Connect with us
Paulo H. S. Pirasol

Published

on

A obra de George Orwell começa a ser escrita em 1947, é publicada em 1949 e lançada no Brasil em 2009 pela editora Companhia das Letras. 1984 apresenta uma distopia de um mundo dividido em três grandes potências padecendo de uma guerra sem fim.

capa 1984

Oceania, uma das potências, é o espaço físico do protagonista Winston Smith, funcionário do departamento de Registo do Ministério da Verdade. Com os seus questionamentos e relações sexuais discretos com Júlia, membro de Liga Juvenil Anti-Sexo, ele ameaça o controle do regime político totalitário: Socialismo Inglês ou Ingsoc regido pelo Grande Irmão.

O Partido possuí quatro ministérios que trabalham na manutenção do controle de submissão da população. Orwell é criativo quanto ao funcionamento dos ministérios e quanto às estratégias cobradas para o funcionamento do regime. No início, a montagem da história forma uma estrutura que se divide em conflitos do personagem no passado e no funcionamento do Partido. Durante o desenvolvimento da narrativa, esta divisão se transforma em um único argumento, resultado de uma sinapse do conflito entre o Amor e a Autoridade.

“A Décima Primeira Edição será definitiva – disse ele. – Estamos dando à língua a sua forma final – a forma que terá quando ninguém mais falar outra coisa. Quando tivermos terminado, gente como tu terá que aprendê-la de novo. Tenho a impressão de que imaginas que o nosso trabalho consiste principalmente em inventar novas palavras. Nada disso! Estamos é destruindo palavras – às dezenas, às centenas, todos os dias. A Décima Primeira Edição não conterá uma única palavra que possa se tornar obsoleta antes de 2050”

Entre as estratégias do Partido, se encontra a Novilíngua — a qual o trecho acima se refere — apresentando a ideia da formação de uma nova língua que busca a redução gradativa de palavras. Pois bem, o que há entre as palavras e as coisas para que tenha potencial nesta ideia? Existem algumas formas de pensar sobre as palavras, entre as mais comuns está o nominalismo que procede de uma ideia de que o universal não passa de um nome, uma convenção que damos. Já para os realistas, as coisas e os nomes possuíam uma analogia prática. Quanto mais universal fosse o termo gramatical, maior seria o seu grau de participação na perfeição original da ideia. Um substantivo que exige mais de uma ideia, apresentaria em si também a maior exigência daquilo e para o Partido este era o problema.

“É lindo, destruir palavras. Naturalmente, o maior desperdício é nos verbos e adjetivos, mas há centenas de substantivos que podem perfeitamente ser eliminados. Não apenas os sinônimos; antônimos também. Afinal de contas, que justificação existe para a existência de uma palavra que é apenas o contrário de outra? Cada palavra contém em si o contrário. “Bom”, por exemplo. Se temos a palavra “bom,” para que precisamos de “mau”? “Imbom” faz o mesmo efeito — e melhor, porque é exatamente oposta, enquanto que o mau não é. Ou ainda, se queres uma palavra mais forte para dizer “bom”, para que dispor de toda uma série de vagas e inúteis palavras como “excelente” e “esplêndido” etc. e tal? “Plusbom” corresponde à necessidade, ou “dupliplusbom” se queres algo ainda mais forte. Naturalmente, já usamos essas formas, mas na versão final da Novilíngua não haverá outras. No fim, todo o conceito de bondade e maldade será descrito por seis palavras — ou melhor, uma única. Não vês que beleza, Winston? Naturalmente, foi a ideia do Grande Irmão, — acrescentou, à guisa de conclusão”

De forma sútil, interessante e justificável, esta explicação é realizada no início da história para que possamos compreender os movimentos estratégicos do Partido, não por uma conduta crítica, mas pela perspectiva empolgante e positiva de uma ideia diabólica visando o retrocesso da Razão que se contrapõe ao dogmatismo do Grande Irmão. Entretanto, a necessidade deste novo idioma não se sustenta somente com o sucesso de romper a ligação do pensamento e o ser nas categorias lógica-linguísticas, mas principalmente para a criação de uma nova história. Outra presença fundamental é o Duplipensar.

“E se todos os outros aceitassem a mentira imposta pelo Partido – se todos os anais dissessem a mesma coisa – então a mentira se transformava em história, em verdade. “Quem controla o passado,” dizia o lema do Partido, “controla o futuro: quem controla o presente controla o passado.” E no entanto o passado, conquanto de natureza alterável, nunca fora alterado. O que agora era verdade era verdade do sempre ao sempre. Era bem simples. Bastava apenas uma série infinda de vitórias sobre a memória. “Controle da realidade”, chamava-se. Ou, em Novilíngua, “duplipensar.”

O duplipensar consiste em ter simultaneamente duas opiniões conflitantes e acreditar em ambas. Fazer com que a população exercesse essa prática foi o que tornou compreensível a conformidade do slogan: Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força.

Devido a essas alterações no conhecimento é que foi possível a aceitação deste slogan como verdade. Graças ao Ministério da Verdade, onde Winston trabalha, foram alterados fatos históricos em favor do Partido. Esta cautela de Orwell de apresentar maneiras compreensíveis e atemporais da realidade torna sua ficção plausível. Nos pontos mais surreais, o interesse não se mantém por uma série de conflitos — pois o conflito já é definido como único desde o início — mas sim por uma curiosidade na construção da submissão, por entrelaçá-la no contexto em forma de uma sátira perversa.

E essa perversidade está impregnada em todos os momentos. Não há fuga quando o lema do Grande Irmão presente em cartazes em todos os lugares é “Is Watching You”. Mesmo que ninguém tenha o presenciado alguma vez, eles o seguem como uma divindade que é onipotente e onipresente.

De que forma é possível confrontar um sistema ditador bem instituído? É essa pergunta que o livro procura refletir.

Advertisement
Comments

Livros

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação

Um livro sobre luta pela liberdade de uma sociedade oprimida.

Gustavo Carvalho Cardoso

Published

on

Ordem Vermelha foi publicado em 7 de dezembro de 2017 pela editora Intrínseca. O livro foi escrito por Felipe Castilho, autor de Serpentário, O Legado Folclórico e também indicado ao Prêmio Jabuti pelo quadrinho Savana de Pedra. Esse é o início de um universo compartilhado do Omelete, que irá contar com HQs, livros e animações.

O livro conta a história de quatro heróis que lutam pela liberdade de uma sociedade cercada de corrupção, presa eternamente pelos grilhões de uma deusa corrompida pelo poder e tomada pela ira daqueles que pecaram milênios atrás. Ligados pelo destino e pelo sentimento de inconformidade da normalidade com que seus povos aceitaram servir calados, como escravos, eles unirão forças para colocar em prática um plano ousado que mudará o mundo.

” As seis faces da deusa Una observam você aonde quer que vá. ”

Esse volume é recheado de momentos épicos, com passagens que nos fazem repensar sobre a vida real. É um universo totalmente novo, com suas próprias peculiaridades, referências, sistema econômico, religião e costumes. Repleto de raças, algumas já vistas em outros lugares da literatura porém, retratados de forma diferente aqui.

A história aborda a degradação social comandada autoritariamente por uma deusa corrompida pelo erro de seu povo no passado. Com um apelo religioso muito forte, o livro coloca em jogo nossa ideia de fé e o quanto ela pode ser deturpada pelo poder daqueles que usam-na como forma de escravidão global.

Utilizando-se de temas pesados como racismo, prostituição e abuso, o livro mostra até que ponto as pessoas podem chegar quando são escravizadas e tratadas como gado para abate, além de como essa mesma sociedade com um mínimo de poder pode ser adulterada, ficando pior do que aqueles que a explorou.

A luta pela independência é muito bem retratada e contextualizada, claramente apresentada pela personagem Yanisha e sua esposa Raazi, que batalham para serem livres desse trabalho escravo e servidão contínua. Sua raça consegue mudar a cor de seus corpos como um camaleão, e as mulheres de seu povo são usadas como mercadoria para os prazeres carnais daqueles que pagarem mais. A perseverança das duas não está ligada apenas a elas, mas sim à emancipação de todas as mulheres que dão suas vidas e corpos para adquirirem uma semiliberdade, e por todos que morrem em busca desse sonho tão distante.

Ordem Vermelha é o inicio de um universo com potencial expansivo imenso, cheio de laços e caminhos para serem abordados, com mitologias e histórias cativantes. É um ótimo livro nacional, e para aqueles que buscam uma história diferente e bastante complexa, é uma ótima pedida.

É uma leitura bem rápida com uma escrita que prende facilmente, e a cada página queremos saber mais sobre o destino de cada personagem além de torcermos pelo sucesso de sua luta.

Continue Reading

Resenha

Siga em frente

Livro apresenta dez argumentos para expandir a criatividade no cotidiano.

Rodrigo Roddick

Published

on

Capa Cabana do Leitor

Artistas precisam estar o tempo todo criando. A criação demanda muito esforço e atenção para encontrar o novo dentro de um universo cultural saturado. A proposta de Siga em frente é ajuda-los nessa batalha.

Siga em frente foi escrito por Austin Cleon — o mesmo autor de Roube como um artista — e publicado pela editora Rocco. O autor produziu este livro porque enfrentava os mesmos desafios que outros criadores. Como suas ferramentas funcionaram, ele decidiu compartilhá-las com seus amigos artistas.

O livro é voltado para artistas, sendo eles escritores ou ilustradores, mas qualquer pessoa que trabalha em profissões que exijam criatividade vai encontrar nesta autoajuda um parceiro.

Uma das argumentações apresentadas no livro fala sobre criar uma rotina criativa. Em boa parte, isso significa organizar o dia para que ele seja produtivo tanto nos momentos de inspiração quanto nos dias mais complicados.

Segundo Cleon, se você já determinou o que vai produzir naquele dia, mesmo que uma nova ideia não surja, ainda assim vai acabar avançando em seu trabalho. Isso para um escritor é bastante válido. Assim que eles criam toda a história, o segundo passo é escrevê-la, e isso demanda muita disciplina diária — um trabalho de grão em grão — para que todo o texto seja finalizado. Uma rotina que forneça um tempo dedicado somente a escrever é super bem-vinda.

Da mesma forma, o autor indica fazer listas. A maioria dos artistas — senão das pessoas — sofrem com ansiedade, querem chegar logo ao fim do trabalho. Para combater esse fantasma, Austin Cleon começou a listar o que precisava fazer. Dessa forma, ele percebeu o que precisava terminar e ia riscando o que já tinha produzido. E por conseguinte ficou menos ansioso.

Nas dez dicas que o autor oferece, ele destrincha e argumenta como proceder. É interessante analisar este livro como uma conversa tranquila entre amigos profissionais.

Modelos e fórmulas não funcionam para todas as pessoas, porém sempre há o que se aproveitar. O mais importante é seguir em frente.

Continue Reading

Resenha

League of Legends: Reinos de Runeterra

Livro é um verdadeiro compêndio com tudo o que você precisa saber sobre Runeterra.

Mylla Martins de Lima

Published

on

Capa Cabana do Leitor

A parceria entre a Riot Games e a editora Record rendeu uma obra luxuosa através do selo Galera. A edição ficou perfeita, para nenhum fã pôr defeito. League of Legends: Reinos de Runeterra veio para o Brasil neste ano, em abril.

League of Legends: Reinos de Runeterra - Grupo Editorial Record

Faz muito tempo desde que League of Legends deixou de ser apenas um jogo MOBA e se transformou em todo um universo com guerreiros que lutam pela glória, pela honra e por poder. Esse livro funciona como uma expansão, apresentando contos inéditos das regiões de Runeterra, repleto de extras que não estão disponíveis na plataforma do game. É um guia indispensável àqueles que caminham por Summoner’s Rift.

A obra tem seus capítulos separados por reinos e, em cada um deles, é descrito um pouco da geografia, geopolítica, fauna e flora da região. Além disso, há sete contos exclusivos disponíveis somente para os detentores do exemplar. Perambulando pelas cidades durante a narrativa, a vida de um cidadão revela um pouco mais sobre o seu cotidiano local, passando por Targon e indo até a Ilha das Sombras.

League of Legends: Realms of Runeterra (Official Companion) | Amazon.com.br

Nas primeiras páginas, durante a introdução, Ariel Lawrence, a chefe de narrativa da empresa e também conhecida como Thermal Kitten, transmite um pouco de sua felicidade por ter participado do projeto, falando mais sobre sua carreira na Riot, sobre o que esperar da leitura e sobre o processo de planejamento desse artbook.

Segundo Ariel, foram cerca de 4 anos de estudo e trabalho, montando capítulos, produzindo artes, ligando fatos do passado ao presente e atribuindo personalidade ao novo mundo. Uma tarefa gigantesca, mas que resultou neste brilhante exemplar!

League of Legends: Realms of Runeterra - Riot Games

Toda a mudança feita no cenário em 2018 tornou o jogo e as lores ainda mais incríveis. Cada local com sua cultura, seu legado, sua história e seus personagens, que dizem muito sobre seu lugar de origem, fazem muito mais sentido quando se lê Reinos de Runeterra. Durante a leitura, o interlocutor deve prestar atenção nas imagens tanto quanto nos textos, pois isso garante não só uma maior imersão, como também algumas pequenas descobertas.

Com ilustrações belíssimas e um acabamento incrível, são mais de 200 páginas de informações extras. Uma verdadeira enciclopédia que complementa não só o LoL, como também o Legends of Runeterra, um card game bem dinâmico da mesma franquia.

League of Legends: Realms of Runeterra - Riot Games - eMAG.ro

Conheça detalhes de conflitos, rivalidade e alianças através dos mapas e artes maravilhosas. Mais que indicado para quem ama o game, o livro também é recomendado a quem busca um ótimo artbook para estudos e a quem adora colecionar exemplares de luxo.

A Riot Games criou uma enciclopédia de luxo para a comunidade amante do jogo.

Continue Reading

Parceiros Editorias