Connect with us

Livros

Desenvolva sua própria técnica

Avatar

Published

on

Você que é escritor sabe que as pessoas sempre ficam muito curiosas perto de você. Elas olham para você, analisam seu rosto, incrédulas, como se duvidassem que foi você quem escreveu o livro. Depois de alguns instantes, talvez porque a curiosidade seja maior, resolvem lhe dar algum crédito e, enfim, lhe perguntar como você (justo você!) teve aquela ideia maravilhosa para escrever seu livro, podem também querer saber como a ideia foi se desenvolvendo dentro de você ou mesmo questionar como você conseguiu escrever um livro inteiro.

Grosso modo, até onde pude ver, há dois tipos de escritores aqueles que, tal como Stephen King, gostam de descobrir sua história aos poucos, conforme vão escrevendo. E outro tipo de escritor que gosta de ter toda a história pronta e estruturada antes de começar a escrever seu livro. Nessa esteira, J.K. Rowling agradeceu as quatro horas que ficou dentro de um trem atrasado, pois a ajudaram a conceber boa parte da trama de Harry Potter.

Stephen King no seu livro OnWritingdiz que ele acredita que as histórias são coisas achadas, assim como fósseis. O trabalho do escritor é usar as ferramentas certas a fim de tirar a história do solo o mais intacta possível. Às vezes é uma história enorme, tal como um Tiranossauro Rex, e às vezes é tão pequena como uma concha, Stephen diz que não importa, pois as técnicas de escavação são basicamente as mesmas. Ele diz que não importa se você tem muita experiência ou que seja muito bom o fato é que é praticamente impossível tirar o fóssil inteiro do solo sem quebrar alguma coisa, mas você deve usar ferramentas delicadas, a fim de fazer o melhor trabalho.

Em seguida, Stephen critica o uso da estrutura da trama pelo escritor dizendo que é uma ferramenta grande demais.

“Plot is a far bigger tool, the writer’s jackhammer, no argument there, but you know as well as I do that the jackhammer is going to break almost as much stuff as it liberates. It’s clumsy, mechanical, anticreative. Plot is, I think, the good writer’s last resort and the dullard’s first choice. The story which results from it is apt to fells artificial and labored. ” (Stephen King, On Writing, digital book, p. 139)

Apesar da crítica de Stephen, a verdade é que criar uma estrutura para trama antes de começar a escrever funciona para muitos escritores que gostam de ter controle absoluto da história.

A escritora J.K. Rowlling começou a escrever Harry Potter em um esboço.

A escritora J.K. Rowlling começou a escrever Harry Potter em um esboço.

Eu gosto de trocar ideia a esse respeito com outros escritores e fazendo isso eu descobri que há escritores que não gostam de estruturar sua trama, mas querem pelo menos saber como a história vai terminar, há outros que não se contentam em estruturar somente a história, mas vão além e fazem uma biografia de cada um de seus personagens (ainda que isso não apareça na trama), há outros que não usam planilhas, mas lembretes que penduram pela casa inteira, e outros ainda que colocam uma música, pegam uma taça de vinho e deixam a imaginação voar solta, esses últimos gostam que os personagens tomem conta da história e se divertem para ver o que eles irão aprontar, enfim, a criatividade humana é incrível também na hora de se conceber uma boa história de ficção.

Particularmente, eu acredito que técnica por técnica de nada serve, toda técnica tem um objetivo para o qual deve ser útil. No caso da técnica para escrita seu fim é claro auxiliar o escritor a produzir uma história de ficção que agrade e prenda o leitor. Assim, louvar a técnica pela técnica é idiotice das maiores, o importante para o escritor é escrever uma boa história! Se você consegue isso ouvindo música alta, usando seu pijama em plena madrugada e deixando seus personagens tomarem conta da história, ótimo para você. Se consegue isso, na frente de uma planilha de excel, estruturando cena por cena e tomando seu sua vitamina de banana pela manhã, ótimo para você! O que importa, meus amigos, é escrever uma história bacana! Como fazer isso? Ora, você precisará se aventurar e descobrir sua própria maneira.

Eliane Quintella é escritora, autora da trilogia Pacto Secreto e do Thriller Café forte, por falar nisso é aficionada em Thriller, não é politicamente correta e se orgulha disso.

Advertisement
Comments

Resenha

Resenha | Morte no Verão

Uma investigação sobre o lado oculto — escuro — do ser humano.

Rodrigo Roddick

Published

on

Noir sempre despertou curiosidade sobre o que as pessoas fazem quando estão no escuro. O que suas sombras contariam se pudessem falar? O gênero geralmente investiga esses critérios e tende levar a julgamento essas ações cometidas no escuro. Mas é uma narrativa que se repete. Morte no Verão tem elementos claros do gênero, apesar de não ser tão original quanto se espera.

Morte no Verão é um livro escrito por John Benville através do pseudônimo Benjamin Black — talvez escolhido para incitar o noir — e foi publicado pela editora Rocco em fevereiro. O autor é premiado, recebeu o Man Booker Prize com a obra O Mar e coleciona vários elogios de respeitados jornais internacionais na contracapa.

“As pessoas desaparecem quando morrem (…) Elas ainda estão ali, o corpo ainda está ali, mas e elas se foram”

A história gira em torno de Richard Jewell, um magnata que é encontrado morto segurando a arma do crime, uma espingarda. A hipótese preliminar é que fora suicídio, mas Quirke, o legista, indica que fora assassinato e então se inicia uma investigação para descobrir o autor do crime. Apesar desse ser o ímpeto inicial, o leitor vai descobrir que o romance se foca mais nas descobertas da vida particular da vítima que na acusação de um culpado.

A proposta superficial do livro é fazer o leitor descobri quem é o assassino, afinal é um romance policial. E isso se prova algo extremamente fácil. Quem lê ou assiste obras noir, ou quem pelo menos conhece o gênero, não vai encontrar dificuldade alguma em identificá-lo. Portanto o autor se concentra em rechear a narrativa com a vida obscura de Richard Jewell. E apesar de ser uma situação interessante, não é lá tão original.

O romance é muito bem escrito e apresenta alguns elementos nas falas dos personagens que convencem o leitor a lhes dar uma atenção especial, entretanto eles não possuem muita profundidade quanto esperado, nem mesmo os personagens do ciclo principal.

“Talvez ninguém jamais fique sinceramente triste quando alguém morre, apenas finja. Não dizem que não é pela pessoa que morre que nos lamentamos, mas por nós, porque vamos morrer também?”

O mais interessante, porém, é a vida particular da vítima. Até o final, Benville propõe uma discussão encontrada algumas vezes em outros livros: em alguns casos, o crime é justificável? Até que ponto um crime pode ser considerado errado? É uma reflexão delicada, afinal crime é crime, mas que enriquece bastante o ser humano e o coloca na busca de suas próprias opiniões sobre os “certos e errados” da vida.

Apesar de ser um bom representante do gênero, não espere de Morte no Verão um livro empolgante e intrigante. É uma narrativa lenta, que procura levar o leitor para dentro da época mais do que seduzi-lo com jogos inteligentes.

Com algumas tiradas inteligentes e favorecendo os elementos noir, Morte no Verão consegue ser uma leitura calma e tranquila, adequada para uma tarde de domingo — preferivelmente quente para se inserir no enredo.

Continue Reading

Livros

AMC adquire direitos de adaptação de ‘As Crônicas Vampirescas’

Aquisição engloba 18 obras de Anne Rice.

Rodrigo Roddick

Published

on

As Crônicas Vampirescas e As Bruxas de Mayfair vão ser adaptadas para série. A emissora norte-americana AMC comprou os direitos que antes pertenciam ao canal de streaming Hulu. A aquisição engloba ao todo 18 livros da autora Anne Rice, compreendendo as sagas mencionadas mais alguns títulos que intercalam as duas histórias.

A Hulu começou o projeto em 2016 e contava com a produção de Bryan Fuller (Deuses Americanos), mas agora o posto foi assumido pelo filho da autora. Christopher Rice então recebe a missão de adaptar os 12 livros d’As Crônicas Vampirescas, saga que foi impressa no Brasil pela editora Rocco. O volume um é Entrevista com o vampiro, que recentemente foi relançado pela editora.

Entrevista com o vampiro foi levado às telonas em 1994 com a participação de Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas e Kirsten Dunst. O filme trouxe grande prestígio aos livros e à autora, sendo recebido com grande aclamação pela mídia. Já A Rainha dos Condenados (2002), que também foi adaptado para filme, não teve o mesmo sucesso.

Até o momento não foram divulgadas informações como diretor, elenco e data de estreia. Os 12 livros da série estão disponíveis também em formato e-book.

Continue Reading

Resenha

Resenha | 1984

O livro propõe uma ditadura através da resignificação da linguagem. Uma “razão” que destrói palavras.

Paulo H. S. Pirasol

Published

on

1984

A obra de George Orwell começa a ser escrita em 1947, é publicada em 1949 e lançada no Brasil em 2009 pela editora Companhia das Letras. 1984 apresenta uma distopia de um mundo dividido em três grandes potências padecendo de uma guerra sem fim.

capa 1984

Oceania, uma das potências, é o espaço físico do protagonista Winston Smith, funcionário do departamento de Registo do Ministério da Verdade. Com os seus questionamentos e relações sexuais discretos com Júlia, membro de Liga Juvenil Anti-Sexo, ele ameaça o controle do regime político totalitário: Socialismo Inglês ou Ingsoc regido pelo Grande Irmão.

O Partido possuí quatro ministérios que trabalham na manutenção do controle de submissão da população. Orwell é criativo quanto ao funcionamento dos ministérios e quanto às estratégias cobradas para o funcionamento do regime. No início, a montagem da história forma uma estrutura que se divide em conflitos do personagem no passado e no funcionamento do Partido. Durante o desenvolvimento da narrativa, esta divisão se transforma em um único argumento, resultado de uma sinapse do conflito entre o Amor e a Autoridade.

“A Décima Primeira Edição será definitiva – disse ele. – Estamos dando à língua a sua forma final – a forma que terá quando ninguém mais falar outra coisa. Quando tivermos terminado, gente como tu terá que aprendê-la de novo. Tenho a impressão de que imaginas que o nosso trabalho consiste principalmente em inventar novas palavras. Nada disso! Estamos é destruindo palavras – às dezenas, às centenas, todos os dias. A Décima Primeira Edição não conterá uma única palavra que possa se tornar obsoleta antes de 2050”

Entre as estratégias do Partido, se encontra a Novilíngua — a qual o trecho acima se refere — apresentando a ideia da formação de uma nova língua que busca a redução gradativa de palavras. Pois bem, o que há entre as palavras e as coisas para que tenha potencial nesta ideia? Existem algumas formas de pensar sobre as palavras, entre as mais comuns está o nominalismo que procede de uma ideia de que o universal não passa de um nome, uma convenção que damos. Já para os realistas, as coisas e os nomes possuíam uma analogia prática. Quanto mais universal fosse o termo gramatical, maior seria o seu grau de participação na perfeição original da ideia. Um substantivo que exige mais de uma ideia, apresentaria em si também a maior exigência daquilo e para o Partido este era o problema.

“É lindo, destruir palavras. Naturalmente, o maior desperdício é nos verbos e adjetivos, mas há centenas de substantivos que podem perfeitamente ser eliminados. Não apenas os sinônimos; antônimos também. Afinal de contas, que justificação existe para a existência de uma palavra que é apenas o contrário de outra? Cada palavra contém em si o contrário. “Bom”, por exemplo. Se temos a palavra “bom,” para que precisamos de “mau”? “Imbom” faz o mesmo efeito — e melhor, porque é exatamente oposta, enquanto que o mau não é. Ou ainda, se queres uma palavra mais forte para dizer “bom”, para que dispor de toda uma série de vagas e inúteis palavras como “excelente” e “esplêndido” etc. e tal? “Plusbom” corresponde à necessidade, ou “dupliplusbom” se queres algo ainda mais forte. Naturalmente, já usamos essas formas, mas na versão final da Novilíngua não haverá outras. No fim, todo o conceito de bondade e maldade será descrito por seis palavras — ou melhor, uma única. Não vês que beleza, Winston? Naturalmente, foi a ideia do Grande Irmão, — acrescentou, à guisa de conclusão”

De forma sútil, interessante e justificável, esta explicação é realizada no início da história para que possamos compreender os movimentos estratégicos do Partido, não por uma conduta crítica, mas pela perspectiva empolgante e positiva de uma ideia diabólica visando o retrocesso da Razão que se contrapõe ao dogmatismo do Grande Irmão. Entretanto, a necessidade deste novo idioma não se sustenta somente com o sucesso de romper a ligação do pensamento e o ser nas categorias lógica-linguísticas, mas principalmente para a criação de uma nova história. Outra presença fundamental é o Duplipensar.

“E se todos os outros aceitassem a mentira imposta pelo Partido – se todos os anais dissessem a mesma coisa – então a mentira se transformava em história, em verdade. “Quem controla o passado,” dizia o lema do Partido, “controla o futuro: quem controla o presente controla o passado.” E no entanto o passado, conquanto de natureza alterável, nunca fora alterado. O que agora era verdade era verdade do sempre ao sempre. Era bem simples. Bastava apenas uma série infinda de vitórias sobre a memória. “Controle da realidade”, chamava-se. Ou, em Novilíngua, “duplipensar.”

O duplipensar consiste em ter simultaneamente duas opiniões conflitantes e acreditar em ambas. Fazer com que a população exercesse essa prática foi o que tornou compreensível a conformidade do slogan: Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força.

Devido a essas alterações no conhecimento é que foi possível a aceitação deste slogan como verdade. Graças ao Ministério da Verdade, onde Winston trabalha, foram alterados fatos históricos em favor do Partido. Esta cautela de Orwell de apresentar maneiras compreensíveis e atemporais da realidade torna sua ficção plausível. Nos pontos mais surreais, o interesse não se mantém por uma série de conflitos — pois o conflito já é definido como único desde o início — mas sim por uma curiosidade na construção da submissão, por entrelaçá-la no contexto em forma de uma sátira perversa.

E essa perversidade está impregnada em todos os momentos. Não há fuga quando o lema do Grande Irmão presente em cartazes em todos os lugares é “Is Watching You”. Mesmo que ninguém tenha o presenciado alguma vez, eles o seguem como uma divindade que é onipotente e onipresente.

De que forma é possível confrontar um sistema ditador bem instituído? É essa pergunta que o livro procura refletir.

Continue Reading

Parceiros Editorias