Connect with us

HQs

PerifaCon – “existe nerd inclusive na quebrada” diz organizador

Chamado de Comic Con das favelas, o evento reuniu mais de 4 mil pessoas em São Paulo

Ana Beatriz Felicio

Published

on

Colaborou: Viviana Bastos

No dia 24 de março a Fábrica de Cultura do Capão Redondo, na zona sul da capital paulista ficou repleta de fãs de cultura pop, nerd e geek. O público de mais de 4 mil pessoas pode encontrar diversas atrações, como concurso de cosplay, exposições, oficinas, palestras e compras com preços bem acessíveis, tudo com entrada gratuita.

O PerifaCon nasceu do incômodo que 7 amigos das periferias de São Paulo (Andressa Delgado, Igor Nogueira, Luíze Tavares, Mateus Ramos, Matheus Polito, Pedro Okuyama e Gabrielly Oliveira)  sentiam em relação à falta de eventos de cultura pop/nerd nas periferias.

O evento reuniu um time de cerca de setenta voluntários
Foto: Jeferson Delgado/ Kondzilla

Com financiamento coletivo, patrocínios e voluntários, a primeira edição do PerifaCon foi um grande sucesso e mostrou como a quebrada também consome e produz cultura geek.

Batemos um papo com um dos organizadores, o assistente de produção cinematográfico, Mateus Ramos, 22, sobre a importância do evento, representatividade e muito mais. Saca só:

Cabana Do Leitor: De onde surgiu a ideia para realizar o PerifaCon?

Mateus Ramos: O PerifaCon nasce da discussão de sete amigos em torno de como a quebrada consome cultura nerd e o acesso a esse tipo de evento. O quanto que a quebrada sofre essa carência de eventos nerds, mas não porque ela não consome e sim, porque realmente não tem.

CDL: Como foi o corre para colocar o PerifaCon de pé? Quanto tempo demorou entre as primeiras conversas e o evento?

MR:  Desde a conversa até a criação da campanha demorou aproximadamente um mês e meio. A viabilização do evento começou com o crowdfunding, no Benfeitoria [site de financiamentos coletivos]. Aí depois disso, a gente foi atrás de patrocínio e foi bem corrido, fizemos com o orçamento um pouco apertado, uma parte do dinheiro do Benfeitoria e outra do patrocínio.

Participantes do PerifaCon, que aconteceu no Capão Redondo
Foto: Rosa Caldeira/Ponte Jornalismo

Um dos problemas também era conseguir juntar todos os organizadores para fazer reuniões e organizar a produção do evento, porque a maioria dos integrantes da equipe trabalhavam na época.

CDL: Quantas pessoas participaram do evento?

MR: A gente teve um público estimado de quatro mil pessoas. Tivemos sete pessoas atuando na produção, além dos voluntário no dia, que foram em volta de setenta, que deram uma força crucial. A montagem da Fábrica aconteceu um dia antes e já tinha voluntário com a gente, ajudando.

CDL: Na sua opinião, atualmente a cultura geek é elitizada? Por quê?

MR: Olha, na minha opinião a cultura geek ela é elitizada por uma questão cultural. Eu acho que isso vem mudando, com outras propostas de consumo. Antigamente muito do conteúdo geek era visto só em tevê a cabo, os livros e quadrinhos eram muito caros, então era tudo muito em um nicho. Mas hoje, com a popularização dos super-heróis nas telas de cinema consequentemente, indo pra streaming, para canais digitais, isso se popularizou. Mas ainda tem muito a ser mudado.

CDL: Dentro desse contexto, porque foi tão importante realizar o evento?

MR: Você ter esse tipo de evento na quebrada é muito importante por si só. As pessoas limitam muito a quebrada a eventos culturais musicais, a hip-hop, samba, funk… e a gente prova que não, né? Que na real existe nerd em todo canto, inclusive na quebrada. E aí ter um evento desse porte para galera frequentar, mostra que também têm pessoas ali.

Mateus Ramos, que em conjunto com seis amigos, organizou o PerifaCon.

Foto: Renato Souza

Eu acho que o que mais me deixou alegre no dia foi ver todo mundo muito feliz. Tinham muitas crianças e elas estavam super confortáveis, com os cosplays, com as atividades que estavam acontecendo. Tinham muitas famílias e muitas pessoas que estavam gostando de estarem lá. Vi vários sorrisos.

Inclusive, minha família foi e até minha mãe tirou foto com cosplay! O que  é algo que eu achava meio inimaginável. Tinha muitas famílias que estavam tendo o primeiro contato com esse tipo de evento, eu acho que é isso que me deixou mais feliz.

CDL: Atualmente tem se discutido bastante sobre representatividade no cenário geek, principalmente no cinema. Poderia comentar um pouco sobre isso?

MR: Representatividade é mais do que necessário. Existe um imaginário aí de que minorias não produzem ou não estão nesse mercado geek. Na real, elas produzem e estão no mercado, elas só não são vistas, ou às pessoas não as querem ver.

Eu acho que é necessário sim ter essa discussão, acho que as coisas vêm mudando, Pantera Negra é o melhor exemplo no Universo do cinema, porque consegue desestigmatizar uma minoria e colocá-la como protagonista. Independentemente do que essa minoria represente, eu acho que ela  tem que ser protagonista, porque ela também consome e produz, é super necessário. Acho que temos que caminhar muito ainda, mas a gente está no caminho certo.

CDL: E agora, quais são os planos para o futuro? A Perifacon quer fazer uma segunda edição?

MR: A PerifaCon está se estruturando. Estamos com uma campanha de financiamento recorrente, que visa que a gente tenha uma estrutura mínima, porque uma das dificuldades foi não termos um espaço onde pudéssemos nos reunir em horário comercial. Então, o próximo passo, é a gente se estruturar melhor.

Estamos pensando sim em uma segunda edição, sem lugar definido ainda. A Perifacon continua, a gente está aí a procura de apoio. Não queremos parar, porque a gente viu a importância que o evento tem. É algo da quebrada pra quebrada e a ideia é ser algo itinerante, que várias quebradas possam viver.

Jornalista apaixonada por literatura e cinema. É daquelas que sempre está viajando, seja com pouca grana e uma mochila, ou mesmo com um bom livro. Quando criança, queria ser a Princesa Leia ou a Hermione. Atualmente anda por aí tentando ser o melhor das duas. Repórter da Agência Mural de Jornalismo das Periferias.

Advertisement
Comments

HQs

Tom King sugere que colaboradores ganhem título de criadores

Avatar

Published

on

Tom King, famoso escritor do Batman, publicou em seu Twitter dizendo acreditar que o título de criador deveria ir além de Bob Kane e Bill Finger e incluir os artistas que ajudaram a definir o personagem.

Nesta Bat-Semana, A TNT estava incentivando opinião controversas que o público tem sobre o Batman. Nesse meio tempo, o escritor nomeou Denny O’Neil, Neal Adams, Steve Englehart, Marshall Rogers e Frank Miller como os cinco artistas que ele acrescentaria aos criadores do Batman.

O’Neil/Adams, Englehart/Rogers e Frank Miller deveriam ser creditados como criadores do Batman. Neste momento, suas contribuições em quem é o Batman são igual ou até ultrapassam Kane/Finger.

No início dos anos 70, Denny O’Neil e Neal Adams trabalharam juntos em várias histórias do Batman. Foi durante esse período, que foi tomada a decisão de trazer uma abordagem mais sombria; o que estava faltando no personagem desde a série de TV Batman dos anos 1960.

A versão de Adams do traje, com a capa longa e as barbatanas em suas luvas, tornou-se o design definitivo de Batman pelas próximas décadas.

A participação de Steve Englehart e Marshall Rogers foi -até então- breve, mas o que era o adeus de Englehart aos quadrinhos, se tornou uma história que influenciou o filme do Batman de 1989 .

O Cavaleiro das Trevas Ressurge de Frank Miller foi um enorme sucesso em 1986 e se tornou uma influência sobre todas as histórias posteriores do Batman, incluindo na trilogia de Nolan.

Imagem relacionada

O Batman Ano Um , do Miller e do artista David Mazzuchelli, reiniciou o personagem pós-crise em Terras Infinitas.

Continue Reading

HQs

Prévia de Doomsday Clock #12 é revelada

Avatar

Published

on

DC Comics publicou tweets mostrando a prévia da última edição de Doomsday Clock, com arte de Gary Frank e Brad Anderson.

No primeiro tweet vemos a volta do Rorschach – presumivelmente Reggie Long, o segundo Rorschach – que foi visto na última edição escapando do Arkham Asylum.

No segundo mostra o Batman descendo dos céus com, parece ser, o Batplane.

E o terceiro tweet já temos o Superman e o Doutor Manhattan se encontrando.

Esperado confronto entre Superman e Dr. Manhattan
Capa da última edição

Doomsday Clock #12 estará à venda em 18 de dezembro nas lojas nos Estados Unidos. Até o momento desta matéria, não há datas para publicação no Brasil.


Continue Reading

HQs

JOKER: KILLER SMILE #2 de Jeff Lemire chega em dezembro

Pedro Augusto

Published

on

killing smile

O sorriso cheio de dentes do Coringa ganha o nome desta série neste primeiro olhar de Joker: Killer Smile # 2 de 18 de dezembro – junto com um olhar bônus na nova capa de Killer Smile # 3.

killing smile
killing smile
killing smile
killing smile
killing smile

.

JOKER: SORRISO DO ASSASSINO # 2
escrito por JEFF LEMIRE
arte e capa por ANDREA SORRENTINO
capa variante por JEFF LEMIRE
Ben Arnell prometeu uma coisa à esposa e ao filho: mesmo que ele gaste seus dias tentando chegar ao fundo da loucura do Coringa, ele nunca traria essa loucura para casa. Não importa a escuridão do trabalho, ele nunca permitiria que a loucura do Coringa destruísse sua família.
E nisso, ele falhou

A equipe criativa de Gideon Falls, vencedora de Eisner, lança em alta velocidade sua crônica crítica da influência destrutiva do Coringa, com uma questão que transforma toda a história em sua cabeça, com conseqüências desastrosas para o Dr. Arnell!

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido