Connect with us

Fandom

Pretty Little Liars | TEORIA: Ezra Fitz é A.D

Beatriz Souza

Published

on

Pretty Little Liars exibirá seu último episódio hoje, depois de 7 anos no ar. E com isso, existem muitas teorias sobre quem é o grande vilão da temporada e a mente por trás das maldades. Nesta, a qual eu também acredito, falaremos da possibilidade de Ezra Fitz ser A.D.

  • Ezra é alguém pra se desconfiar desde o episódio piloto

No primeiro episódio, quando Ezra conhece Aria todos nós achamos lindo, mas não podemos negar que foi estranho ele não perceber que ela tinha 16 anos. E, mais tarde, descobrimos que um ano antes ele já havia namorado a Alison, mas não disse nada para Aria.

  • As pesquisar de Ezra para seu livro

Além de sua preferência por meninas menores de idade já ser algo inapropriado, vocês se lembram do livro que ele planejava escrever sobre elas. Ezra namorou Aria para poder se aproximar das outras meninas e tinha um sistema de vigilância extremamente elaborado. Quantos autores fazem isso mesmo?

  • Ezria” nunca sofreu nas mãos de –A

Parando pra analisar, o casal Ezria nunca foi ameaçado por –A. Nem mesmo quando os dois estavam em um romance ilegal e seria muito fácil para –A denunciar Ezra, pois existiam evidências claras do crime.

  • Ezra levou um tiro, mas não morreu

O que me leva a crer ainda mais nessa teoria é esse tópico. Comparando com a temporada recente de Prison Break, o fato de ele ter sido baleado e não morrer me faz pensar que ele é quem está comandando tudo e foi machucado propositalmente no final da 4ª temporada para evitar suspeitas. É um clássico.

  • Ezra é violento

Ao mesmo tempo em que o Sr. Fitz é bastante pacifico, nós já vimos ele se descontrolar diversas vezes ao longo das temporadas. Inclusive quando ele pesquisava sobre as meninas e mais recentemente.

  • As Liars ficaram 5 anos sem receber mensagens de –A, até que:

A imagem fala por si só, mas Ezra estava “adormecido” até o momento em que ele vê a Aria. Mais tarde, as mensagens voltam. Além disso, no episódio da semana passada vimos que a Charlotte não tinha se redimido e planejava continuar com o jogo. Ezra e Charlotte se conheciam.

  • As meninas receberam o jogo de tabuleiro no mesmo dia que Ezra voltou para a cidade

Enquanto as mensagens voltaram na 6ª temporada, agora na 7ª A.D quer saber quem matou a Charlotte. E se o Ezra já conhecia Cece, não é muita coincidência que elas recebam o jogo no mesmo dia que ele volta para cidade? Ezra está sempre viajando com com desculpas ruins quando coisas importantes acontecem. Desta vez, ele pode ter saído para construir um jogo de tabuleiro super elaborado.

  • A Projeto-de-Alison acusando Emily de ser inapropriada na escola

Como nada em PLL é sem propósito, eu não acredito que tenham colocado esse plot na temporada por nada. Afinal, não levou ninguém a lugar algum. Então, eu encarei como uma clara referência ao nosso professor namorador de meninas menores de idade.

  • A gravação que A.D enviou para Emily de Addison

Addison estava acusando Emily de ser inapropriada enquanto faltava aulas para se encontrar com o namorado. E na gravação que A.D enviou para Emily, a menina estava nos fundos do Brew, que pertence ao Ezra.

  • A.D escolhe dentre todas as meninas Aria para ajudar

Não é surpresa para ninguém que -A sempre pegou leve com a Aria, exceto quando o jogo estava nas mãos da Cece. E, dessa vez, dentre as 5, A.D escolheu justamente Aria para trair as amigas e, talvez, para testar sua lealdade.

  • A.D tenta separar as meninas e Ezra pede para Aria fugir com ele

O tópico já é autoexplicativo e altamente incriminador.

  • A.D elogia a roupa de Aria

“Você fica bem de uniforme!”

Um elogio de A.D nunca é boa coisa, mas quem viu Aria saindo do apartamento com o capuz preto? Ezra. Além disso, a conta oficial de PLL no Twitter postou algo realmente suspeito.

“Aquele momento em que você é pega roubando o casaco do seu namorado”

  • Ezra não fica surpreso com o arquivo da polícia que Aria preencheu

Quando você é professor e namora sua aluna menor de idade, seria normal viver apreensivo, afinal é possível ir para a cadeia a qualquer momento. Mas quando Aria conta sobre o arquivo que preencheu dizendo que ele havia abusado dela na época do livro, ele não ficou nem um pouco surpreso. E levou tudo numa boa.

  • A.D convida Mona para comer torta e quem sempre adorou torta?

Quantas vezes Ezra já não demostrou seu amor por torta durante a série? E, apesar de Caleb ter agido de maneira estranha mencionando a torta do Mona, o foco ainda está no Ezra. Ou estariam eles se ajudando?

  • As peças da Aria e o novo telefone estavam no Brew

E não apenas isso, justamente quando Ezra estava no aeroporto e desiste de viajar, encontrando Spencer e agindo de forma suspeita ao redor da Liar.

  • Aria sonha com Ezra sendo preso

Não é a primeira vez que isso acontece, na época em que ele ainda dava aulas, ela sonhou uma vez. Porém, agora, ela sonhou também com Mona. E quem estava em contato com A.D para tentar finalizar o jogo?

  • As letras no nome de Ezra

Sabemos que Ezra mudou seu nome, ele dizia que era para se distanciar da família, mas que professor de inglês não gostaria de ter o nome de um escritor famoso? E, da mesma forma que fizeram a hashtag com o nome da Cece, tudo nos leva a crer que A.D é EzrA FitzgeralD.

  • “Till Death Do Us Apart”

Por último e não menos importante, o título do episódio final. “Até que a morte nos separe”. Quem nas fotos promocionais está vestida de noiva e no trailer diz que não pode se casar com Ezra? Ela mesma, Aria.

Além de todas essas provas, temos no trailer final a Spencer recitando a icônica frase que chocou os fãs na quarta temporada: “He’s freaking -A!” Poderia não ser nada, pois todos os outros -As foram mostrados no vídeo, mas não seria a primeira vez que uma promo revela os mistérios. No episódio passado, tivemos Mona com a Charlotte no sino da igreja e no fim das contas ela havia realmente matado a Cece.

O que vocês acham da teoria? Quais suas apostas?

O EPISÓDIO FINAL DE PRETTY LITTLE LIARS ESTRÉIA EM MENOS DE MEIA HORA NO CANAL AMERICANO FREEFORM.

 

 

Estudante de Jornalismo, apaixonada por escrever, maratonar séries e ouvir música. Caçadora de monstros com Sam e Dean nas horas vagas.

Advertisement
Comments

cinema

Coringa | Sites chamam The Hollywood Reporter de “mentiroso”

A jornalista Tatiana Siegel, do THR, disse no Twitter que não vai voltar atrás sobre a informação publicada por ela.

Edi

Published

on

By

As notícias sobre a sequencia do filme Coringa vieram inicialmente do site The Hollywood Reporter, porém dois grandes sites de cinema dos EUA chamaram o site de promover click baits “noticias falsas baseadas em fatos que aconteceram” para promover o conteúdo.

O Deadline alega que o THR – que uma semana após a abertura do Coringa, Phillips se encontrou com Toby Emmerich, chefe da Warner Bros para apresentar um portfólio de histórias de origem de personagens da DC, o Deadline afirma que a historia é tão falsa quanto as histórias anteriores de Martin Scorsese sobre a direção do primeiro filme Coringa.

Scorsese originalmente seria um produtor, mas desistiu por causa de sua agenda lotada. Várias fontes disseram que não houve uma reunião entre Phillips e Emmerich no dia 7 de outubro, e que Phillips não quer supervisionar outros filmes de personagens da DC. O que ele falou em entrevistas é que, quando Coringa estava no início, houve discussões sobre uma iniciativa da DC Black. 

Em vez disso, ele se concentrou no Coringa. Isso foi há muito tempo atrás. Phillips tem um histórico de ser seletivo: depois que The Hangover começou a bater recordes em filmes classificados como R, ele não procurou transformar sua empresa em uma fábrica de comédia.

O site The Wrap afirma que ouvindo outra fonte, confirma a informação do Deadline, que não houve reunião e que Phillips não apresentou planos para outras histórias de origem de vilões da DC. Outro indivíduo diz que qualquer conversa é preliminar, na melhor das hipóteses, sem nada concreto.

A jornalista Tatiana Siegel, do THR disse no Twitter que não vai voltar atrás nas suas informações publicadas por ela no site.

Segundo estes sites o site The Hollywood Reporter inventou a noticia como bait clique, termo para pescar pessoas, mas com conteúdo geralmente falso.

Coringa segue sem sequencia definida e Phillips não sera o arquiteto de filmes da DC Comics.

Continue Reading

cinema

Todo o amante de cinema deveria lutar pela Snyder Cut

O movimento não é sobre um filme de quadrinhos, mas sim de liberdade no cinema.

Edi

Published

on

By

Já se passaram alguns anos desde que a versão desmantelada da Liga da Justiça foi lançada nos cinemas – um filme que teve inicialmente nas mãos de Zack Snyder e depois, devido o suicídio de sua filha, foi substituído por Joss Whedon.

Depois disso, o longa foi refilmado com acréscimos de cenas mas, no geral, o trabalho original de Snyder foi destruído.

E independente do quanto você possa amar ou odiar o cineasta, uma coisa é fato: o movimento na web pela “Snyder Cut” da Liga da Justiça está atingindo patamares incríveis.

Recentemente, o ator Ryan Reynolds (Deadpool) curtiu um post sobre o pedido pela versão do diretor. A atriz indiana Huma Qureshi também manifestou seu apoio.

Jason Momoa (Aquaman) disse que viu a versão de Zack Snyder da Liga da Justiça. Isso nos leva a crer que o filme de certa maneira está pronto, porém pode ser que não esteja totalmente finalizado. O movimento nas entrelinhas é muito mais do que um grupo de fãs birrentos: Um filme para ser feito precisa de muitas aprovações e isso envolve produtores, executivos e investidores. O que na prática torna os filmes muitas vezes um não-retrato puramente artístico do diretor e do roteirista.

Nos filmes do Marvel Studios – como já bem sabemos – Kevin Feige é o homem que põe dedo em todas produções, o que tira um pouco da liberdade artística dos diretores e roteiristas… Na Disney então, nem se fala! Enquanto isso, a DC teve clássicos casos de interferência em Batman v Superman, Esquadrão Suicida e na Liga da Justiça. Consequentemente, todos estes filmes que a Warner mexeu foram mal de desempenho nas bilheterias.

É verdade que Christopher Nolan e alguns diretores tiveram carta branca para fazerem o filme que quiserem com os personagens da editora, porém essa liberdade artística se limita a seleto grupo. Assim, o movimento ‘Snyder Cut’ não sobre um filme de quadrinhos, mas sobre a liberdade no cinema.

Para meu espanto, já vi críticos de cinema de nome no Brasil, desconsiderando este movimento. Na minha cabeça não entra a ideia de que amantes de cinema são os maiores defensores de censura, justamente na área que atuam.

Em recente debate no Twitter com o jornalista Thiago Romariz, disse que por mais que Batman v Superman tenha sido um filme que não tenha tido a aceitação esperada, ele ao menos foi uma tentativa de fazer algo diferente do que a Marvel vinha fazendo (que nas palavras do cineasta Martin Scorsese “não é cinema”).

E atualmente – com excessão recente de Coringa – temos “duas Marvel” no cinema uma vez que, por mais que Aquaman tenha feito seu bilhão, isso se deve graças à fórmula desenvolvida por Feige, do qual o longa dirigido por James Wan bebeu bem.

Não importa qual a sua editora favorita. O importante é entender que todo o artista precisa de liberdade criativa e é disso que o movimento ‘Snyder Cut’ se trata. Todo o artista deveria ter direito de promover e exibir sua obra conforme ele imaginou.

A visão de Zack talvez nem melhore o filme… talvez seja uma versão pior do que a exibida nos cinemas (o que duvido muito), mas as pessoas precisam entender que o movimento vai além disso.

Continue Reading

Fandom

Animações que merecem um Live-Action da Disney

Quais filmes merecem um live-action Disney? Mayara Baunilha escreveu este super texto, confira!

Mayara Baunilha

Published

on

Com a onda de remakes e live-actions da Disney, que somente neste ano emplacou “Dumbo“, “Aladdin”, “O Rei Leão“ e ainda antecipou a estreia de “Malévola 2”, muitos se perguntam, quais serão os próximos títulos?

Em 2020 teremos a estreia de “Mulan”. Porém há mais obras, ainda em produção, já confirmadas. Dentre elas “Cruella”, estrelado por Emma Stone e com direção de Craig Gillespie. Sem contar com um dos projetos em live-action mais adiados pela Disney, “A Pequena Sereia”, que agora terá à frente da direção Rob Marshall, com o papel da sereia Ariel assumido pela cantora e atriz Halle Bailey.

Além destes, também já estão confirmados “A Dama e o Vagabundo”, com direção de Charlie Bean, e uma nova adaptação de “Peter Pan”, cujo cineasta encarregado pela direção do projeto, ao menos até o momento, será David Lowery.

Não há demais obras confirmadas a princípio, porém existem aquelas obras que não há como não pensar que ficariam maravilhosas se adaptadas para uma versão remake, ou live-action, visando agora uma proposta mais realista. É exatamente por esta razão que fizemos essa seleção com animações que deveriam e mereciam ser adaptadas pela Disney.

O Corcunda de Notre-Dame (1996)

O romance “Notre-Dame de Paris” de Victor Hugo já possui algumas adaptações cinematográficas, além da versão animada da Disney, de 96. Porém, algo que destaca a animação das demais versões é a sua trilha sonora impecável. Com canções escritas por Alan Menken, o álbum contendo a trilha do longa, lançado no mesmo ano do filme pela Walt Disney Records, chegou a alcançar o pico número 11, na Billboard 200.

A obra também possui uma versão teatral produzida pelo Disney Theatrical Productions, que realça a musicalidade da orquestra e do coral que tiveram tanta importância na animação clássica. Com 10 canções inéditas, essa versão foi um sucesso de bilheteria e de crítica, podendo assim ser perfeita para inspirar uma adaptação em live-action, que poderia vir a atingir tanto prestígio quanto.

Pocahontas (1995)

Com a onda de representatividade e de personagens femininas que não se limitam mais a meros troféus e pares românticos dos heróis, o quão incrível poderia ser uma versão live-action de uma obra cuja a protagonista é uma independente, corajosa e sábia jovem mulher indígena?

O dramático e emocionante romance animado de 95 certamente seria incrível de ser visto em uma versão repaginada. Além de poder trazer com mais precisão histórica e semelhança a realidade as vestimentas, costumes e cultura da tribo nativo-americana Powhatan, que ocupava a região da atual Virgínia.

Hércules (1997)

A versão da Disney das aventuras do herói grego certamente marcou a infância de muita gente. Mesclando a dosagem perfeita de humor, fantasia, romance, além de possuir uma trilha sonora (Também comandada pelo já citado Alan Menken.) totalmente envolvente, que mescla orquestra com gospel, a obra, se adaptada para uma versão em live-action, seria sucesso garantido.

Há diversos fancastings (Elencos formados por fãs.) de Hércules na internet, evidenciando nomes como Chris Pratt para viver o protagonista, Danny DeVito para reprisar o papel do sátiro Phill, além de atrizes como Anna Kendrick e Elizabeth Gillies para o papel da audaciosa Meg. Tal empolgação por parte dos internautas só prova o quão “Hércules” é uma obra querida pelo público. Ou seja, se a Disney um dia decidir adaptar a mesma, certamente será recebida com o mesmo entusiasmo que suas demais adaptações.

Atlantis: O Reino Perdido (2001)

A lenda sobre uma misteriosa ilha ou continente cuja primeira menção conhecida remonta a Platão em suas obras “Timeu ou a Natureza” e “Crítias ou a Atlântida” possui algumas adaptações e uma série de versões documentais. A versão em animação 2D dos estúdios Disney, embora merecesse, por conter todos os elementos que uma boa fantasia de aventura precisa ter, não atingiu o êxito necessário.

Apesar de não ter sido um grande sucesso comercial, surgiram boatos de que uma versão em live-action estaria sendo planejada pelos estúdios de Mickey Mouse, e que a mesma possuiria Guillermo Del Toro a frente da produção. Porém, o cineasta desmentiu o burburinho.

Apesar do súbito banho de água fria, os mais esperançosos ainda podem torcer para ver uma nova versão da obra nos cinemas. Afinal, quem sabe com novos ares e algumas mudanças, “Atlantis: O Reino Perdido” consiga redimir o que não foi conquistado pela sua versão inicial, que injustamente ocupa lugar dentre os filmes subestimados tanto pelo público, quanto também pela própria Disney.

O que acharam da lista? Podemos ter mais filmes da Disney? Comente abaixo.

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido