Connect with us
Rodrigo Roddick

Published

on

E se lhe dissessem que o ser humano tem o poder de construir realidade? E se lhe dissessem que você usa esse poder sem perceber? Crença, uma palavra pequena, mas que rege a vida de todas as pessoas. Toda a realidade é fruto de um conglomerado de crenças, tanto pautadas em raciocínios científicos quanto em teorias abstratas. Deuses Americanos procura retomar a vocês, leitores, o controle sobre esse poder.

O livro Deuses Americanos (American Gods), de Neil Gaiman, foi lançando pela primeira vez em 2001, tanto nos Reino Unido, país de nascimento do autor, pela Headline, quanto nos Estados Unidos, pela editora Willian Morrow. É vencedor de dois prêmios renomados nos EUA, o Hugo e o Nebula, ambos em 2002 e na categoria Melhor Romance. Já tendo conquistado o Bram Stoker em 2001 (EUA). Ele chegou ao Brasil em outubro de 2016 através da editora Intrínseca em uma edição expandida que é preferida pelo Gaiman. Você pode ler um trecho do livro clicando aqui.

Deuses Americanos foi adaptado para um série da Amazon Prime Vídeo e está disponível na plataforma. A série é mais conhecida com seu equivalente em inglês American Gods. Em 2018, a editora Intrínseca trouxe novamente o romance, mas em formato de novela gráfica, HQ, que conta a história dividida em mais de um fascículo.

Neil Richard MacKinnon Gaiman nasceu em 10 de novembro de 1960, em Portchester, um subúrbio no sul da Inglaterra. Ele aprendeu a ler com quatro anos e se considera um leitor voraz. Escolheu o jornalismo como profissão não por acaso, mas porque acreditava que formaria networking que o ajudaria em sua carreira profissional posteriormente. Seu início foi realizando entrevistas e escrevendo críticas literárias.

Sua obra mais famosa é Sandman, uma série de HQ sobre a figura antropomórfica do Sonho, Morpheus – uma alusão ao deus grego do sonho, mas apenas em nome. O personagem é único e cheio de peculiaridades complexas. A obra vai ganhar uma adaptação pela Netflix com a participação de Neil Gaiman.

Deuses Americanos se inicia com Shadow Moon, protagonista, sendo liberado da cadeia mais cedo porque sua mulher tinha acabado de morrer em um acidente de carro juntamente de seu melhor amigo Robbie. Sem rumo, o ex-presidiário decide voltar para casa, mas na viagem de avião conhece um estranho homem chamado Wednesday. Este se revela conhecedor de seus infortúnios e, por isso, lhe apresenta uma proposta de trabalho como guarda costas, o qual ele, a princípio, recusa.

Quando finalmente aceita, Shadow acompanha Wednesday em algumas cidades norte-americanas e juntos começam recrutar antigos deuses de diferentes mitologias para lutar contra os novos deuses: Mídia, Garoto Técnico, Os Intocáveis e Mr. World e seus agentes. Todos eles estão na terra antropomorficamente porque as pessoas creem neles. Os antigos deuses, de tão fracos que estão — porque não são mais cultuados — vivem como pessoas comuns, que trabalham para se sustentar, enquanto os novos deuses possuem o domínio do mundo, nos empregos de poder – mídia, governo, mercado financeiro, internet.

Enquanto a trama principal é narrada, surgem algumas histórias paralelas e anacrônicas que mostram como os deuses foram parar nos EUA.

Deuses Americanos é um livro que apresenta riquíssimas reflexões a respeito da crescente alienação humana de endeusar certos aspectos da modernidade, sem perceber que os construiu e ainda os constrói. Essa metafórica forma de tratar do assunto coloca sob a imagem de deuses certas potências contemporâneas, ao mesmo tempo que os confronta com os deuses antigos, provindos das mitologias de diferentes culturas. Apesar desse enfoque, Gaiman coloca como catalisador desse processo algo muito simples e intrínseco ao homem, seu maior poder: a crença.

Já no início da história, quando Shadow conhece Wednesday no avião, é abordado o processo de se acreditar em algo.

“— Eu perguntei: quem é você?

— Vejamos. Bom, considerando que hoje certamente é meu dia, que tal você me chamar de Wednesday? Senhor Wednesday. Se bem que, com esse tempo lá fora, bem podia ser Thursday, né?

— Qual seu nome de verdade?”

Ao indagar sobre a verdade, Shadow está se perguntando no que acreditar, ao mesmo tempo que é confrontado com elementos para o qual não está dando credibilidade. Mas este trecho tem um sentido de construção de verdade não apenas pela conduta do protagonista, mas também pela de Wednesday, que deixa claro que ele existe na realidade das pessoas há tempos. Para entender isso, porém, é necessário recorrer ao fim do livro, à nota do tradutor, onde se manifesta uma explicação acerca dos dois nomes da semana que é abordado no texto.

“Ao se apresentar a Shadow no avião, ele se anima ao constar que é quarta-feira porque, na língua inglesa, Wednesday significa ‘dia de Woden’, ou ‘dia de Odin’. Daí também o gracejo dele ao comentar o clima de tempestade dizendo que devia ser quinta-feira, ou Thursday, ‘dia de Thor”

Cheio de significados, Deuses Americanos abarca reflexões profundas sobre a conduta das pessoas no dia a dia como o costume de ficar horas diante da televisão idolatrando pessoas que são exatamente como elas; também discussões sobre o uso de armas de fogo (que é muito comum nos EUA); o fetichismo da vida online, metaforicamente abordado pela existência do Garoto Técnico; o incessante desejo por controle (Mr. World e seus capangas); e o dinheiro retratado como uma ilusão.  

Gillian Anderson é Mídia

Gaiman demonstra mais uma vez sua genialidade ao colocar os Intocáveis como as ondas invisíveis do mercado, que levam e molham todos ao redor, mas que não são visíveis a “olho nu”. Porém sua mais brilhante reflexão é quando ele sugere que tudo isso só é possível, tudo que existe e se agarrou ao real, porque proveio do exercício do homem em acreditar que o que se apresentou diante dele é, de fato, verdadeiro.

“Uma lança simboliza uma lança, e, neste mundo infeliz, o símbolo é a coisa em si”

Este poder é o tempo inteiro retratado nas páginas com o aparecimento dos deuses, que somente estão em carne e osso, ou seja, materializados, pelo poder da crença humana. O interessante dessa abordagem é que exprime o sentido de que o ser humano é capaz de construir qualquer coisa com sua crença, até mesmo realidade, portanto o entendimento do que é real hoje é repensado e ganha uma conotação de construção, algo moldado para ser assim. O livro traz um capítulo extra (que foi excluído de outras edições) no qual Shadow se encontra com Jesus e este lhe explica o que é ser deus, ou seja, como o poder da crença o materializa como um.

“— Já pensou no que significa ser um deus? — perguntou o homem. Ele tinha barba e usava boné — Significa abrir mão de sua existência mortal e se transformar em meme. Algo que vive para sempre na mente das pessoas, como a melodia de uma cantiga de ninar. Significa que todo mundo vai poder recriá-lo na própria cabeça. Você praticamente perde sua identidade. Em vez disso torna-se mil aspectos do que as pessoas precisam que você seja. E todo mundo quer algo diferente. Nada é fixo, nada é estável”

A partir dessa reflexão é possível ir mais além e chegar ao cerne da discussão, observando que as pessoas que acreditam nessas histórias e as encaram como realidade foram as mesmas que as criaram, portanto se entende que o ser humano consegue criar realidade a partir dos sentidos e da própria crença.

Quando ele acredita em algo, este algo torna-se real para ele, mas se cada pessoa compartilha dessa crença, cria-se uma rede em que todos estão a encarar este “algo” como verdadeiro, e ele se torna real no mundo. Portanto, a realidade nada mais é do que a materialização daquilo em que se acredita. O problema é que, exercendo o poder da crença desde seu surgimento, o ser humano é capaz de acreditar em qualquer coisa.

Shadow

É neste lugar que mora a observação da manipulação. Se uma pessoa nota este poder, como Wednesday, por exemplo, ela pode conduzir os acontecimentos para que a realidade tome forma da maneira que lhe apraz. Então se torna discutível a verdade inserida neste mundo real construído. E assim se chega na realidade que se vê hoje: poucas pessoas conduzindo a vida de muitos. As pessoas viram apenas gado, produtores de riquezas para estes “poucos”, uma vez que é pelo dinheiro, que elas se relacionam.

Enquanto isso, a vida é ignorada, o mundo enquanto espaço vivo também o é, e as pessoas permanecem a sustentar a fantasia de suas “vidas” cotidianas acreditando que estão vivendo, mas sem vivê-las de fato. Fantasia que beneficia e mantém os que detêm o poder, este construído pela confluência da crença de todos. Que é exatamente o objetivo do antagonista quando maquina uma guerra entre os velhos e novos deuses.

Mas a Shadow, depois que ele se sacrifica e vai para uma experiência pós-morte, é dado o poder da escolha em que mundo viver. “Que caminho você deseja seguir: os das verdades difíceis ou das belas mentiras?” Essa escolha não é apresentada apenas a ele, mas a todas as pessoas, pois quando Gaiman destina a pergunta ao personagem principal, está enviado a todos os leitores; lembrando que todos têm o poder da escolha. Shadow responde que prefere o caminho das “verdades”, pois já foi “longe demais para ter apenas mais mentiras”.

Cartaz da série Deuses Americanos pela Amazon Prime Vídeo

Ao fim de seu percurso pela dimensão que visita ao estar morto, Anúbis pesa seu coração em uma balança para ser confrontado com o peso de uma pena. O deus lhe diz que se a os dois se equilibrarem, ele pode escolher pra onde ir.

“Quero descansar. (…) É isso que eu quero. Não quero nada. Nem céu, nem inferno, nada. Só quero que acabe”

Cansado de “lutar batalhas que os outros escolheram”, Shadow manifesta, depois de compreender em sua jornada, o que é ser um deus, a sina do ser humano.

 “Acho que prefiro ser humano a ser um deus. A gente não precisa que ninguém acredite que existimos. A gente existe de qualquer jeito. É o que a gente faz”

Uma sincera resposta ante um mundo todo construído pela crença, onde não se sabe diferenciar o falso do verdadeiro.

Deuses Americanos é um compendium sobre a crença, uma bíblia para aqueles que querem ter o poder de decidir o que escolher, decidir o que vai ser real em seu mundo.

Advertisement
Comments

Resenha

João e Maria

Livro: o prestigiado Neil Gaiman e o incrível Lorenzo Mattotti se encontram para recontar um clássico.

Mylla Martins de Lima

Published

on

Capa Cabana do Leitor

João e Maria é uma adaptação de um dos contos dos Irmãos Grimm feita por Neil Gaiman e ilustrada por Lorenzo Mattotti. O livro foi trazido para o Brasil através da editora Intrínseca em 2015.

Embora todos conheçam a história, revisitá-la vale muito a pena, pois um olhar menos infantil acaba tornando tudo mais chocante. As ilustrações de Lorenzo fazem com que essa experiência seja ainda mais tensa, enquanto a escrita de Gaiman apresenta toques pessoais muito sutis.

Não houve mudanças extremas durante a narrativa e o clássico só ganhou olhares mais maduros, sem interferir na personalidade dos personagens. O foco é na crueldade dos pais e da ”bruxa”, que sofre uma repaginada e é apresentada em uma versão mais realista, sem muita fantasia e misticismo, como uma senhora canibal e exploradora. Reler desse ponto de vista é realmente perturbador.

“As crianças dormiam em montes de feno. Os pais, em uma cama antiga que pertencera à avó do lenhador. João acordou no meio da noite com uma dor aguda e vazia na barriga, mas não disse nada, porque sabia que tinha pouca coisa para comer. Ele manteve os olhos fechados e tentou voltar a dormir. Quando dormia, não sentia fome”

Um lenhador e sua esposa com dois filhos vivem em uma cabana muito próxima à floresta. Apesar do estilo de vida humilde, sem qualquer tipo de luxo e muito trabalho braçal do homem, a comida nunca faltou. Foi quando a guerra se instaurou no local que veio a escassez, e com ela, a fome.

João foi quem ouviu os planos da mãe de ”esquecê-los” na floresta, pois seria mais fácil sobreviver dois que quatro. Essa é uma das cenas enfatizadas por Gaiman. Apesar de contestar de primeira, o pai logo se cala, mostrando-se submisso à loucura da mulher, levando seus filhos para um ”passeio” assim que acordaram.

”Somos quatro — disse a mãe. — Quatro bocas para alimentar. Se continuarmos assim, vamos todos morrer. Sem as bocas a mais, eu e você teremos chance.

[…] — Se você não comer —  respondeu a mulher — , não vai conseguir brandir o machado. E, se não conseguir cortar uma árvore ou levar lenha para a cidade, todos morreremos de fome. É melhor morrerem dois do que quatro. É só questão de matemática, uma questão de lógica”

O final desse conto todos já devem saber, mas o desenrolar dela pelas palavras de Gaiman é realmente impressionante, destacando as horas de medo e descrença, como é o caso da argumentação tão fria da mãe que convence seu marido a sacrificar seus filhos em troca de sua própria sobrevivência.

Nas últimas páginas do livro, uma contextualização do conto ao longo do tempo é feita. É muito interessante a causa de sua transformação! A crueldade não se restringe à ficção, já que no medievo, durante a Grande Fome, famílias simples como a do livro, costumavam abandonar seus filhos ou pior, alimentarem-se da carne deles. A prática de canibalismo era muito comum nesse período.

Essa edição é muito bonita e sua ilustração a torna ainda mais incrível, dando um clima medonho ao que já faz parte de um cenário de horror, mas que a mente inocente infantil não entendia.

Um presente aos fãs de Gaiman e um convite para aqueles que não conhecem o autor.

Continue Reading

HQs

Resenha | Aprendendo a cair

Uma belíssima grafic novel comovente e com diálogos sem filtro.

Mylla Martins de Lima

Published

on

A editora Nemo acaba de lançar mais uma HQ emocionante contada do ponto de vista de um jovem com necessidades especiais. Escrita pelo alemão Mikael Ross, esse quadrinho é tão profundo quanto a história por trás dele.

Aprendendo a cair tem sua origem no aniversário de 150 anos da Fundação Evangélica Neuerkerode, que gere uma cidade pequena composta por cidadãos que, em sua maioria, sofrem de algum tipo de transtorno mental. O mais interessante em meio a toda essa novidade é que essas pessoas, mesmo com suas peculiaridades, possuem uma vida como de qualquer outra, com seus empregos, lazeres e afazeres.

O quadrinho foi encomendado para Mikael em comemoração a essa data tão especial, e o mesmo levou muito a sério, morando durante um certo período no local para entender a vida dessas pessoas e o cotidiano de cerca de 800 habitantes. Feita sua pesquisa de campo, a história levou mais dois anos e meio para ser finalizada e terminar nessa edição incrível, com uma história tão cativante, que deixa o leitor morrendo de vontade de viajar para conhecer as personalidades tão fofas e engraçadas mencionadas na narrativa.

A grafic novel foi lançada na Alemanha em 2018, e um ano após sua publicação, a mesma foi a vencedora do maior prêmio de quadrinhos local, o Maz und Moritz, entregue durante a Mostra Internacional de Quadrinhos de Erlangen, feita a cada dois anos.

A história de Aprendendo a cair é contada pela perspectiva de Noel, um menino que ama AC/DC e sonha em tocar guitarra. Com a morte repentina de sua mãe, e sem seus familiares por perto, sua vida sofre uma grande mudança e ele acaba tendo de ir para longe de Berlim, morar em Neuerkerode.

Nesse centro de cuidados, o menino conhece outras pessoas como ele e, mesmo sendo a primeira vez que Noel fica longe de sua mãe, ele se diverte, faz amizade e até se apaixona… por ser tudo muito novo, cada dia da vida do menino é muito intensa! As suas descobertas são contadas em poucas páginas, fazendo os capítulos ficarem bem curtos e facilitando a degustação do público.

A arte dessa obra é apaixonante! A edição é toda colorida, feita com muito carinho e capricho, como tudo da editora. As ilustrações têm traços muito particulares, usando marcadores e lápis de cor para dar textura na finalização. Não poderia ter ficado melhor ou combinado mais com os personagens e o tom como o autor quis narrar a trama.

Aprendendo a cair é uma história de superação, que diverte, encanta com personalidades inesquecíveis e humor bem leve e aquece o coração de quem lê. A HQ arranca sorrisos de forma bem natural e por quadros bem simples.

Os diálogos engraçados de Noel e seus amigos juntos à arte maravilhosa tornam essa HQ incrível. Ela merece um espacinho na estante de cada um.

Continue Reading

Resenha

Endurance: um ano no espaço

Livro narra a aventura no espaço de Scott Kelly.

Paulo H. S. Pirasol

Published

on

endurance capa pro site

Endurance: um ano no espaço foi escrito por Scott Kelly com Margaret Lazarus Dean. A obra é um biografia de Scott Kelly, veterano de quatro viagens espaciais, das quais a maior delas é descrita neste livro, a missão: um ano no espaço.

Toda a jornada de Scotty Kelly tem um peso forte para os dias atuais, apesar de Endurance ter sido lançado no Brasil em 2017, pela Intrínseca. O livro conta com a tradução de Andrea Gottlieb e Thaís Paiva, uma edição que traz além de palavras, mas também fotografias tiradas pelo próprio astronauta durante sua missão.

A obra não aborda apenas o cronograma de um astronauta, embora explique com clareza os procedimentos que são feitos.

O grande destaque está no que leva Scott Kelly a deixar sua família e o planeta por um ano para realizar a possível jornada mais perigosa da história; ainda mesmo que voltando vivo, não saberia os graus de impacto que seu corpo sofreria, esses resultados foram o grande objetivo da missão, descobrir o que acontece com o corpo humano no espaço durante esse período.

“Todas as partes do meu corpo doem. Todas as minhas juntas e todos os meus músculos protestam contra a pressão esmagadora da gravidade”

Endurance

No início da década de 1920, a Antártida era o objetivo de explorações geográficas e científicas internacionais. A Expedição Endurance, realizada em julho de 1915, é considerada a última grande expedição daquele momento, o objetivo era de atravessar o continente.

navio da expedição endurance

Mas a expedição não ocorreu como planejado, o navio Endurance ficou preso no gelo e foi esmagado.

Ernest Henry Shackleton (o explorador encarregado de liderar a expedição) e sua equipe tiveram que passar por uma enorme travessia até encontrarem abrigo na Georgia do Sul (1278 km de distância onde o navio foi esmagado).

Entretanto, não conseguiram resgatar o restante da equipe devido ao congelamento do mar. Mas Ernest não desistiu e rumou até o Chile para conseguir ajuda. Os sobreviventes se sentiram forçados a matar seus cachorros para se alimentarem; ficaram no gelo por meses seguidos e quase morreram congelados. Atravessaram montanhas antes consideradas intransponíveis. Ainda assim, a expedição não perdeu nenhum membro.

Em agosto de 1916, ele consegue resgatar toda a sua tripulação que ficou conhecida pela bravura, companheirismo e incrível vontade de sobreviver.

O livro A incrível viagem de Shackleton, de Alfred Lansing (que conta sobre a expedição) é um dos objetos que Scott Kelly gosta de ter em suas viagens no espaço.

“Quando tento me colocar no lugar deles, penso que a pior coisa deve ter sido a incerteza. A incerteza da sobrevivência deve ter sido pior do que a fome e frio. Quando leio sobre sua experiências, penso em como o desafio deles foi muito maior do que o meu. Às vezes pego o livro especificamente por essa razão”

O significado de “endurance” é resistência que é o fundamental para qualquer momento perigoso.

scott kelly em endurance

Para Scott Kelly, a essência da vida boa dependia do grau de risco enfrentado, quanto mais desafiadora, mais lhe agradava. Na obra ele conta as dificuldades que teve para se ingressar em outros campos e dar atenção a certos assuntos que não atiçavam os seus desejos. Mas também porque ele ainda não se conhecia, apenas sabia que enfrentar o perigo era aonde queria estar.

Ainda no colegial comprou um livro chamado The Right Stuff (Os Eleitos) de Tom Wolfe, sobre uma aventura de pilotos da marinha, aquilo o atraiu pois mostrava como a dificuldade no mundo real está sempre além do que sabemos.

“Em um livro, encontrei algo que achava que jamais encontraria: uma ambição. Quando fechei aquelas páginas tarde da noite, havia me tornado alguém diferente”

Durante a missão de um ano, Scott liga para o autor de Os Eleitos e pergunta como ele poderia começar a escrever um livro, a resposta leva a forma como o astronauta decidiu fazer Endurance.

O Peso da mortalidade

O Catraca Livre, portal de notícias, fez em 2019 uma lista das 10 carreiras mais arriscadas do mundo e astronauta está nela.

endurance foto que tem no livro

No decorrer do livro, Scott Kelly conta inúmeras histórias de falhas que levaram a acidentes ou fins trágicos de cosmonautas com o intuito de prestar homenagens e também de explicar ao leitor o porquê certas tradições do serviço, principalmente russas, são feitas.

“Não preciso urinar, mas é uma tradição: quando Yuri Gagarin estava a caminho da plataforma de lançamento para o seu primeiro voo espacial histórico, ele pediu para estacionar – mais ou menos aqui – e fez xixi no pneu direito da frente do ônibus. Depois disso, foi para o espaço e voltou vivo. Então agora, todos temos que fazer a mesma coisa”

Para Scott, reconhecer aqueles que enfrentam seus desafios é muito importante na vida de uma pessoa; é a forma como ela presencia o exemplo de: fazer a vida ser bem vivida.

O peso que ele encontra em sua mortalidade não faz temer perdê-la, mas buscar bom uso do seu tempo de vida.

A obra mostra como é importante reconhecermos o quanto pessoas estão dispostas a sofrer para garantir avanços na melhoria de vida humana, e como é árduo que elas mantenham a resiliência.

Covid-19

Em tempos de pandemia, conhecer a perspectiva de Scott Kelly pode abrir nossos olhos para reconhecer os esforços que têm sido feitos por muitos para assegurar um futuro mais seguro; também puxa a nossa atenção para a segurança contra os riscos que nos desafiam. Recentemente o astronauta deu dicas de como suportar a quarentena.

Sua grande observação quanto ao momento pós-conflito ou até mesmo o porquê de você resolver um conflito: é para que possa se reunir com seus entes queridos.

“Sentar-se a uma mesa e fazer uma refeição com quem se ama é algo simples, e muitas pessoas fazem isso todos os dias sem dar muita importância. Para mim, é algo com que tenho sonhado há quase um ano”

O filme Gravidade (2013), dirigido por Alfonso Cuarón e estrelado por Sandra Bullock buscar mostrar a coragem naqueles que aceitam carreiras arriscadas, mas se você quiser ver isto na vida real como Scott Kelly viu ao ler Os Eleitos, basta você ligar a televisão ou entrar na internet que verá o mundo inteiro enfrentando um perigo para garantir a sua segurança e a de todos. Então, é importante manter-se seguro como um astronauta e valorizar as refeições com aqueles que ama (dentro de casa, caso não seja possível aguarde como um astronauta).

Endurance ressalta o heroísmo na jornada de Scott Kelly e de Ernest Henry Shackleton. O valor da missão está na bravura de superar um desafio, no desejo de enfrentá-lo e saber que vencer um perigo é, acima de tudo, garantir a segurança do próximo.

Continue Reading

Parceiros Editorias