Connect with us

Livros

Resenha: “Mundo em Caos”

Imagine um mundo em que os pensamentos dos homens fossem espalhados por todos os lados…

Rodrigo Roddick

Published

on

Imagine um mundo em que os pensamentos dos homens fossem espalhados por todos os lados… Só poderia ser um caos, não é mesmo? É justamente esta discussão que Mundo em Caos vai propor. Escrito por Patrick Ness e publicado no Reino Unido em 2008, o romance é o novo lançamento da Intrínseca no Brasil. A narrativa ilustra perfeitamente como seria o mundo dominado pela voz do homem, o que, na verdade, acontece desde o surgimento do patriarcado.

Capa em perspectiva de Mundo em Caos

O livro narra a história de algumas colônias de seres humanos que chegam a um planeta chamado de Novo Mundo. O motivo deles terem deixado a Terra é explicado em um conto extra. Neste lugar recém-descoberto, um germe mata todas as mulheres e metade da população masculina, além de permitir que os pensamentos dos homens sejam escutados por todos os habitantes. Tudo leva a crer que quem liberou esses germes foram os Spackles – os nativos – na grande guerra entre eles e os humanos.

Todd, o personagem principal, está a um mês de se tornar um homem e, como ele é o último garoto da cidade, há muita expectativa para isso acontecer. Esta cidade foi a última que sobrou. Nela, os meninos se tornam homens aos 13 anos (que na verdade é aos 14 porque o ano para eles é contado com 13 meses). Tudo começa a desandar quando Todd escuta um silêncio nas matas. Em um mundo dominado pelo Ruído – como é chamado o ensurdecedor mundo de palavras – o silêncio se destaca. Se todos os homens são barulhentos, o silêncio só podia significar uma mulher. A única.

Sinopse de Mundo em Caos na contracapa

Mundo em Caos apresenta logo de início uma urgente discussão social. O mundo governado pela voz do homem é um caos, pois eles só pensam em guerra e destruição. Enquanto a mulher for um silêncio, não haverá evolução real. O Ruído então representa a sociedade que nos acerca, uma sociedade criada por homens e para homens.

Este mundo masculino é apresentado de maneira muito agressiva e autoritária, incorporando elementos militares e excluindo elementos educacionais. O conhecimento é a arma mais poderosa que existe, por isso que, não por acaso, o prefeito mandou incinerar todos os livros da cidade. A maioria da população é ignorante e semianalfabeta.

O prefeito assume o papel de ditador, sua vontade é lei. E ele quer dominar o planeta inteiro. Para isso acontecer, é claro, ele precisa dominar cada um individualmente, e isso só pode ser feito se o povo não tiver instrução para questioná-lo. A religião é utilizada, no livro, como um instrumento de dominação, representada pelo padre Aaron, um lunático que serve aos propósitos do prefeito. 

“Uma mente inteligente é amiga do diabo”

A primeira ação de um sistema ditatorial é eliminar a individualidade. Se você é o coletivo, seus interesses pessoais não são relevantes. Todd explicita a dificuldade de se viver em um mundo assim quando explica o mantra que todos os homens devem fazer para preservar suas identidades, senão ela é perdida.

“Você fecha os olhos e tenta ser o mais claro e calmo que der e fala para você mesmo quem você é, porque é isso que a gente perde no meio de tanto Ruído”

Até aqui é possível identificar como o autor está discutindo o mundo em que vivemos, onde nossa liberdade de expressão e direito a individualidade o tempo todo são ameaçadas pelo domínio de homens que só sabem pensar em riqueza, guerra e poder. Ele associa essa perda de identidade à necessidade incessante que o sistema capitalista nos impõe de sermos máquinas. E olha quem Patrick Ness responsabiliza por esse caos? Os homens.

“Já a cidade sabe tudo sobre você e ainda quer saber mais, quer torturar você com o que ela sabe até não sobrar nada”

O Ruído pode ser interpretado de várias maneiras. Além de significar a voz do homem que impera o mundo, ele também representa o mundo digital das mídias sociais. Nelas ninguém se escuta e é quase impossível manter a identidade no caótico ambiente poluído pelo excesso de informação. O livro dá um pequeno indicativo disso quando explicita que o Ruído é um mundo falso, que não representa a verdade, mas sim o que as pessoas desejam que seja verdade. Não é uma perfeita definição do cenário virtual?

“O Ruído não é verdade. O Ruído é o que os homens querem que seja verdade”

Diagramação de Mundo em Caos ilustrando o Ruído

Além da notável luta feminista, Mundo em Caos também aborda, de forma sútil – mas não tão suave assim – a mesma dialética de Avatar: a descoberta, exploração e colonização de um Novo Mundo. Não é por acaso que este novo planeta é chamado assim pelos colonos, porque foi este o título atribuído às Américas quando elas foram “descobertas”.

O leitor consegue perceber essa discussão quando descobre que os Spackles, na verdade, não entraram em guerra nenhuma contra os humanos. Estes que chegaram destruindo e matando todos os nativos que encontravam pela frente com a intenção de se apossar de suas terras. Não foi exatamente a mesma coisa que aconteceu aos índios em todo o continente americano? Os Spackles, inclusive, são descritos como selvagens, exatamente a mesma leitura que os colonos europeus fizeram dos índios. 

Esta conduta, predominantemente masculina, de guerrear combina perfeitamente com o tema do livro que está discutindo justamente o caótico mundo projetado e governado pelo homem. Inclusive há uma citação que define bem o pensamento do autor.

“O Ruído é o homem sem filtro, e, sem filtro, o homem é só caos em movimento”

Detalhe da parte interna da capa de Mundo em Caos

Mesmo com este conteúdo bastante atual, a narrativa, da metade até boa parte do final, se desenvolve devagar; entretanto a maneira como Patrick escreve nos faz aceitar com bons olhos esta lentidão. Ele não chega a ser poético, mas é direto, conciso e, por vezes, engraçado. 

Mundo em Caos não é apenas uma leitura prazerosa, mas principalmente um convite ao debate mais urgente de nossa sociedade: não dá mais para aceitar o poder do mundo centralizado na mão do homem. É por causa dessa concentração de poder que o mundo é um caos.

Mundo em Caos

9.3

Nota

9.3/10