Connect with us

séries

Psicologos divergem sobre a série Os 13 Porquês

Edi

Published

on

LOJA DC 4

Os 13 episódios da temporada um, baseado no romance best-seller de Jay Asher, exploram os perigos do bullying cibernético, saúde mental, violência sexual e suicídio entre adolescentes.

A personagem central de Hannah Baker, que é vítima de assédio on-line e agressão sexual, deixa para trás uma série de fitas para se desvendar o mistério de sua morte.

O produtor executivo Brian Yorkey disse que sua equipe queria fornecer uma autêntica representação da face de jovens e suas lutas na escola.

“Queríamos começar por dizer a verdade sobre o efeito que teriam esses eventos e sentimos que nós poderíamos contar uma história, não só com integridade, mas com sorte, tive a chance de entrar em ressonância com os jovens, que não necessariamente recebem uma dieta de verdade em seu entretenimento,” disse ele.

“Esperamos que isso possa significar como algo que era uma representação honesta de sua experiência. Tivemos um número de pessoas nos perguntado ao longo do caminho, por que Hannah se mata do jeito que ela fez, por que mostramos isso… Nós trabalhamos muito para não ser algo gratuito, mas nós queremos que seja doloroso de ver. Nós queríamos que fosse muito claro, que não há nada que faça valer a pena o suicídio.”

A psicóloga clínica Helen Hsu trabalhou com o elenco e a equipe durante a produção e disse que era importante mostrar que o suicídio não era bonito ou fácil.

“A dor nunca acaba para os pais dela, que são deixados com este fardo horrível” disse Dr Hsu.

Fincina Hopgood, professora na Universidade da Nova Inglaterra e especialista em representações mentais de filmes, disse que precisava ser retratado o suicídio, mas de forma responsável. Hopgood disse que era importante mostrar o suicídio entre adolescentes, porque “A pior coisa que podemos fazer é não retratar a questão…”.

Mas ela salientou que é necessário ser representado em uma maneira saudável e que precisava de um diálogo entre os produtores e a comunidade de saúde mental como existe na Austrália.

Hopgood disse a popularidade das séries como Game of Thrones e The Walking Dead, mas Hopgood salienta que a Netflix precisava ser responsável pelo seu próprio conteúdo.

“No final de cada episodio, deveria ter uma informação para um numero de pedido de ajuda. Tudo isso não é um suficiente para dar um gatilho, mas deveria ter essa informação”

A Netflix foi procuradA pela NBC para esta matéria, mas não respondeu.

Edi on FacebookEdi on InstagramEdi on Twitter
Edi
Produtor, escritor nas horas vagas, administrador, editor e fundador do site CDL.
Comments