Connect with us

e-Sports

Riot Games teria pago a funcionários para não falarem sobre casos de assédio na empresa

Edi

Published

on

LOJA DC 4

A Riot Games comanda a maior competição de eSports do mundo, League of Legends é um dos games de computador mais jogados online atualmente e sendo um dos mais rentáveis da historia. Por isso, é de se esperar que toda e qualquer mudança tenha um enorme impacto para os jogadores e para a própria empresa.

Mas uma matéria publicada pelo site Kotaku expõe casos de sexismo e machismo existente dentro da Riot Games,  a desenvolvedora do League of Legends.

Contratar uma mulher para uma posição de liderança era impossível para Lacy, e ela deixou a empresa em parte por causa do sexismo que ela experimentou pessoalmente. Ela afirmou que tentou por meses contratar mulheres para posições de liderança na empresa, mas que sempre ouvia desculpas para as entrevistadas como “só quer subir na carreira”, “tem ego muito grande”, “não é gamer o suficiente” e “não desafiava as convenções”.

Um dia, Lacy conduziu um experimento: depois de uma ideia em que ela realmente acreditava e apresentou aos seus superiores que não gostaram, ela pediu a um colega que apresentasse a mesma ideia ao mesmo grupo de pessoas dias depois. Ele era cético, mas ela insistiu que ele desse uma chance. “Eis que, na semana seguinte, [ele] entrou, apresentado exatamente como eu fiz e todo o salão era como ‘Oh meu Deus, isso é incrível’. O rosto dele ficou vermelho  e ele tinha lágrimas nos olhos disse Lacy. “Eles simplesmente não respeitavam as mulheres.”

Ao longo de vários meses, Kotaku falou com 28 funcionários atuais e antigos da Riot, muitos dos quais apresentaram histórias que ecoam com as de Lacy. Alguns desses funcionários falaram abertamente; A maioria falava anonimamente porque eles temiam por suas carreiras futuras na indústria de jogos ou eles estavam preocupados que a base de fãs apaixonada de League of Legends iria fazer alguma retaliação contra eles por falarem.

Ao longo das investigações o site descobriu que muitos ex-funcionários da Riot estavam impedidos de falar por causa de acordos de não depreciação que assinaram antes de deixarem a empresa. Alguns dizem que receberam indenização após falar com a equipe de “talentos” da Riot – o que a empresa chama de sua equipe de recursos humanos – sobre suas experiências na empresa.

Tanto as fontes masculinas quanto as femininas descreveram ver fotos não solicitadas e indesejadas da genitália masculina de chefes ou colegas. Uma mulher viu um e-mail sobre como seria “penetrá-la”, na qual uma colega acrescentou que ela seria um bom alvo para dormir e não telefonar de novo.

A Riot Games, criadora do League of Legends, divulgou uma declaração na terça-feira reagindo as alegações.

A ESPN, o líder de comunicações corporativas da Riot, Joe Hixson, divulgou um comunicado, que em parte dizia:

“Este artigo esclarece as áreas em que não cumprimos nossos próprios valores, o que não acontecerá com a Riot. Tomamos medidas contra muitas das instâncias específicas no artigo, e estamos comprometidos em investigar, abordando todas as questões e consertando as causas subjacentes. Todos os Rioters devem ser responsáveis ​​pela criação de um ambiente onde todos tenham oportunidades iguais de serem ouvidos, aumentar seu papel, avançar na organização e realizar seu potencial ”.

 

Edi on FacebookEdi on InstagramEdi on Twitter
Edi
Produtor, escritor nas horas vagas, administrador, editor e fundador do site CDL.
Comments
 
Cabana do Leitor Create ☣️
Grupo do Facebook · 386 membros
Participar do grupo
Este é o grupo da pagina Cabana do Leitor, leia as regras antes de postar, se divirta e faça amigos nerds!
 
 
Wizards Unite Brasil
Grupo do Facebook · 3 membros
Participar do grupo
O novo jogo de realidade aumentada da saga Harry Potter .