Connect with us

Mangá

Teenage Renaissance! David | O mangá em busca da versão anime!

Obras renascentistas no ensino médio.

Amanda Brito

Published

on

Na última edição da Weekly Shonen Jump, o departamento editorial deixou uma mensagem para os fãs do mangá Teenage Renaissance! David, por Yushin Kuroki. A mensagem encoraja que mandem cartas pedindo por uma versão anime do mangá.

Teenage Renaissance! David começou a ser publicada em setembro de 2018. Trata-se de uma série de comédia sobre um “típico estudante do ensino médio japonês” que é idêntico a estátua de Davi feita por Michelangelo. Todo o mangá possui referências a obras renascentistas.

Imagem relacionada

A mensagem ainda aponta que a série Jimoto ga Japan, de Seiji Hayashi, que começou a ser lançada no mesmo período que Teenage Renaissance! David, já possui uma adaptação para anime em produção.

A Weekly Shonen Jump também encoraja os leitores a mandarem sugestões e mensagens de apoio por colaborações com museus, escolas e exposições.

Resultado de imagem para Teenage Renaissance! David

Yushin Kuroki se pronunciou agradecendo aos leitores. Disse que caso a adaptação realmente aconteça, ele planeja viajar para a Itália, a fim de aprofundar seus conhecimentos. Então, se os fãs mostrarem em peso o seu apoio, talvez esse desejo se realize ainda este ano.

Advertisement
Comments

CCXP 2019

CCXP | Panini anuncia títulos como SAO, Vinland Saga e muito mais

Durante a CCXP, a editora trouxe várias novidades de lançamento!

Christa Joanin

Published

on

De olho no painel da Panini durante a CCXP 2019 em São Paulo, nossa equipe pôde conferir os lançamentos esperados para 2020 da editora. Entre eles estão vários títulos famosos como: Demon Slayer (Kimetsu no Yaiba) e Vinland Saga.

Confira:

Demon Slayer (Kimetsu no Yaiba)

Escrita e ilustrada por Koyoharu Gotōge, é uma série japonesa de mangá shonen e até o presente momento, possui 17 volumes pela editora Shueisha e possui um anime de 26 episódios.

Banana Fish

É um mangá originalmente escrito e ilustrado por Akimi Yoshida e foi publicado entre 1985 à 1994 pela editora Shogagukan. Teve seu anime lançado em julho de 2018. Saiba mais aqui.

Jujutsu Kaisen

É uma série de mangá escrita e ilustrada por Gege Akutami publicados desde março de 2018 e possui apenas 6 volumes até o momento.

The Quintessential Quintuplets

Ainda em lançamento com 12 volumes publicados até o momento, é uma série desenhada e escrita por Negi Haruba e possui uma adaptação em anime produzido pela Tezuka Productions exibido no Japão e encontra-se disponível no catálogo da Crunchyroll.

We Never Learn

Escrito e desenhado por Taishi Tsutsui, o anime encontra-se disponível na Crunchyroll e a série em mangá possui 14 volumes em andamento.

Vinland Saga (2 em 1)

Este lançamento será um compilado 2 volumes em 1, formato já existente antes nos Estados Unidos. Escrito e desenhado por Makoto Yukimura é possível encontrar a versão normal do mangá aqui no Brasil e no Japão.

Sword Art Online: Mother’s Rosario

A séria adapta o sétimo volume do light novel de Reki Kawahara e possui um compilado de 3 volumes.

Sword Art Online: Calibur

Possui apenas 1 volume lançado em 2014 e é adaptação da oitava light novel de Reki Kawahara.

Os mangás anunciados pela editora Panini terão capa em formato cartão e miolo offwhite.

Continue Reading

Mangá

Resenha – Blade A Lâmina do Imortal (Mangá)

A Primeira versão brasileira foi lançada pela Conrad, em 2004, e cancelada já com 38 mangás. Sendo posteriormente relançada pela JBC em 2015.

Lays Grees

Published

on

Blade – A Lâmina do Imortal gênero Seinen, ação para adultos, foi lançado na revista Monthly Afternoon em dezembro de 1993, sendo finalizada em 2012. Os 30 volumes do mangá venderam mais de 5 milhões de cópias impressas, sendo publicada em 22 países.

Ganhadora do Eisner Award na categoria Melhor Edição de Material Estrangeiro nos U.S. (2000). Além disso, conseguindo um Prêmio de Excelência na categoria de mangá no 1st Japan Media Arts Festival Awards (1997).

A Primeira versão brasileira foi lançada pela Conrad, em 2004, e cancelada já com 38 mangás. Sendo posteriormente relançada pela JBC em 9 de Outubro de 2015 – Blade lâmina do Imortal foi lançada em formato BIG, que junta dois volumes tankobon em um único volume totalizando 15 edições.

Volume I – Blade A Lâmina do Imortal pela editora JBC

A História de Blade- A Lâmina do Imortal (Mugen no Junnin no original) se passa no Japão Feudal, na metade da Era Tokugawa. Após matar 100 adversários e ser encontrado quase morto. Manji é salvo por uma monja que acaba lhe dando a vida eterna. Porém, isso não era exatamente o que o samurai errante queria. Para ter de volta a sua mortalidade, Manji faz um acorda com sua salvadora. Após matar um determinado número de criminosos, ela iria torna-lo mortal novamente.

O Principio do Mangá

Logo que você abre o volume para ler já se depara com algumas ilustrações coloridas e impressionantes. É impossível não ficar admirado com cada ilustração e detalhes com qualidade incrível, que em muitos momentos se assemelha a uma pintura.

As lutas são fluidas e bem desenhadas. Por ser durante um período histórico a arte realista se faz presente tornando cada ilustração uma arte original e bela.

ilustrações da página 133 (esquerda) e 248 (direita)

Rin é uma orfã, inocente e as vezes imatura, com objetivo de se vingar da Itto-Ryu que está causando confusão nos dojos de todo o país. Manji tem todas as qualidades que tornam um protagonista forte, politicamente incorreto e não se importa muito com as coisas ao redor, dando uma dinâmica na interação da dupla.

A Itto-Ryu é uma “gangue” que anda por todo o Japão enfrentando os dojos, afim de provar que seu estilo é melhor, o qual consiste em “vencer é o verdadeiro caminho da espada”.

No começo  parece ser bem previsível o enredo, dando a impressão que será basicamente confrontos entre Manji e Rin contra Anotsu. Mas o pensamento logo é deixado de lado, sendo substituída por uma embaçada série de eventualidades.

O destaque da trama fica mesmo pelo intenso e constante desabrochar dos personagens, que são colocados continuamente em situações difíceis, fazendo os enfrentar seus dilemas e perplexidades. Assim prendendo o leitor a cada página. Se existe um samurai que se tornou imortal, será que ele é o único imortal? E será que não existe um jeito de matar um imortal?

Opinião

Blade é uma obra que supera as expectativas e nos apresenta uma narrativa intrigante, com ilustrações perfeitas, revira-voltas e muita emoção. Sendo bem-feito para quem aprecia histórias de lutas violentas, com samurais, espadas e mistérios.

A Editora JBC fez com excelência essa coleção e principalmente com o trabalho da encadernação. Várias pessoas que tem o preconceito com volumes Big, principalmente em abrir e fechar o volume. Não irão se arrepender de ver este modelo! O preço é justo pra qualidade entregue e dá pra encontrar facilmente nas lojas online da Editora JBC.

Edição Impressa

  • Preço atual: R$ 39,90
  • Formato: 13,5 x 20,5 cm
  • Distribuição: Livrarias e lojas especializadas
Coleção completa de Blade A Lâmina do Imortal pela JBC
Resultado de imagem para JBC BRASIL LOGO
  • Título Original: Mugen no Juunin ( 無限の住人)
  • Autores: Hiroaki Samura
  • Gênero : Ação, Ficção
  • Qtde de Volumes JP: 30
  • Qtde de volumes BR: 15 volumes
  • Publicado no Japão: Kodansha – junho de 1993 à dezembro de 2012
  • Publicado no Brasil: Editora JBC – 3 de dezembro de 2015 à 28 de maio de 2018
Continue Reading

Anime

Segunda temporada de Radiant recebe trailer

Assim como a primeira temporada, o novo arco também contará com 21 episódios.

Avatar

Published

on

Anime tem data de estréia para dia 02 de Outubro. A cabana faz uma analise da primeira temporada para quem não assistiu.

Foi divulgado o trailer da segunda temporada de Radiant, saga que estreia no dia 2 de outubro no canal japonês NHK. Assim como a primeira temporada, o novo arco também contará com 21 episódios.

Baseada na obra de Tony Valente, Radiant conta a história de um mundo mágico aonde criaturas mágicas chamadas Nemesis caem do céu, entretanto, homens e mulheres estão se reunindo para combater essas criaturas.

Crítica sobre a primeira temporada

Inicialmente, produzido pela a NHK, e dirigido por Seiji keshi e Daiki Fukoaka, e a animação do estúdio Lerge. Radiant é uma adaptação do mangá de uma uma história em quadrinhos do francês Tony Valente, e começou a ganhar vida em meados de 2012, contudo, sua primeira publicação só veio a surgir primeiramente em 2013, quando a empresa francesa Ankama, responsável por games em estilo MMORPG, inciou os trabalhos de publicação.

A história conta sobre Seth, um jovem de 15 anos de idade, que deseja se tornar um grande feiticeiro e destruir a Radiant, o ninho das criaturas Nemesis. Entretanto, logo somos apresentados os elementos dessa obra, assim como a visão que as pessoas tem sobre as criaturas e os feiticeiros.

Contudo, ao contrário de outros animes e mangás, Radiant tem um ritmo de devolvimento mais lento, isto é, se compararmos a animes dessa atual temporada, como Kimetsu no Yaiba ou Fire Force, a história em certos momentos se torna monótona, chegando mesmo em determinados momentos, a pessoa que assisti sentir um cansaço.

A primeira vista, Radiant, trás um protagonista extremamente clichê de anime, sua motivação é muito genérica, a sensação é que estamos vendo o mais do mesmo: Naruto querendo se tornar Hokage; Asta querendo se tornar o rei mago; Midoriya querendo se tornar um herói profissional. Em sintas: É mais uma história genérica de anime

Igualmente com isso, algo que mais me chamou a atenção nesse anime, foi como Seth, o protagonista, ele simplesmente desenvolve poderes sem uma explicação lógica, que dizer, explicação tem, mas é uma forçação tão grande que gerou um desconforto a mim. Em alguns momentos, Seth começou a desenvolver poderes quase que imediatamente.

Sobre os personagens secundários, temos outro problema, boa parte não tem um grande desenvolvimento, alguns chegam a mesmo ser completamente irrelevantes

Resultado de imagem para Radiant gif

Mas nem tudo é ruim

Mesmo com todos os arquétipos clichês de animes shounnen, Radiant tem vários aspectos positivos, primeiramente: A animação é bem fluida! E as lutas em sua grande maioria são boas e bem animadas. A temática mistica com a coloração em cores fortes, deixa um visual bonito para se assistir.

Outro ponto positivo é a trilha sonora, em suma, ela cumpre bem seu papel, e consegue prender o espectador e impactar bastante em momentos chaves.

Radiant, entretanto, não é um anime péssimo, nem muito bom, ele é apenas um anime mediano. A ideia do autor é interessante, os elementos trabalhados na obra também são, contudo, sua narrativa arrastada e péssimo desenvolvimento de alguns personagens, são muito notáveis e incomodo. Embora no final da temporada, tenham tentado corrigir isso, a sensação contudo, foi que poderia ter sido melhor.

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido