Connect with us

HQs

DC Rebirth – Em entrevista Geoff Johns entrega Relogio do Juizo Final

Avatar

Published

on

Que comece a contagem regressiva, porque a história de Geoff Johns sobre ‘O botão’ está vindo no mês de novembro com o Relógio do Juízo Final.

Tirando a conclusão pelo relógio do Juízo Final, a história por trás do Watchmen ter entrado para o universo DC pretende ser incrível. É um eufemismo dizer que vendo o símbolo do Superman na ranhura superior do relógio de Alan Moore e Dave Gibbons levanta varias questões. Intriga mais é despertada pelo título em si, suas iniciais “D.C.”, apresentado em fonte de Watchmen e a palavra “apocalipse”, o mesmo nome do vilão que matou o Superman há 25 anos atrás.

1. isto não é uma sequência de Watchmen?

“É outra coisa. É Watchmen, colidindo com o universo DC. É mais pessoal e mais épico, totalmente o mais alucinante projeto que já trabalhei na minha carreira. Com o Renascimento, abri a porta para Manhattan. Parte disso era que eu amava, a influência do mundo real que tem Watchmen. Coloquei o Manhattan lá fora, e sempre achei que havia uma história de Manhattan/Superman a ser contada, mas então… Cresceu. E cresceu. Ele assumiu meu coração e minha alma. Ainda, no núcleo do mesmo, há um ser que perdeu sua humanidade e distanciou-se dela e um alienígena que encarna a humanidade mais do que a maioria dos seres humanos. Eu amo a ideia de que Watchmen influenciar a DC, mas como seria o contrário? E vai bem além disso.”

2. Como será isso?

“Não vamos fazer uma história como esta, a menos que estejamos certos dela. É tudo sobre a história; é apenas sobre a história. Não há nenhum cruzamento. Esta é uma história autônoma. Há apenas o Relógio do juízo final. Nós não tinhamos interesse em fazer um crossover com isto. Não queremos ver o doutor Manhattan, enfrentando o Superman na Action Comics, com todo o respeito. Não se trata disso. Se trata de algo diferente… Isso terá um impacto sobre todo o Universo DC. Vai afetar tudo que vai vir depois e tudo que veio antes. Ele vai tocar a essência temática e literal da DC.”

3. quais personagens estão envolvidos na história

“Vai haver muitos personagens da DC, mas isso focaliza em apenas um grupo. Há muito foco sobre o Superman e o doutor Manhattan. Doutor Manhattan é um foco enorme e suas razões para estar aqui e fazer o que ele faz, em última análise, tem a ver com o Superman. E há muitos, muitos mais personagens envolvidos, mas é um pouco cedo para discutir.”

4. esta é uma história oportuna (é uma história para os nossos tempos?)

“É muito mais do que o presidente americano ou as reações a ele. Isso é maior, mais profundo. É sobre o mundo e a atitude das pessoas. Sinto que há extremos agora em todos os lugares, extremos de todos os lados. Não há nenhum ramo de Oliveira a mais. Isso não existe. Sinto que as pessoas, mais e mais, são separadas. Eles estão escolhendo lados, em vez de descobrir como melhorar a vida juntas. Há um verdadeiro sentimento de raiva e frustração, e não há muita compaixão, ou vontade de compreender o mundo. Contando uma história de dois extremos.  Achamos que é importante… 

5. sobre esse título

“Parecia que o título era perfeito. Eu gosto da “DC”. Que costumava ser chamado “The Doomsday Clock”, mas eu tirei o “A”. Obviamente as pessoas sabem quem é Doomsday, mas ele não é uma parte da história, mas eu gosto das implicações disso. As pessoas vão pensar que a última vez que ouviram Doomsday e o Super-homem, ele morreu, então o que vai ser? O que ele vai passar? E como ela afetará tudo mais a frente?”

6. se o Renascimento trouxe esperança para o DCU, Watchmen vai infecta-lo?

“Isso é exatamente o ponto da história. Será que vai? Pode isso?

Eu acredito no poder destes ícones. Eu acredito no poder de esperança e otimismo. Não acho que é falso. As pessoas tendem a dizer se é cruel e corajoso, é real e fechado. Eu me recuso a isso… E não me importo se instiga o drama. Mas eu quero fazer o drama do jeito certo. Eu acho que o Gary e eu ganhamos o direito de fazer uma história em que nós acreditamos. Com o Renascimento, acho que nós provamos que o cuidado é levando isto sério. Nós amamos o Watchmen. Nós amamos o universo DC”.

Leia a entrevista completa no SyFy

Advertisement
Comments

HQs

Quais surpresas estarão reservadas para O Cavaleiro das Trevas em Batman #96.

Grandes reviravoltas aguardam o herói na continuação de “A Guerra do Coringa”.

Jacqueline Cristina

Published

on

Com as devidas desculpas a banda Grateful Dead, o Cavaleiro das Trevas segue em sua própria “Longa Viagem Estranha”, em que o misterioso Clownhunter é revelado nas páginas de Batman #96, parte dois de “A Guerra do Coringa”, que conta com James Tynion IV, e arte de Jorge Jimenez.

Recuperando-se dos efeitos do terrível ataque de toxina do Coringa, Batman está fugindo por Gotham, perseguido pelas sombras e vozes escuras que assombram o passado e o presente! À medida que o plano do Coringa se materializa, a única pessoa que pode salvá-lo da beira de uma verdadeira loucura é ninguém mais, ninguém menos que…Arlequina? Além disso, quem é a figura misteriosa conhecida pelo nome de Clownhunter?

Confira abaixo algumas imagens de Batman #96:

Batman #96 estará a venda nos EUA, a partir de 04 de Agosto.

Continue Reading

HQs

Death Metal revela que Wally West falhou

Dark Nights: Death Metal confirma o fracasso de Wally na missão mais importante da sua vida.

Avatar

Published

on

O evento Dark Nights: Death Metal confirmou que a tentativa de Wally de fazer uma odisseia para salvar toda a realidade da influência do Multiverso das trevas terminaria em fracasso.

A partir deste ponto, esta matéria conterá spoilers.

Enquanto estava no Santuário de reabilitação de heróis, uma explosão emocional fez Wally, sem querer, libera uma gigante energia da Força de Aceleração, matando os outros ocupantes da instalação. Após o acontecido, Wally decidiu se recluir até ser recrutado, contra a sua vontade, pelo onipotente Tempus Fuginaut para uma nova missão. 

Depois de dar a Wally um impulso de velocidade para atravessar mundos, Tempus encarregou o super-herói speedster de expurgar a energia do Multiverso Negro dos mundos afetados. Essa aventura de passar por vários universos aconteceu durante a minissérie Flash Forward.

No fim da minissérie, ao sentar-se no Trono Mobius, Wally é impulsionado por ele e pela energia residual deixada por Manhattan, dando ao herói uma consciência cósmica que supera a de Tempus. Isso fez com que ele percebesse que o Manhattan apenas “deu um jeitinho” na realidade, ao invés de repará-la, então Wally decide consertar o Multiverso.

Wally viaja no tempo, pelo Universo DC, apenas para encontrar o Batman que Ri, já que o mesmo está corrompendo a realidade com sua energia do Multiverso Negro. Em Liga da Justiça é mostrado a aliança de Perpetua com o Batman que Ri, para que assim reinem e reescrevam o Multiverso.

Só que é ai que a notícia ruim entra. Em Death Metal, o Multiverso das Trevas já conseguiu invadir e corromper a realidade, mesmo com a tentativa de Wally e Tempus. Mostrando que, mesmo com seu aumento absurdo de poder, a missão foi um fracasso. O herói não conseguiu parar o Batman que Ri.

Dark Nights: Death Metal # 1 já está disponível na DC Comics. Até o momento da matéria, não dá data para sua tradução em português.

Continue Reading

HQs

Prévia de The Rise of Ultraman é revelada

Comemore o dia do Ultraman com esta prévia repleta de novidades!

Avatar

Published

on

Em homenagem ao Ultraman Day (Dia do Ultraman), pela celebração da primeira aparição pública do Ultraman na televisão em 1966, a Marvel Comics revela a prévia tão esperada de The Rise of Ultraman #1.

A equipe criativa conta com os escritores Kyle Higgins (Power Rangers, Soldado Invernal) e Mat Groom (Self/Made) e os artistas Francesco Manna (Vingadores), Michael Cho (Capitão América) e Gurihiru (Vespa). Já a capa é do lendário Alex Ross.

Confira a prévia liberada pela Marvel Comics:

Capa da segunda edição.

“Ultraman, e seus Ultra-irmãos, tem inspirado e emocionado pessoas por todo o mundo, por metade de um século. Nós estamos honrados de ter a oportunidade de adicionar um fio único à grande tapeçaria Ultraman – aproveitando tudo o que veio antes, para criar algo diferente de tudo. Rostos familiares, assumindo novos papéis. Ideias familiares, mas com novas mudanças. Estamos fazendo o possível para garantir que os fãs de Ultraman vejam os elementos que eles conhecem e amam – mas também para garantir que esses mesmos fãs nunca serão capazes de adivinhar o que vem a seguir, a cada passo.”, disse os escritores.

Capa variante de Adi Granov.
Capa variante de Ed McGuinness

Quer conferir as capas variantes das futuras edições? A Marvel Comics disponibilizou uma galeria repleta delas. Para ver é só clicar aqui.

The Rise of Ultraman #1 está marcado para lançar no dia 9 de setembro. Até o momento desta matéria, não há data para sua versão em português.

Continue Reading

Parceiros Editorias