iniciou uma revista chamada a Mulher Rebelde. A “base do feminismo”, alegou que a Mulher-Maravilha tinha estar no controle de uma mulher sobre o seu próprio corpo “o direito de ser mãe, independentemente da igreja ou do estado”. Podemos dizer que o feminismo moldou a Mulher Maravilha.

E então, na década de 1970, com o movimento de libertação das mulheres – cujo ícone era a Mulher Maravilha – com a personagem refeita para o feminismo. (Em 1972, Gloria Steinem e os outros fundadores da revista Ms escolheram a Mulher Maravilha para ser a garota da capa de sua primeira edição, no final da década, ela teve sua própria série de TV, estrelado por Lynda Carter.)

Mulher-Maravilha não é como outras super-heroínas. Sua história não se encontra dentro da história dos quadrinhos; que se situa dentro da história da política. Superman tem uma dívida com a ficção científica, Batman para o detetive Hard-Boiled. Mas a historia da Mulher Maravilha é a luta pelos direitos das mulheres – uma história que Herssel não lembrou quando escreveu seu artigo.

Edi on FacebookEdi on InstagramEdi on Twitter
Edi
Produtor, escritor nas horas vagas, administrador, editor e fundador do site CDL.
Comments