Connect with us

Games

Bungie pretende lançar jogo fora da série Destiny até 2025

Com um futuro cada vez mais seguro, Bungie promete novas IPs ate 2025.

Lucas Soares

Published

on

Com Destiny 2: Shadowkeep sendo lançada amanhã, muito se tem discutido sobre o futuro da Bungie como uma companhia.

Apesar de ter todo o universo e futuro de Destiny sendo aos poucos desenhado nos seus vidocs.

A companhia não parece querer parar com os lançamentos, chegando a alegar que pretendem lançar, talvez uma nova IP até 2025.

Em uma entrevista, Pete Parson CEO da empresa diz que pretendem diversificar o catalogo da empresa e que pretendem se tornar uma das melhores companhias de entretenimento.

Shadowkeep pretende nos mostrar quem é essa nova Bungie após se desvencilhar da Activision.

Enfim iremos saber do que eles são capazes e qual será o futuro para Destiny.

Shadowkeep é um futuro que, no entanto, olha para o passado, revendo seus erros e acertos, A Bungie promete trazer o melhor.

Enfim com a chegada de uma versão gratuita, o futuro de Destiny e de sua Base de jogadores, parece seguro.

Nascido em Maceió no longínquo ano de 1999, apaixonado por jogos, quadrinhos e cultura pop em geral desde que era um mero padawan, hoje um mestre Jedi na arte de apanhar em todo jogo existente, estudante de jornalismo pela Universidade federal de Alagoas, espera trabalhar na área de entretenimento.

Advertisement
Comments

Games

BrTT está de volta na Pain

O Sonho da Line Up 2015 volta a brilhar com BrTT oficialmente de volta

André Gimenes

Published

on

Felipe “BrTT” Gonçalves está oficialmente de volta na Pain e acaba de anunciar isso em seu Twitter Confira:

É um anuncio gigantesco para a Pain, e para os amantes da Pain 2015 com BrTT e Kami de volta, faz com que os torcedores criem grandes expectativas para 2020!

Continue Reading

Games

Jogo I Am Jesus Christ permite que você realize milagres como Jesus

Edi

Published

on

By

Há um novo jogo anunciado recentemente chamado I Am Jesus Christ, um jogo que promete aos jogadores a chance de jogar como Jesus e realizar milagres para os necessitados. Os jogadores o controlarão de acordo com a descrição do jogo, e seguirão uma história inspirada nos eventos do Novo Testamento. Começa com o batismo de Jesus e vai até a ressurreição da figura religiosa.

Ele foi desenvolvido pela SimulaM, um desenvolvedor aparentemente desconhecido, considerando que este é o único jogo no Steam no momento, e é publicado pela PlayWay, que é um nome com o qual as pessoas podem estar mais familiarizadas. A PlayWay tem um grande catálogo de jogos que são publicados como Deadliest Catch: The Game, House Flipper e outras experiências de simulação.

Mas, embora a PlayWay tenha feito a simulação muitas vezes, I Am Jesus Christ parece ter chamado a atenção das pessoas on-line mais do que os outros jogos da empresa. Parte disso, sem dúvida, será por causa da indignação em dar aos jogadores a chance de jogar como o próprio Jesus, mas alguns possíveis jogadores parecem intrigados com a oportunidade de “lutar com Satanás no deserto” e realizar outros milagres, conforme o jogo promete que os jogadores irão.

“Verifique se você pode realizar todos os milagres famosos da Bíblia como Jesus Cristo”, diz a descrição do jogo. “É um jogo de simulação e você pode tentar salvar o mundo como Ele fez. Você está pronto para lutar com Satanás no deserto, exorcizando demônios e curando pessoas doentes? Ou acalmar a tempestade no mar?

I Am Jesus Christ ainda não tem uma data de lançamento, mas diz-se que em breve estará disponível no Steam.

Continue Reading

Colunistas

Mano Brown canta Free Fire e o “Playboy forgado” prova ser um “trouxa”

Edi

Published

on

By

Tive a oportunidade cobrir o evento do Campeonato Mundial de Free Fire realizado no Rio, a algumas semanas atrás. Confesso, não conhecia bem o jogo além do básico, por isso levei uma amiga formada em jornalismo, mas jogadora profissional.

Porém uma coisa que me chamou a atenção sempre neste jogo, é a capacidade de entrada na periferia. Todos os meus irmãos jogam o jogo, para quem não sabe eu moro em comunidade no Rio, moro em uma casa com um quarto para sete pessoas. Mesmo com a vida dura que levamos, meus irmãos conseguiram jogar Free Fire em celulares de entrada ou com capacidade de processamento baixa.

Para não dormir em casa (pois não tem espaço), eu tenho que ir para uma outra casa no final da mesma rua. Sempre quando passo pela rua por volta das duas ou três da manhã vejo um garoto jogando Free Fire. Não sei aonde ele mora. Mas acredito que ele fica no sereno e até mesmo em dias chuvosos parado de frente em um portão jogando o jogo porque não deve ter internet em casa, e a opção é roubar wi-fi do vizinho.

Free Fire é um jogo que abrange todas as classes sociais. Eu jogo League of Legends, mas sei que meu computador não é bom o suficiente para rodar o jogo com toda a grandeza, o que pode dificultar meu rendimento nas partidas. Um PC Gamer não custa menos que R $ 1700 reais. Um celular Samsung, intermediário custa R$ 300 reais.

A verdade é que a favela joga Free Fire, além de ser um jogo acessível, ele é grande, tem ligas organizadas a nível mundial. Quando o Corinthians foi campeão mundial, eu percebi uma coisa, os meninos eram muito humildes.

Não existia toda a polpa que muitos jogadores de LOL exibem em simples campeonatos regionais, mas eu pensei “os caras são campeões mundiais” e se comportavam como quem parecia ter ganho um jogo entre amigos.

Mesmo diante disso, pessoas foram ao Twitter criticar Mano Brown, cantando uma musica alusiva a um dos poucos objetos de lazer de quem ganha até um salário mínimo. Mas sempre terá um “Playboy forgado de brinco, um trouxa” par determinar o que as negros devem fazer.

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido