Connect with us

HQs

Cabana Entrevista: Vanessa Bencz, autora do livro “A menina distraída”

Avatar

Published

on

distraida

De acordo com a Associação Brasileira do Déficit de Atenção a prevalência do TDAH gira em torno de 3 a 5% da população infantil do Brasil e de vários países do mundo onde o transtorno já foi pesquisado. Nos adultos estima-se prevalência em aproximadamente 4%. Segundo o DSM-5, levantamentos populacionais sugerem que o TDAH ocorre na maioria das culturas em cerca de 5% das crianças e 2,5% dos adultos. Vanessa Bencz é jornalista e roteirista com um sonho de mudar a realidade de muitas crianças que, assim como ela, sofreram ou sofrem com o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade) um transtorno neurobiológico que não é muito comentado e a partir da sua experiência, a jornalista de 30 anos decidiu escrever a história em quadrinhos “A menina distraída” como um projeto independente que foi financiado através do Catarse, uma plataforma de financiamento coletivo e está fazendo muito sucesso e ajudando as crianças e educadores de várias regiões do Brasil.

A autora conta que em 2012 visitava as escolas de Joinville (SC) falando sobre a importância da leitura. “De vez em quando, falava sobre minha fracassada trajetória escolar e o quanto a literatura me ajudou. Percebi que a questão do bullying chamava muito a atenção dos estudantes e constatei que era preciso falar sobre isso para começar alguma transformação” lembra Vanessa. E assim ela teve a ideia do livro HQ “A menina distraída” que conta a história de Leila, uma garota de 14 anos de imaginação fértil que sofre na escola e trata o transtorno de uma forma lúdica e criativa e ensina as crianças a como lidar com algumas situações como o bullyng. Confira a entrevista:

CDL: Poderia contar um pouco da sua história pessoal?

Vanessa: Desde que me conheço por gente sou apaixonada por desenho. Talvez fosse uma válvula de escape, afinal, eu sempre fui muito tímida e distraída. Aos 14 anos, um professor me pegou desenhando na sala de aula e me deu um baita esporro. Falou que se eu continuasse pensando em ser desenhista, terminaria sendo cartazista de supermercado e uma vergonha para a minha família. Meus colegas de escola evitavam andar comigo e, sempre que podiam, me humilhavam por conta das minhas notas baixas. Nesse meio tempo fui a uma psicóloga e ela me diagnosticou com TDAH. Aí, aos poucos, comecei a me entender e a conduzir a minha vida de uma forma mais feliz e construtiva!

CDL: Pode explicar o que é (TDAH) e quais as consequências para sua vida?

Vanessa: O Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) não é uma doença como a maioria das pessoas fala. É um funcionamento cerebral diferente, a meu ver. As pessoas que se encaixam neste “transtorno” geralmente têm dificuldades na vida escolar, afinal, o sistema educacional tem a intenção de padronizar os jovens num mesmo funcionamento, e os TDAHs jamais conseguirão um rendimento desta forma. Por isso são vistos como preguiçosos vagabundos e burros. Minha trajetória escolar foi um fracasso; eu tinha muito potencial criativo, mas isso nunca foi explorado – pelo contrário. Foi podado e eu fui humilhada por não ter o mesmo rendimento de meus colegas. Hoje eu olho para trás e sinto mágoa por ter sido tão excluída e agredida. Ninguém merece passar por isso.

 

CDL: Como surgiu a ideia de escrever o livro?

Vanessa: Em 2012 eu visitava as escolas de Joinville (SC) falando sobre a importância da leitura. De vez em quando, falava sobre minha fracassada trajetória escolar e o quanto a literatura me ajudou. Percebi que a questão do bullying chamava muito a atenção dos estudantes e constatei que era preciso falar sobre isso para começar alguma transformação. Foi assim que tive a ideia da HQ “A Menina Distraída”.

CDL: Como foi o processo de escrita e edição?

Vanessa: Extremamente cansativo em todos os aspectos, principalmente no psicológico. Primeiro, porque precisei reviver minha história para conceber o roteiro. Depois, porque escolhi o financiamento coletivo como forma de captação de verba. Administrar dinheiro, equipe de desenhistas e a campanha também foi um baita desafio que graças a Deus foi feito da melhor maneira possível dentro das minhas competências.

CDL: Você teve ajuda ou é um projeto independente?

Vanessa: A verba para realização da história em quadrinhos foi arrecadada através do Catarse, plataforma de financiamento coletivo. Precisávamos de 16 mil. Foi uma alegria conquistar 21 mil, muito mais do que pretendíamos. É um projeto independente, mas que contou com a colaboração de 309 pessoas, mais três empresas: a Bionexo, Target Idiomas e Fono&Cia.

CDL: Fale um pouco da história da personagem do livro e qual o objetivo dele?

Vanessa: A protagonista é a Leila. Ela tem 14 anos, ama desenhar e treinar Kung Fu. Mas as coisas ficam bem difíceis para ela quando tira a primeira nota zero. Vai sofrer bullying de colegas e até do professor. O objetivo do livro é causar empatia no leitor – sei que muitas crianças e adolescentes tem uma história parecida com a minha. Então, quero muito que os jovens leiam e sintam-se incentivados a lutar por si mesmos e pelo próprio futuro, assim como a Leila fez na história e eu fiz na vida real.

CDL: Como você acha que o livro pode influenciar as crianças?

Vanessa: Sem dúvidas. Os jovens são o reflexo daquilo que consomem. É uma pena que muitos não sejam incentivados a consumir literatura e seus derivados como as histórias em quadrinhos. Infelizmente a maioria consome apenas porcarias da televisão e da internet. Mas sei que muitos fazem isso porque não foram apresentados a produtos literários de qualidade. Por isso, fiz questão de parar de reclamar e colocar mãos à obra.

CDL: Como foi o retorno dos fãs?

Vanessa: Incrível. Muito melhor do que o esperado. Elaborei “A Menina Distraída” para se tornar uma ferramenta dos professores, para ser um motivo a mais para as escolas falarem sobre bullying, sonhos e força de vontade. Mas a coisa mal chegou às escolas e já está trazendo até mim depoimentos maravilhosos de quem leu, se identificou e resolveu se levantar para fazer alguma coisa. Isso é maravilhoso. Hoje consigo olhar para o meu passado com mais alivio, pois sei que a HQ está melhorando o momento presente de muitas pessoas.

CDL: O que você espera para o futuro tanto pessoal quanto para o projeto A menina distraída?

Vanessa: O retorno pessoal que eu esperava deste trabalho eu já tive: ter ele em mãos é uma alegria, é a minha vitória. Eu venci aquele professor que um dia falou que eu seria uma vergonha. Eu venci as pessoas que me apontaram o dedo e riram. Eu venci a mim mesma, porque por muito tempo acreditei nas coisas ruins que me falavam. Quanto à autonomia do livro, eu espero que ele ganhe cada vez mais o Brasil e chegue onde tem que chegar: nas mãos dos estudantes. Existem planos de transformar a HQ em teatro, musical e até em filme, mas tudo isso pode esperar. Nesse momento, trabalho em um irmãozinho para “A Menina Distraída”.

 distraida1

Para mais informações sobre o projeto, basta acessar o site ou a página no Facebook.

Futura jornalista e escritora de gaveta que usa seus textos para fugir um pouco desse mundo louco. Música, cultura, cinema e relacionamentos. Quer saber mais? Segue no twitter @cacaurocks

Advertisement
Comments

HQs

Prévia do quadrinho Batman #101 é revelada

Prévia liberada pela DC Comics mostra as consequências do Joker War.

Avatar

Published

on

DC Comics divulgou a prévia do quadrinho Batman #101, do escritor James Tynion IV (Batman: The Joker War) e dos ilustradores Guillem March (Catwoman) e Tomeu Morey (Detective Comics).

Em Batman #100, o Coringa lançou um ataque em grande escala em Gotham City, que caiu rapidamente graças a Punchline e sua nova iteração de Gás Risonho, que ela tentou usar para remover o Cavaleiro das Trevas da equação. Por fim, o herói, a Bat Família e a Harley Quinn conseguiram salvar a cidade. Agora, basta saber quais serão as consequências.

Confira a prévia abaixo:

Batman #101 está previsto para lançar no dia 20 de outubro.

Continue Reading

HQs

GI Joe: Snake Eyes | Revelado o que realmente está sob seu traje

Durante o combate contra uma nova inimiga, o traje do personagem é destruído, revelando algo bem familiar para os leitores.

Jacqueline Cristina

Published

on

No começo de seu último título, Snake Eyes está em uma missão para confrontar um antigo ninja conhecido como Kirigun. Entretanto, no decorrer de sua busca, ao lado de sua companheira de equipe Scarlett, o guerreiro é atacado por um homem, Golias, que está a serviço de seu inimigo. Além da diferença de tamanho entre eles, há a distância do poderio de luta de cada um, principalmente se falando do G.I. Joe.

Depois de derrotar o adversário com manobras rápidas e algumas balas bem aplicadas, Snake Eyes cai na armadilha de outra pessoa, Olympia, filha de Kirigun, que perseguia o ninja o tempo inteiro que andava pela ilha, especialmente na última batalha, o qual reconheceu que o guerreiro não estava utilizando todo o seu poder. Todavia, ela o atacou com shuriken envenenado para proporcionar-lhe a vantagem que precisava para derrotar o ninja.

Vale lembrar que o tempo todo ela o avisou sobre os estrondosos poderes de seu pai, que deixavam os dela num patamar de insignificância, além do fato notório de ela não querer matar o ninja, ao contrário, seu desejo era de instruí-lo para ser um oponente digno contra Kirigun.

Ainda assim, em meio à derrota de Snake Eyes, é revelado ao leitor, um segundo uniforme utilizado pelo personagem, que tem uma tonalidade familiar para os fãs dos quadrinhos da franquia, uma vez que ele já foi apresentado anteriormente em G.I. Joe Sierra Muerte #3 de Michel Fiffe. Efetivamente falando, não seria correto denominar como traje, dado que é uma camada de revestimento sintético, feita de parte látex e parte tecnológica, com a finalidade de embaralhar os sinais de determinado local, para assim garantir invisibilidade em meio a qualquer sistema de segurança.

Logo, ver o ninja utilizar tal revestimento em G.I. Joe Snake Eyes: Deadgame #2 mostra o seu pensamento ágil em imaginar que se infiltrar numa ilha envolvendo magia, requereria dele cada truque na manga que pudesse ter. Contudo, fica no ar uma pergunta a ser respondida: será a mesma “proteção” sintética apresentada anteriormente, ou será um projeto novo e cem por cento, artificial? Caso a resposta recaia sobre a segunda opção, teremos a certeza de que Snake Eyes recebeu um excelente upgrade que o tornaria uma unidade de infiltração admirável.  

Snake Eyes: Deadgame #2, já se encontra disponível para compra nas lojas físicas e digitais dos EUA.

Continue Reading

HQs

Os Campeões | Heróis são abalados por uma traição

Enquanto a equipe está divida pelas consequências da nova Lei contra jovens heróis, eles são traídos por alguém inesperado.

Jacqueline Cristina

Published

on

O título lançado este ano, Outlawed, trouxe uma grande tragédia e enorme divisão para a comunidade de super-heróis adolescentes no Universo Marvel. Após o episódio ocorrido com Ms. Marvel, que defendeu um inocente na Escola Acadêmica Cole durante um ataque, sofrendo ferimentos graves como resultado, e Viv Visão, a filha adolescente do Vingador Visão, que desapareceu; os jovens sofrem com os efeitos do incidente, se encontrando em fuga.

Atenção: Os parágrafos a seguir podem conter spoilers.

Depois do evento, apelidado pela mídia e pelo governo como o Desastre de Coles, o senador Geoffrey Patrick liderou o Congresso dos EUA para aprovarem uma nova legislação intitulada como Lei de Kamala, sem perceberem que a adolescente ferida, que eles nomearam a lei, é a própria Ms. Marvel. Destaca-se que o plano da determinação imposta, era de que indivíduos com menos de 21 anos, não poderiam “trabalhar” como super-heróis sem um orientador patrocinado pelo governo. Para aqueles que não executarem tal exigência, foi criado à agência federal “Child-Hero Reconnaissance and Disruption Law Enforcement (C.R.A.D.L.E.)”, com o objetivo de apreender e deter quaisquer super-heróis menores de idade não autorizados.

Ao passo que a comunidade de heróis está dividida a respeito da eficácia moral da Lei de Kamala, além de abalados pelo anúncio público da heroína de retomarem suas atividades heroicas depois de se recuperação do coma sofrido durante o desastre, eles descobrem que a “regra” os atingiu onde menos esperavam. Moon Girl já havia sido “detida” por não cumprir o exigido e Miles Morales evitou ser pego por pouco em uma operação coordenada pelo Departamento de Polícia de Nova York e a C.R.A.D.L.E. Enquanto Miles se une a outros companheiros em uma reunião secreta de super-heróis menores de idade em um bunker utilizado pelos Campeões, todos são expostos ao inimigo, sendo delatados por ninguém mais, ninguém menos que Viv Visão.

Personagem criada por Tom King e Gabriel Hernandez Walta na obra Visão #1 (vol. 3) de 2016 como parte de uma família sintética criada pelo herói, Viv encontrou refúgio nos Campeões, depois da destruição de sua mãe e irmão. Seguidamente do desastre ocorrido e de seu sumiço, a heroína é vista flutuando sobre a C.R.A.D.L.E. durante a invasão do bunker da equipe.

Dada a sua natureza “física”, não está nítido se Viv foi recuperada e reprogramada pela C.R.A.D.L.E. para entregar seus amigos ou se ela está cooperando conscientemente contra eles. Todavia, sabe-se que com a Lei de Kamala segmentando a comunidade heroica adolescente em sua própria Guerra Civil, a Ms. Marvel liderará aqueles que se opõem à legislação enquanto Viv Visão estará auxiliando o governo secretamente, para rastrear todos os opositores. E assim se desenrolará um amargo confronto entre velhos camaradas pela liberdade de todos, independente de sua idade.  

Os Campeões (2020) #1 já está disponível nas lojas físicas e digitais dos EUA.

Continue Reading

Parceiros Editorias