Connect with us

Fandom

Semana Especial Tartarugas até Lá Embaixo | Meu livro Favorito do autor é?

Graziele Fontes

Published

on

John Green (1977) é um romancista e vlogger norte-americano, autor do best-seller “A Culpa é das Estrelas”, livro do seguimento chamado de Young adult – a literatura para adolescentes e jovens.

Hoje estou aqui para falar do meu livro favorito de John Green e escolher um livro do autor como o preferido é cruel para quem gosta de todos os livros dele, até porque cada uma de suas obras transmite uma mensagem diferente, o que torna injusto falar sobre o favorito, levando em consideração que cada mensagem de seus livros é atingido de uma forma em cada um de nós.

Eu vou falar de um livro do autor que li mais de 3 vezes, vi o filme mais vezes do que posso contar e que em todas as vezes me fez chorar, mesmo sabendo tudo o que vai acontecer.

Que fique muito claro a vocês que eu gostei de todos eles, cada um de um jeito diferente, mas não podia deixar de falar aqui sobre A Culpa das Estrelas, pois não tive o prazer de sequer fazer uma resenha, mas que tenho muita vontade de contar a minha experiência enquanto o lia. Antes de falar sobre o livro, o que eu senti e por que o escolhi para ser comentado aqui, peço que leiam os livros do autor, pois todos os livros de John Green, nos remete a uma realidade sobre os adolescentes que temos atualmente, com seus problemas muito mais adulto do que os nossos há alguns anos. John escreve com propriedade sobre os adolescentes e deve ser levado em consideração. Seus personagens têm em média, 16 e 17 anos, mas algumas características deles, vejo em meu sobrinho de 13 anos. É incrível o quanto John sabe captar os adolescentes de uma forma muito realista.

Agora é a hora de falar por que A Culpa é das Estrelas é o meu favorito (fique sabendo que estou fazendo esse texto sentindo meu coração arder por só poder escolher um)

Quando li o livro, há alguns anos, eu trabalhava como recepcionista em um polo cinematográfico e, claro, como toda recepcionista sempre há uma colega de trabalho que fala mais do que uma maritaca. Lembro que estava muito quente e sol irradiando do lado de fora e havia acabado de comprar o livro nas americanas que ficava perto de onde eu trabalhava e A Culpa É das Estrelas era o livro que mais queria ler nos últimos tempos, afinal, todo mundo estava falando sobre ele, minhas amigas comentavam sobre ele e, confesso, que foi com este livro que descobri o autor.

Abri o livro e já me peguei sorrindo, concordando com o drama da personagem, mas quando os olhos de Hazel Grace e Augustus Waters se encontraram, e todo aquele contato demorado, cheios de arqueios de sobrancelhas, sugestões sendo transmitidas, fui capturada pelo romance e, embora a minha colega de trabalho não parasse de me chamar “Grazi, Grazi, Grazi, Grazi” (meu apelido) e quase rasgar minha blusa de tanto puxá-la pedindo atenção, mesmo com tantas interrupções, o livro me pegou de um jeito incrível no primeiro capítulo.

Eu sempre fui considerada a inteligente da família, a pesquisadora de tudo desde os tempos da escola e foi impossível não me encontrar em Hazel Grace na minha adolescência, usando palavras difíceis e mostrando meu lado nerd. Eu era aquela aluna que até corrigia o professor em sala de aula de tão intrometida que eu era…

A história de Hazel Grace e Augustus Waters me ensinou muitas coisas. Eles me ensinaram que não podemos sofrer uma doença ou qualquer coisa de ruim que acontece na nossa vida, como se fosse o fim e se esquecer de viver. Eu jamais vou me esquecer disso, ainda mais por ter sofrido recentemente algo muito ruim, que desestruturou toda a minha família. É por causa do que eles ensinaram que não desisti e continuei lutando, claro que, a cada dia, é uma luta acordar e sair da cama, mas eles me ensinaram que não devemos desistir até que o último suspiro aconteça.

É por isso que hoje falo de A Culpa é das Estrelas e o considero um dos meus favoritos, embora esteja totalmente dividida quanto a isso, pois acho que gosto mais de Tartarugas Até Lá Embaixo.

Conhece todos os livros do autor? Então diga-nos qual o seu livro favorito e por quê?

Veja nossa resenha da nova obra do autor, Tartarugas Até Lá Embaixo e aproveite para comprar o livro, pois ele é fantástico.

Comments

Fandom

Animações que merecem um Live-Action da Disney

Quais filmes merecem um live-action Disney? Mayara Baunilha escreveu este super texto, confira!

Mayara Baunilha

Published

on

Com a onda de remakes e live-actions da Disney, que somente neste ano emplacou “Dumbo“, “Aladdin”, “O Rei Leão“ e ainda antecipou a estreia de “Malévola 2”, muitos se perguntam, quais serão os próximos títulos?

Em 2020 teremos a estreia de “Mulan”. Porém há mais obras, ainda em produção, já confirmadas. Dentre elas “Cruella”, estrelado por Emma Stone e com direção de Craig Gillespie. Sem contar com um dos projetos em live-action mais adiados pela Disney, “A Pequena Sereia”, que agora terá à frente da direção Rob Marshall, com o papel da sereia Ariel assumido pela cantora e atriz Halle Bailey.

Além destes, também já estão confirmados “A Dama e o Vagabundo”, com direção de Charlie Bean, e uma nova adaptação de “Peter Pan”, cujo cineasta encarregado pela direção do projeto, ao menos até o momento, será David Lowery.

Não há demais obras confirmadas a princípio, porém existem aquelas obras que não há como não pensar que ficariam maravilhosas se adaptadas para uma versão remake, ou live-action, visando agora uma proposta mais realista. É exatamente por esta razão que fizemos essa seleção com animações que deveriam e mereciam ser adaptadas pela Disney.

O Corcunda de Notre-Dame (1996)

O romance “Notre-Dame de Paris” de Victor Hugo já possui algumas adaptações cinematográficas, além da versão animada da Disney, de 96. Porém, algo que destaca a animação das demais versões é a sua trilha sonora impecável. Com canções escritas por Alan Menken, o álbum contendo a trilha do longa, lançado no mesmo ano do filme pela Walt Disney Records, chegou a alcançar o pico número 11, na Billboard 200.

A obra também possui uma versão teatral produzida pelo Disney Theatrical Productions, que realça a musicalidade da orquestra e do coral que tiveram tanta importância na animação clássica. Com 10 canções inéditas, essa versão foi um sucesso de bilheteria e de crítica, podendo assim ser perfeita para inspirar uma adaptação em live-action, que poderia vir a atingir tanto prestígio quanto.

Pocahontas (1995)

Com a onda de representatividade e de personagens femininas que não se limitam mais a meros troféus e pares românticos dos heróis, o quão incrível poderia ser uma versão live-action de uma obra cuja a protagonista é uma independente, corajosa e sábia jovem mulher indígena?

O dramático e emocionante romance animado de 95 certamente seria incrível de ser visto em uma versão repaginada. Além de poder trazer com mais precisão histórica e semelhança a realidade as vestimentas, costumes e cultura da tribo nativo-americana Powhatan, que ocupava a região da atual Virgínia.

Hércules (1997)

A versão da Disney das aventuras do herói grego certamente marcou a infância de muita gente. Mesclando a dosagem perfeita de humor, fantasia, romance, além de possuir uma trilha sonora (Também comandada pelo já citado Alan Menken.) totalmente envolvente, que mescla orquestra com gospel, a obra, se adaptada para uma versão em live-action, seria sucesso garantido.

Há diversos fancastings (Elencos formados por fãs.) de Hércules na internet, evidenciando nomes como Chris Pratt para viver o protagonista, Danny DeVito para reprisar o papel do sátiro Phill, além de atrizes como Anna Kendrick e Elizabeth Gillies para o papel da audaciosa Meg. Tal empolgação por parte dos internautas só prova o quão “Hércules” é uma obra querida pelo público. Ou seja, se a Disney um dia decidir adaptar a mesma, certamente será recebida com o mesmo entusiasmo que suas demais adaptações.

Atlantis: O Reino Perdido (2001)

A lenda sobre uma misteriosa ilha ou continente cuja primeira menção conhecida remonta a Platão em suas obras “Timeu ou a Natureza” e “Crítias ou a Atlântida” possui algumas adaptações e uma série de versões documentais. A versão em animação 2D dos estúdios Disney, embora merecesse, por conter todos os elementos que uma boa fantasia de aventura precisa ter, não atingiu o êxito necessário.

Apesar de não ter sido um grande sucesso comercial, surgiram boatos de que uma versão em live-action estaria sendo planejada pelos estúdios de Mickey Mouse, e que a mesma possuiria Guillermo Del Toro a frente da produção. Porém, o cineasta desmentiu o burburinho.

Apesar do súbito banho de água fria, os mais esperançosos ainda podem torcer para ver uma nova versão da obra nos cinemas. Afinal, quem sabe com novos ares e algumas mudanças, “Atlantis: O Reino Perdido” consiga redimir o que não foi conquistado pela sua versão inicial, que injustamente ocupa lugar dentre os filmes subestimados tanto pelo público, quanto também pela própria Disney.

O que acharam da lista? Podemos ter mais filmes da Disney? Comente abaixo.

Continue Reading

cinema

Watchmen – O melhor filme de quadrinhos? O que dizem os críticos?

Nomes importantes da crítica nacional e internacional de cultura pop falam sobre o longa.

Edi

Published

on

By

Em 2009 foi lançado o longa Watchmen nos cinemas, adaptação da obra de Alan Moore e David Gibbons, pelas mãos do diretor Zack Snyder.

Em uma época que a internet não tinha tanta força e as opiniões ficavam restritas a uma bolha, a produção foi tida por muitos como o melhor filme – baseado em uma história em quadrinhos – já realizado até então. Mas será mesmo?

Assim, o CDL convidou alguns dos grandes nomes da crítica nacional e internacional, fãs e influenciadores, para falarem sobre seus sentimentos em relação a Watchmen, mais de 10 anos após seu lançamento.

“Watchmen é um dos melhores filmes de quadrinhos. Ele tem seus problemas narrativos, principalmente no final. Aquela modificação colocando o Dr Manhattan como o ‘vilão’, talvez desse o mesmo resultado. Mas visualmente, ele é maravilhoso, ninguém pode negar que Zack Snyder sabe fazer visualmente uma história…

Watchmen é um dos melhores filmes de quadrinhos já feito…”

Carlos Voltor – Crítico de cinema e cineasta

Pra mim ainda é um dos melhores filmes de quadrinhos já produzidos. O filme é lindo e muito bem feito.” – Carlos Voltor, cineasta, crítico de cinema, roteirista e membro do NerdCast.


“Watchmen eu enxergo como uma boa adaptação de quadrinhos, um pouco verborrágico e preso demais ao material original, como é com 300 – muito declamativa, pouco cuidado na transição entre as linguagens no referente ao texto falado – mas o estilo cinético dele (Zack Snyder) adapta bem o outro aspecto visual dos quadrinhos, e ele é feliz em mudar o final – ficou melhor que na HQ – e em fugir de algumas subtramas e narrativas que nao caberiam ali…

“O final do filme ficou melhor que na HQ”

Andre Gordirro – Jornalista, crítico de cinema, tradutor, escritor e radialista.

Ele criou um estilo cinético próprio, ainda que derivado um pouco de Matrix, mas que, assim como Matrix, foi tão copiado (e até pelo próprio Snyder) que ficou caricato – vide o uso em Mulher-Maravilha.” – Andre Gordirro, jornalista especializado em cinema, tradutor, escritor e apresentador do programa Geek Mix na rádio FM Rio 102,1.


“Eu acho que Watchmen um dos maiores filmes de quadrinhos já feitos, então sim… eu considero Watchmen uma obra-prima do gênero de filmes de quadrinhos, é espetacular e eu acho que é o maior filme de Zack Snyder. Eu sou um grande fã do trabalho de Snyder em geral, eu gostei ou amei todos os filmes que ele fez até agora, e acredito que Watchmen continuará a ser uma grande obra de arte de todos os tempos do gênero de super-heróis / filmes de quadrinhos…

“…Sim, eu considero Watchmen uma obra-prima do gênero de filmes de quadrinhos”

Mark Hughes – Revista Forbes

Watchmen foi considerado impossível de se adaptar. Cineastas como Terry Gilliam tentaram e decidiram que não poderiam fazê-lo. A história em quadrinhos original de Alan Moore é considerada um clássico icônico na história dos quadrinhos, a partir de uma era que revitalizou os quadrinhos e popularizou-os como uma forma de arte séria e válida…

Para adaptar uma história em quadrinhos tão amada e histórica, depois que outros cineastas aclamados não conseguiram realizá-la e muitos achavam que era impossível fazê-lo, isso faz com que Watchmen de Snyder seja ainda mais impressionante. E o fato de que realmente encontrou maneiras de melhorar o quadrinho, e fortaleceu ainda mais os temas da história, é mais uma prova do poder e importância da adaptação cinematográfica de Snyder.” – Mark Hughes, colunista e crítico de cinema da revista Forbes.


“Uma comunhão perfeita do fantástico com a solenidade típica do Snyder”

Otavio Ugá – Ator, diretor e crítico de cinema no Canal Super 8

“Eu gostei muito de Watchmen, Snyder conseguiu adaptar de uma forma muito visionária. Desde efeitos, elenco, roteiro, tudo ficou muito bem feito…

“A adaptação ficou de uma forma muito visionária…”

Lucas Marçal – Dono da Pagina DCnautas

Eu não tenho uma visão muito critica sobre filmes, mas Watchmen com certeza é subestimado academicamente.” – Lucas Marçal, editor da página no Facebook DCnautas.


Como podem ver, a adaptação de Watchmen para o cinema é considerado por muitos como algo único na história do gênero e, porque não pontuar, uma obra-prima da sétima arte.

E você, o quê acha de Watchmen?

Continue Reading

Fandom

Suits – Os melhores episódios de uma série sobre relacionamentos

Existem muitos episódios maravilhosos de Suits, cite nos comentários quais vocês mais gostam.

Edi

Published

on

By

Ja foi dito aqui que Suits é a melhor serie jurídica em exibição na Tv. Séries como How to Get Away with Murder focam muito mais no sensacionalismo da historia, enquanto Suits pondera, sempre pautado em como o mundo real funciona.

Contando que, se você for perguntar a qualquer pessoa, fã de Suits, quais são os melhores episódios para ela, ela vai sempre dizer que sao os episodios com uma carga EMOCIONAL E NÃO NECESSARIAMENTE DRAMÁTICA PARA OS PERSONAGENS.

Curta: SUITS BRASIL

Isso já monstra que Suits sempre focou mais nas historias individuais de cada um, e não existe personagem principal em Suits que não seja importante.

Apesar de Suits ser uma série ambientada no mundo juridico, ela foca muito mais em como as pessoas lidam com seus problemas, suas culpas, sonhos e medos.

Agora segue a lista dos melhores episódios de Suits.

“Ela Sabe” 2×1

Suits tem uma das premissas de que um dos principais advogados da firma é uma fraude, ou seja, jamais cursou a faculdade de direito. Porem, somente seu mentor, Harvey (um do melhores advogados de NYC) sabe sobre isso.

Porém ao final da primeira temporada, a sócia gestora da empresa recebe uma denuncia de que Mike Ross (o advogado) jamais cursou a faculdade de direito. Mike, depois descobre através de uma ex-namorada, que na verdade a sócia diretora já sabe de sua historia, e ela vai usar isso a seu favor.

“Aguas Passadas” 3×12

Henry Gerard é um professor de etica de Universidade de Direito em Harvard, que vai visitar a firma, mas tem um problema.

Mike Ross tem nota 10 em ética e Louis questiona, afinal, Gerard é um professor conhecido nos EUA inteiro, por jamais dar nota 10 para seus alunos. Louis então descobre que Mike nunca cursou direito e pretende desmascara-lo na frente do professor.

“Acertando no Lugar Certo” 5×7

Louis briga com Harvey, por conta de ciúmes com sua irmã. Louis havia pedido para Harvey não a magoa-la.

Além do mais, Harvey dormiu com a irmã dele, no momento de raiva Louis acaba falando coisas para Harvey, e o mesmo da um soco na sua cara.

O que se segue depois é Louis tendo uma carta na manga para a demissão de Harvey. O crescimento da cena, como também a direção do episodio o tornam um dos melhores da série.

“Aos 45 do segundo tempo” 5×16

Mike assume a responsabilidade pelos seus atos e para proteger seus amigos decide fazer um acordo, 2 anos na prisão.

Harvey tenta ajudar ele, mas Mike esta decidido, Mike simplesmente aceita os termos e é preso no dia do seu casamento.

Existem muitos episódios maravilhosos de Suits, cite nos comentários quais vocês mais gostam

Continue Reading

Parceiros Editorias

error: Conteúdo Protegido